12 histórias super sombrias por trás dos seus filmes favoritos da Disney

Mensagens subliminares são usadas por empresas para promover seus produtos ou ideias

No romance de J. M. Barrie, Peter mata os Meninos Perdidos quando eles ficam velhos. Foto: Ilustração
No romance de J. M. Barrie, Peter mata os Meninos Perdidos quando eles ficam velhos. Foto: Ilustração

1. A Pequena Sereia

Quando as sereias morrem, elas se tornam espuma do mar e deixam de existir. No conto de fadas original, o príncipe se apaixona por outra garota, partindo o coração da Pequena Sereia. Ela encara um dilema: se ela matar o príncipe e deixar uma gota do sangue dele pingar sobre seus pés, voltará a ser uma sereia. Por fim, ela não consegue fazer isso e, em vez disso, se joga no oceano, transformando-se em espuma do mar.

2. Cinderela

O conto de fadas original da Cinderela é completamente repugnante. Quando nenhuma de suas irmãs de criação consegue calçar o sapato de Cinderela, uma delas corta seu dedo do pé e a outra corta o calcanhar para enganar o príncipe. Mais tarde, a Cinderela envia seus pássaros mágicos para bicarem os olhos de suas irmãs, como punição por suas fraudes. Ah, e ela também bate com a tampa de um baú no pescoço de sua madrasta, quebrando-o e matando-a. Cinderela, você é má.

3. O Rei Leão

Mesmo que O Rei Leão seja um plágio completo de um desenho japonês, a Disney afirma que é baseado em Hamlet, de Shakespeare – uma peça em que praticamente todo mundo morre. No clímax, Hamlet (o personagem em que Simba é baseado) é esfaqueado até a morte com uma faca envenenada. Hakuna matata!

4. Aladdin e os 40 Ladrões

O material que originou o Aladdin é bastante comportado, mas a segunda sequência do filme tem origens mais sombrias. Em Ali Baba e os quarenta ladrões, o personagem Cassim (pai do Aladdin) é morto e esquartejado, e as partes do seu corpo são empilhadas em torno da caverna do tesouro como um aviso aos viajantes. Mais tarde, o corpo de Cassim é costurado por um alfaiate para que sua família pense que ele morreu de causas naturais.

5. A Bela Adormecida

Na obra de Giambattista Basile, de 1634, o príncipe não consegue acordar a Bela Adormecida de seu sono, que é causado por uma farpa de linho em seu dedo. Então, o que o príncipe faz em vez disso? Ele a estupra e vai embora. A Bela Adormecida, ainda totalmente inconsciente, fica grávida e dá à luz a gêmeos. Um dos gêmeos chupa o dedo dela, tirando a farpa e acordando sua mãe. A Bela Adormecida acorda e pensa: “Mas que diabos, quem são essas crianças?” Fim.

6. Hércules

O filme Hércules é baseado nos mitos gregos, que são um tanto confusos. Primeiro, Zeus engana a mãe de Hércules para fazer sexo com ela. Então, quando criança, Hércules mata seu tutor de música com uma lira. Mais tarde, ele se casa com Megara, mas enlouquece e mata todos os seus filhos. Ele se casa mais três vezes depois disso e tem incontáveis amantes homens.

7. O Cão e a Raposa

Nossa, este é pesado. Nem leia. Apenas pule para o número 8.

De qualquer forma, no romance original, Tod tem um colapso por exaustão durante uma caçada e morre. O dono alcóolatra de Copper decide se mudar para um asilo, mas atira em Copper com uma espingarda antes de partir. Literalmente o pior fim imaginável.

8. O Corcunda de Notre Dame

No romance original de Victor Hugo, Quasimodo trai Esmeralda depois que ela se recusa a amá-lo, levando-a a ser enforcada em uma praça. Apesar de tudo, ele se sente mal e fica ao lado do cadáver dela até ele próprio morrer de fome. O corpo deles é encontrado 18 meses mais tarde, e quando tentam separá-los, os ossos do Quasimodo viram poeira. O mundo é deveras cruel e malvado.

9. Pocahontas

Pocahontas era uma pessoa de verdade, e a vida dela era meio que uma droga. Ela meio que detestava o John Smith, que praticamente mentiu sobre tudo que aconteceu entre eles. Ela também foi sequestrada, mantida como refém por um ano, rebatizada de Rebecca e desfilou por aí como uma ferramenta de propaganda para então morrer aos 21 anos. E, então, seu túmulo foi destruído. Mas “Colors of the Wind” é uma música linda, não é mesmo?

10. Alice no País das Maravilhas

Lewis Carroll escreveu Alice no País das Maravilhas como uma sátira mordaz sobre os novos conceitos matemáticos polêmicos, como os números imaginários (você sabe, essas coisas sobre as quais a gente aprendeu na escola). Carroll era superconservador e das antigas, e achava que você tinha que estar sob o efeito de drogas para acreditar em conceitos tão avançados.

11. Peter Pan

No romance de J. M. Barrie, Peter mata os Meninos Perdidos quando eles ficam velhos: “Os meninos na ilha variam, é claro, em número, conforme eles são mortos e assim por diante, e quando eles parecem estar crescendo, que é contra as regras, Peter se desfaz deles”. Poxa, Peter. Isso é rude demais.

12. A Princesa e o Sapo

Na primeira versão do conto de fadas A Princesa e o Sapo, a maldição do sapo é quebrada quando a princesa o joga contra a parede. Em algumas versões, a cabeça do sapo é cortada fora ou sua pele é queimada. Por que qualquer desses atos quebraria uma maldição ao invés de um simples beijo é o que ninguém sabe.

 

Fonte: Site Buzzfeed

Compartilhar:
    Publicidade