“O governo é culpado pela insegurança”, afirma delegado após morte de policial civil

Ilfran Tavares foi morto neste domingo em uma tentativa de assalto a uma panificadora na avenida Nilo Peçanha, em Petrópolis

Velorio-do-Policial-Civil---Ilfran-Andre-(7)

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

O corpo do policial civil Ilfran André Tavares de Araújo, de 51 anos, morto nesse domingo (27) em uma tentativa de assalto na Panificadora La Via Pane, que fica localizada no bairro do Tirol, Zona Oeste de Natal, foi velado nesta segunda (28) no Centro de Velório São José.

A família, bastante abalada com a morte de Ilfran, não quis falar com a imprensa. O delegado Sérgio Leocádio, amigo da vítima há mais de 20 anos, lamentou o ocorrido e criticou duramente a situação da segurança no Rio Grande do Norte. “Ele começou a trabalhar comigo na polícia na década de 90. Era um pessoa exemplar, tanto profissionalmente quanto pessoalmente. Hoje perdemos não apenas um grande profissional, mas também um grande amigo. Acho que a insegurança no RN chegou ao limite. Se um policial morre dessa forma, como fica a situação do cidadão comum? Quem deveria estar dando entrevista agora era o Governo, pois ele é o culpado por toda essa insegurança”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública do Rio Grande do Norte (Sinpol-RN), também lamentou a morte de Ilfran. “Era um companheiro nosso. Ele era sindicalizado e sempre estava presente aqui no Sinpol. Ele era uma pessoa do bem, tanto que morreu tentando defender a vida da irmã. Ele estava perto de se aposentar. Ele estava desarmado e infelizmente foi mais uma vítima do descaso do nosso Governo com a segurança da população”.

Revoltado com a situação, Djair também fez um desabafo. “Nós já estamos falando isso há algum tempo. Enquanto não houver investimento na polícia, essa situação não irá mudar, a tendência é apenas piorar. É preciso fazer um trabalho de inteligência muito forte para inibir os bandidos, mas isso não ocorre aqui. A vida da população do RN está por um fio. Nós temos que ter a sorte de não estar no lugar errado na hora errada, caso contrário acontece o que aconteceu com o Ilfran”.

Ilfran Tavares trabalhou por 24 anos na Polícia Civil e atualmente estava lotado na Delegacia Especializada de Acidentes de Veículos (DEAV). Durante sua carreira policial prestou serviço nas delegacias distritais: 1ªDP, 4ªDP, 6ªDP; e nas Especializadas: Delegacia Especializada no Atendimento ao Turista (DEATUR), Delegacia Especializada no Consumidor (DECON), além de ter atuado também na Corregedoria de Polícia Civil (CORREPOL).

Toda a ação dos bandidos foi filmada pela câmera de segurança do estabelecimento. Nas imagens é possível acompanhar a entrada de dois homens no local, que aconteceu às 20h27. O primeiro suspeito aparece de camisa azul e capacete. É ele que anuncia o assalto e vai direto para o caixa. O segundo, de camisa listrada e mochila, vai em direção aos clientes. Nesse momento a irmã de Ilfran foi ameaçada pelo bandido, que estava armado. Ilfran então tentou defender a irmã, pedindo calma para o assaltante. Os dois entraram em luta corporal e o bandido que estava de capacete atira na direção do policial civil, que foi atingido na cabeça.

Ilfran ainda foi socorrido e encaminhado para o Hospital Walfredo Gurgel, mas não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo. Segundo a polícia, os suspeitos fugiram em duas motos que estavam em frente ao estabelecimento. Outros dois homens deram cobertura a toda a ação. Diligências foram feitas na região. Uma pessoa chegou a ser detida, mas não foi reconhecida pelas testemunhas e acabou liberada.

O presidente do Sinpol também denunciou que o corpo de Ilfran só foi liberado pelo Instituto Técnico-Científico da Polícia (ITEP) na manhã desta segunda-feira (28), pois o Itep não tinha médico legista para realizar a necropsia do corpo. O sindicato afirmou que esse problema vem ocorrendo há algum tempo. “O SINPOL-RN denuncia que os homicídios registrados no período da noite não estão sendo investigados de imediato. Isso porque a maioria dos crimes acontece nesse horário e são apenas duas equipes de plantão para toda a Natal e região metropolitana. Além disso, o ITEP está funcionando sem médico legista no plantão noturno, durante vários dias no mês, o que prejudica perícias e liberação de cadáveres, bem como exames em pessoas vivas, como em casos de estupros”, disse o Sinpol em nota enviada para a imprensa. O jornal de hoje tentou contato com a diretoria do Itep através da assessoria de imprensa, mas não obteve retorno.

10259867_664330696954303_6364281685904733719_n

O comandante geral da PM no Estado, coronel Francisco Araújo, afirmou que a PM tem feito o que pode para combater a criminalidade e que no momento da morte do policial civil, viaturas estavam próximas ao local. “Quando o crime ocorreu tinha uma viatura na Praça Cívica, que fica bem próxima à padaria e também tínhamos mais duas na região. Chegamos lá rapidamente, mas infelizmente toda a ação dos bandidos aconteceu de forma muito rápida”. De acordo com o que se pode observar no vídeo divulgado pela polícia, os criminosos ficaram na Panificadora por 27 segundos.

Com os bandidos ainda soltos, o delegado geral da Polícia Civil, Adson Kepler, designou uma comissão especial para o caso, que será formada pela delegada Rossana Pinheiro e auxiliada pelos delegados Frank Albuquerque e Herlânio Cruz. O enterro de Ilfran está marcado para as 17h, no Cemitério de Nova Descoberta.

Assaltos em Tirol e Petrópolis

O caso da tentativa de assalto na La Via Pane foi apenas mais um dos muitos que têm acontecido nos últimos meses nos bairros de Tirol e Petrópolis, antes conhecidos por serem pacíficos. Exemplos são vistos todos os dias. Na semana passada, um Pet Shop foi roubado. No final de março funcionários de uma farmácia denunciaram que o estabelecimento tinha sido vítima de bandidos todos os dias daquele mês. Questionado, o coronel Francisco Araújo não soube explicar o motivo do aumento, mas destacou a audácia dos assaltantes e também a facilidade que eles encontram para fugir em motocicletas.

“No caso dessa padaria, os criminosos entraram como se fossem comprar alguma coisa. Isso eles fazem em todos os estabelecimentos. Eles entram como se fosse clientes. Depois que roubam, normalmente fogem em motos, que são veículos rápidos, que facilitam muito a fuga deles. Quando eles sobem nas motos, fica complicado a polícia alcançar. Também existem muitas rotas de fuga nesses bairros. No casso da morte do policial civil, uns falaram que os bandidos fugiram para Mãe Luiza, outros para a Praia do Meio. Então é complicado”.

Compartilhar:
    • Paulo

      Desculpas e mais desculpas, mas na realidade somos todos nós culpados, pois quem está no governo foi colocado pelo voto da maioria da população, sendo omissa por dentadura, tijolo, cimento, óculos e cargos comissionados.