A autonomia dos fatos – Walter Gomes

Os aspirantes de oposição ao Palácio do Planalto elevam o nível de críticas – desaforadas, algumas – à Presidente. No…

Os aspirantes de oposição ao Palácio do Planalto elevam o nível de críticas – desaforadas, algumas – à Presidente. No contraponto, a recandidata esbraveja ‘gentilezas’ ao vivo e a cores. Na sequência dos dias das apresentações presidenciais, aparecem inserções publicitárias milionárias de elogio à administração federal. Poucas retratam a realidade do país e da população. Trata-se, enfim, de propaganda nem sempre honesta, usada, também, por governadores e prefeitos dos mais diversos partidos. Todos contrariam, no todo ou em parte, a legislação eleitoral. Desrespeitam as normas, porque é irrisório o valor da multa e a corte de julgamento é lerda. O mesmo não pode ser dito em relação ao Ministério Público, sempre presente, à parte o exibicionismo de um ou outro promotor.

A propósito da campanha antecipada – aliás, na República Surrealista dos Trópicos, é permanente – e do disse que disse entre os postulantes ao Palácio do Planalto e de quem nele deseja ficar, o birô da coluna registra afirmações do poder e dos que o buscam.

Seguem três de verbosidade ardilosa:

Dilma Rousseff: “Imagine, se essa gente (PSDB) voltar ao governo do Brasil. Quem nunca fez, cobra de quem faz.”

Aécio Neves : “É triste ver um partido (PT) que, para se manter no mando, não se envergonha de usar os meios de comunicação para assustar e ameaçar a população.”

Eduardo: “Votei nela (Dilma) para suceder ao operoso presidente Lula. Tem sido decepcionante. Frustrou o Brasil. Falhou até mesmo na base nobre da política, a ética.”

Reflexo da hora

Luta pelo voto (*) no Distrito Federal.

Para governador, a liderança é de José Roberto Arruda (PR), ex-chefe do Executivo, cujo projeto de retorno está sub judice. Seguem-no o recandidato Agnelo Queiroz (PT) e o ascendente Rodrigo Rollemberg (foto), senador do PSB.

O tucano Aécio Neves assumiu a ponta na corrida ao Palácio do Planalto e a petista Dilma Rousseff caiu para a terceira posição. O socialista Eduardo Campos conquistou o segundo lugar.

José Antonio Reguffe (PDT) dispara como o preferido para o Senado. O ocupante da cadeira é Gim Argello (PTB), em batalha dificílima para renovar o mandato.

(*) A sondagem de opinião, realizada entre sábado e segunda-feira passados, ouviu 425 pessoas. Eleitorado no DF: ao redor de dois milhões.

– Candidato a governador de Mato Grosso, o senador Pedro Taques (PDT) ganhou o apoio do colega Blairo Maggi (PR). Riquíssimo empresário, Maggi chefiou o Executivo estadual.

– As dificuldades econômicas nacionais levaram a Força Sindical a retirar de sua agenda a campanha pela jornada de 48 horas semanais.

– Um chiste faz sucesso nas redes sociais da internet. Não se conhece o autor, mas ele caprichou na mensagem criativa: “Não é a política que faz o candidato virar ladrão; é o seu voto que faz o ladrão virar político.”

– Hoje, em Brasília, conversa a respeito da sucessão presidencial. De um lado, o social-democrata Aécio Neves; do outro, Henrique Meirelles (PSD), presidente do Banco Central sob o governo Lula da Silva.

– Estrelado pela presidente da Republica e o antecessor, será apresentado amanhã o programa do PT. Horário da rede nacional no rádio (20h às 20h10) e na televisão (20h30 às 20h40).

– Meta preferencial do PP para outubro: ampliar de 40 para 45 a bancada na Câmara dos Deputados. Na disputa para o Planalto, a sigla está dividida meio a meio. No Rio Grande do Norte, o comandante do partido é Betinho Rosado.

– Não é boa aposta a candidatura de José Serra a vice-presidente na chapa puro-sangue do PSDB. O ex-governador de São Paulo pode concorrer ao Senado, mas o provável é que volte à Câmara dos Deputados com votação recorde no estado.

– Para refletir: “Sempre me alertavam sobre os 40 anos; fiz 40 e não me aconteceu nada. Depois, diziam que a pior coisa era fazer 50; fiz 50, e nada. Adiante, me falaram dos 60; completados, fiquei na mesma. Mas, ninguém me avisou dos efeitos dos 70″ (Woody Allen, cineasta estadunidense).

Compartilhar: