Adolescente que deveria passar por cirurgia na vesícula é operado de fimose

Caso foi denunciado pelo pai do menor, que garante ter escutado a confissão do erro pelo médico; direção do hospital pediátrico investiga responsabilidade dos profissionais e informou caso a Conselho Regional de Medicina

Hospital Arlinda Marques, em João Pessoa. Foto:Divulgação
Hospital Arlinda Marques, em João Pessoa. Foto:Divulgação

O Complexo Pediátrico Arlinda Marques abriu uma sindicância para apurar um erro médico que teria ocorrido dentro da unidade. O caso foi denunciado nessa quinta-feira (23) após um adolescente de 15 anos ter sido operado de fimose (tecido que cobre a parte superior do pênis), quando deveria ter passado por um procedimento cirúrgico na vesícula. O hospital é situado no bairro Jaguaribe, em João Pessoa.

O pai do garoto, que não quis ser identificado, relatou que o menor deu entrada no hospital para retirar pedras na vesícula, após exames comprovarem o problema de saúde. A família desconfiou do possível erro quando o rapaz saiu da sala de cirurgia.

“Quando eu voltei para o hospital para saber como foi a cirurgia do meu filho fui observar o tamanho do corte na barriga e daí não encontrei nenhum curativo. O meu filho ainda sob efeito da anestesia apontou para parte um pouco abaixo da barriga e, quando fui olhar, percebi que ele tinha feito uma cirurgia de fimose. Ele não tinha problema de fimose. Chamei o médico, falei do erro e ele, na hora, me pediu desculpas pelo ocorrido”, disse o pai.

Após a constatação do local errado da cirurgia, o garoto passou por novo procedimento cirúrgico. “Eu disse que só saia do hospital, após meu filho fazer a cirurgia certa. Ele entrou novamente na sala para fazer nova cirurgia. Isso é um absurdo um erro desses. O médico falou que trocaram as fichas”, observou. “E meu filho foi quem sofreu pelo erro dos outros?”, indagou o pai, inconformado. O adolescente está internado em uma das enfermarias da unidade de saúde e se recupera bem.

O diretor geral do complexo pediátrico, Bruno Leandro de Sousa, adiantou que está fazendo a análise dos prontuários para identificar se houve mesmo erro no procedimento. Ele adiantou que o Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) já foi comunicado e abriu investigação. A sindicância deve durar 30 dias.

“Recebemos a denúncia da família sobre um possível erro no procedimento cirúrgico e vamos apurar. Tudo está sendo apurado e o adolescente está sendo assistido. As investigações irão apontar se houve um equívoco do profissional de saúde”, comentou o diretor.

Nem a direção do hospital e nem os pais do garoto revelaram o nome do médico.

Fonte:UOL

Compartilhar:
    Publicidade