Agente é vítima da meningite e Sindicato pede intervenção em presídios do Estado

Outras unidades prisionais também estariam sofrendo com barbeiros, os transmissores da doença de chagas

10Barbe

Diego Hervani

Repórter

O Rio Grande do Norte registrou mais uma morte em virtude da meningite. Daniel Luz, de 37 anos, natural de Fortaleza-CE, mas que há quatro anos trabalhava como agente penitenciário no presídio Doutor Mário Negócio, em Mossoró, faleceu na última quarta-feira (28), em virtude de complicações provenientes da doença.

“Ele já vinha sentindo problemas há algum tempo, mas não dava muita importância. Na última sexta-feira (23), ele voltou para Fortaleza, onde morava. No mesmo dia ele sentiu uma dor muito forte, principalmente no ouvido. Ele foi medicado no pronto socorro, mas não melhorou. Então ele foi levado para o Hospital José Frota, também aqui em Fortaleza. Mas a situação dele piorou e ele faleceu na quarta-feira. O atestado de óbito dado pelos médicos confirma que foi meningite”, afirmou Jonas Luz, irmão de Daniel.

“Possivelmente, ele pegou a doença na penitenciária Mário Negócio, onde trabalhava, pois começou com uma gripe, depois uma infecção no ouvido, resultando em meningite. Agora, estamos solicitando que as autoridades da Secretaria Estadual de Saúde enviem equipes para aquela unidade”, frisou a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio Grande do Norte (Sindasp-RN), Vilma Batista.

Pedido do Sindicato é para  que Secretaria de Saúde envie equipes para os presídios.  Agente Daniel Luz (ao lado)  trabalhava na Penitenciária  Mário Negócio. Foto: Cedida
Pedido do Sindicato é para
que Secretaria de Saúde envie equipes para os presídios.
Agente Daniel Luz (ao lado)
trabalhava na Penitenciária
Mário Negócio. Foto: Cedida

A sindicalista ressalta que esses problemas se agravam devido às estruturas precárias dos presídios do Rio Grande do Norte. Segunda ela, boa parte deles não dispõe de um sistema eficaz de esgoto e dejetos vazam para os pátios em áreas bem próximas ao convívio social dos servidores e dos presos. “Essa é uma situação que precisa de urgência e de solução emergencial, pois estamos lidando com vidas. Infelizmente, perdemos o agente Daniel Luz e não queremos ver outros colegas mortos pela insalubridade do Sistema Penitenciário do Rio Grande do Norte”.

A presidente do Sindasp-RN ainda denunciou que, tanto no presídio Mário Negócio quanto na Cadeia Pública de Mossoró, existe risco de contaminação por outras doenças. “Além disso, temos recebido constantemente relatos de encontro de barbeiros na unidade de Caraúbas e na própria penitenciária Mário Negócio, em Mossoró. Ou seja, o risco da contaminação da doença de Chagas é alto”, afirmou.

Sejuc e Sesap não foram notificadas

O Jornal de Hoje entrou em contato com a Secretaria de Justiça e Cidadania do RN (Sejuc) e Secretaria do Estado de Saúde Pública (Sesap) para saber quais medidas seriam adotadas para investigar o caso da morte de Daniel Luz. “Até agora a Sejuc não foi notificada de nada. Nem sabemos onde foi que o Daniel pegou essa doença, se é que foi mesmo meningite. É muito fácil culpar o sistema prisional por isso, quando não se tem muita informação sobre o que realmente aconteceu. O que podemos fazer é nos solidarizar com a família”, destacou Júlio César Queiroz, titular da Sejuc.

Já a Sesap soltou uma nota na qual afirma que está avaliando a situação. “Em relação ao caso do agente penitenciário do município de Mossoró, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), através da sua Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige), informa que as notificações de casos suspeitos de meningite são feitas pela secretaria de saúde do município e encaminhadas para a Sesap. Até a manhã de hoje a Secretaria não recebeu nenhuma notificação sobre este caso. Apesar de não ter sido comunicada por vias oficiais, a Sesap está investigando o caso junto ao estado do Ceará (local de residência do paciente) e avaliando a necessidade de aplicação de possíveis medidas de controle”.

Compartilhar:
    Publicidade