Alcoólatras recebem salário em cerveja na Holanda em programa pago pelo governo

Programa de trabalho criado em Amsterdam busca retirar viciados em álcool das ruas e dar-lhes uma oportunidade de consumo controlado

Fred Schiphorst, que conseguiu voltar ao mercado de trabalho graças ao programa criado para empregar alcoólatras em Amsterdam. Foto:Divulgação
Fred Schiphorst, que conseguiu voltar ao mercado de trabalho graças ao programa criado para empregar alcoólatras em Amsterdam. Foto:Divulgação

Depois de mais de uma década desempregado por causa de uma lesão nas costas e alcoolismo crônico, Fred Schiphorst finalmente conseguiu um emprego. Ele se levanta às 5h30, caminha com seu cachorro e, em seguida, começa a limpar o lixo das ruas do leste de Amsterdam.

“Eu não tenho orgulho de ser um alcoólatra, mas eu tenho orgulho de ter um emprego novamente”, afirma Schiphorst, de 60 anos, que antes trabalhava na construção civil.

Sua jornada de trabalho começa infalivelmente às 9 horas – com duas latas de cerveja, um pré-pagamento de um salário pago principalmente em álcool.

Ele recebe mais duas latas no almoço e, em seguida, uma outra lata ou, se tudo correr bem, duas para terminar um dia produtivo.

Schiphorst é um dos beneficiários de um programa incomum financiado pelo governo para tirar os alcoólatras das ruas, pagando-lhes em cerveja para escolher o lixo .

Cigarro. Além de cerveja – a marca varia dependendo de qual cervejaria oferece o melhor preço – cada membro da equipe de limpeza recebe metade de um pacote de tabaco de enrolar, almoço e 10 euros por dia (o equivalente a R$ 30,00).

O programa, iniciado no ano passado pela Fundação Arco-Íris, uma organização privada, mas principalmente financiado pelo governo que ajuda os sem-teto, toxicodependentes e alcoólicos, é tão popular que há uma longa lista de espera de alcoólatras crônicos ansiosos para se juntar às equipes de limpeza movidos a cerveja.

Um dos defensores mais entusiastas do projeto é Fátima Elatik, prefeita do distrito leste de Amsterdam. Como um muçulmano praticante que usa um lenço na cabeça, ela pessoalmente desaprova o álcool, mas diz que acredita que os alcoólatras ‘não podem ser jogados no ostracismo’.

“É melhor dar-lhes algo para fazer e restringir seu consumo de álcool para uma quantidade limitada de cerveja do que deixá-los sem emprego e consumindo destilados baratos”, afirma.

Membros conservadores da Câmara de Amsterdam ridicularizam o que eles chamam de “projeto de cerveja”. Consideram um desperdício de dinheiro do governo e uma extensão equivocada de uma cultura de tolerância, que já fez da cidade uma meca para os usuários de maconha.

Hans Wijnands, o diretor da Fundação Arco-Íris, rejeita as críticas como arrogância política.

Adesão. A ideia de fornecer cerveja em troca de trabalho aos alcoólatras, segundo ele, surgiu primeiro no Canadá. Amsterdam tem agora três distritos que colocam o projeto em prática e um quarto discute seguir o exemplo. Outras cidades holandesas estão olhando para a ideia com simpatia.

“Se você diz apenas ‘pare de beber’, isso não funciona, explica Wijnands, cuja fundação recebe 80% do seu financiamento por parte do Estado e executa quatro salas de consumo de drogas com agulhas grátis para viciados em heroína. “Mas, se você diz:vou dar-lhe trabalho em troca de algumas latas de cerveja durante o dia’, eles gostam e podem ter uma chance de se controlar.”

Para proteger o governo de críticas de que está subsidiando a bebida, a Fundação Arco-Íris paga as cervejas com fundo próprio. “Para o governo, é difícil dizer comprar cerveja para um determinado grupo de pessoas, porque as outras pessoas vão dizer: ‘eu gostaria de alguma cerveja, também’”, disse o Wijnands.

Fonte:Estadão

Compartilhar: