Segurança na 4ª cidade mais violenta do país é a 4ª prioridade do governo Rosalba

Declarações contundentes foram feitas pelo ex-secretário Aldair da Rocha, que garantiu também que o PTB nunca esteve à disposição do governo do RN

7i67ui34uu56u

Alex Viana

Repórter de Política

O ex-secretário de Segurança do Rio Grande do Norte Aldair Rocha, presidente do PTB no Estado, disse que a gestão Rosalba Ciarlini (DEM) trata o setor de segurança pública como terceira ou quarta prioridade – atrás de setores como cultura e turismo. Em entrevista na manhã de hoje ao “RN em Debate” (segunda a sexta, 12h15, TV União), o dirigente partidário avisou, ainda, que o PTB está livre para compor com quem quiser com vistas à sucessão estadual deste ano. “O PTB nunca esteve à disposição da governadora Rosalba”, afirmou, completando, em seguida, sobre 2014: “Nós não temos nenhuma amarra, nenhuma ligação com o governo. Me sinto livre, já comuniquei o fato ao nosso presidente nacional e estamos decidindo nosso futuro”. Confira a entrevista:

Jornal de Hoje – A que se deveu a troca de comando na Segurança?

Aldair Rocha – Em outubro passado, em 2013, nós nos filiamos ao Partido Trabalhista Brasileiro e logo em seguida assumimos a direção do partido aqui no Estado do Rio Grande do Norte. A partir dali se vislumbrou a possibilidade de uma candidatura e a legislação eleitoral ela prevê que no início de abril o gestor público tem que se desincompatibilizar para poder ser candidato. Havendo essa possibilidade de ser candidato eu entendi que deveria ser substituído para não cometer o erro de ultrapassar a determinação legal. Conversando com a governadora, desde janeiro ela já tinha essa pretensão, fiquei aguardando então quem seria o meu substituto. No sábado passado ela confirmou que já tinha o nome do substituto e apresentou essa pessoa na segunda-feira, no dia 10, em uma reunião que nós tivemos sobre segurança da Copa do Mundo, com a presença do ministro da Justiça no Centro de Convenções.

Aliviado, que o PTB está livre para compor com quem quiser com vistas à sucessão estadual deste ano. Foto: Divulgação
Aliviado, que o PTB está livre para compor com quem quiser com vistas à sucessão estadual deste ano. Foto: Divulgação

JH – O governo está passando a ideia de que trocou secretário porque o setor não estava funcionando a contento. Que diz ?

AR – Às vezes, o gestor maior não dá prioridade a uma determinada área e depois o mais fácil é responsabilizar o gestor menor, aquele que está saindo. Na verdade, o governo do Estado, durante todo esse tempo, e apesar da Constituição Federal determinar que a segurança pública é responsabilidade de todos, o governo federal tem feito realmente a sua parte, tem colaborado. Agora, o governo do Estado simplesmente imagina que se pagando um salário, e às vezes um salário nem tão adequado, você resolve o problema da segurança. Nós, nesse período todo, conseguimos pistolas de São Paulo, foram 5 mil pistolas para a Polícia Militar. O pagamento do salário, o custeio, têm falhado. Nós temos dificuldades em manutenção das viaturas, de diárias operacionais, os prédios das delegacias, o próprio ITEP totalmente deteriorado, a nossa estrutura do Estado praticamente não nos ajudou durante esses três anos, apesar de insistentemente termos perturbado a Drª Kátia, apesar da boa vontade dela ela também sente um amargo total. Então as dificuldades persistiram e nós terminamos o nosso prazo de três anos, a verdade é essa, com os projetos todos prontos, aprovados, e agora eu vou torcer para que o próximo secretário, torço por isso e quero que o Rio Grande do Norte receba uma segurança que ele necessita, o que é bom para todos nós como cidadão, como moradores da cidade. Espero e vou estar junto com ele colaborando para que a gente possa executar alguma parte até à Copa do Mundo e depois, no segundo semestre, avançarmos mais e podermos realmente concluir todos esses projetos.

JH – Então, nesses três anos, em que pese o morticínio que ocorre no Estado, Rosalba não priorizou a segurança como deveria?

AR – Infelizmente você constata isso pela distribuição dos recursos. A gente avalia a prioridade a partir da distribuição dos recursos. Num momento em que você prioriza, em alguns momentos, é claro, a cultura, o turismo… Nós, por exemplo, não tivemos dinheiro para fazer qualquer tipo de viagem para mandar nossos policiais. Hoje, para fazer cursos, não temos nem recursos para mandar, e você encontra, por exemplo, pessoas do turismo viajando para México, Estados Unidos, Alemanha. Então, os recursos existem, agora a prioridade é dada pelo gestor maior. Se você prioriza turismo, cultura e outras situações, a segurança está realmente em terceiro ou quarto plano. Essa é uma realidade.

JH – A não assumir a responsabilidade sobre o setor de Segurança, Rosalba tenta repassar essa responsabilidade para o governo federal?

AR – Isso parece que é o que tem se tentado fazer, jogar toda a responsabilidade para o governo federal. O governo federal realmente tem a sua parcela, inclusive orçamentariamente. O governo federal deveria ter por obrigação ajudar os estados, porque se você for verificar o Rio Grande do Norte não tem recursos para a Segurança e deveríamos ter uma Constituição determinando – como para saúde e para educação – um orçamento próprio para a segurança. Não temos hoje um ministério para Segurança Pública, mas temos para saúde e para educação, não temos um orçamento impositivo, ou seja, que imponha à União, aos estados e aos municípios um valor a ser aplicado na segurança. Então sempre a segurança em nosso país vai ser relegada a terceiro ou quarto plano.

Ex-secretário reuniu a Imprensa para falar sobre o balanço das ações na sua gestão. Foto: Heracles Dantas
Ex-secretário reuniu a Imprensa para falar sobre o balanço das ações na sua gestão. Foto: Heracles Dantas

JH – O presidente nacional do PTB, Benito Gama, teria repassando presidência do PTB a Rosalba e Carlos Augusto. Mesmo com o senhor fora do governo, o partido estará à disposição da governadora?

AR – O PTB ele nunca esteve à disposição da governadora Rosalba. Quando eu me filiei ao partido, ele já estava fazendo parte do governo, eu somente dei continuidade àquilo que já existia. Mas, diante do quadro que se apresenta hoje, inclusive na dificuldade de indicar um substituo da pasta, a governadora não aceitou a indicação, ela indicou o general Girão que, eu quero frisar que é uma pessoa competente, tem um currículo fantástico, mas não foi uma indicação do partido. Então nós estamos discutindo internamente a situação do partido hoje, porque realmente nós não temos hoje nenhuma amarra, nenhuma ligação com o governo. Eu me sinto livre, já comuniquei o fato ao nosso presidente nacional e estamos então decidindo o nosso futuro.

JH – Você tem autonomia para decidir futuro do PTB no RN?

AR – Recebi de Benito, desde o início, eu disse para ele: Eu só vou ficar no partido se eu tiver uma autonomia para discutir os assuntos no Estado. É lógico que levamos ao debate, conversamos com a presidência nacional, porque ele é o mandatário maior. Mas, de qualquer forma, a palavra final deverá sair do partido aqui no Estado, e não é uma decisão pessoal minha, será uma decisão debatida com todos do partido.

JH – Então poderá apoiar outros candidatos, Henrique, Robinson, mesmo Rosalba sendo candidata à reeleição?

AR – O partido, como eu disse, está livre para poder conversar com todos os líderes partidários.

JH – Qual o balanço do seu trabalho à frente da Segurança?

AR – O crescimento da violência no Brasil todo é uma escala ascendente, nós tivemos aqui muitas dificuldades. Nós assumimos uma secretaria com dívidas e com dificuldades do próprio Estado na gestão financeira, de forma que tivemos poucos recursos. Do Tesouro do Estado foi muito pouco, nós sobrevivemos basicamente com recursos federais. Alguns projetos, na maioria deles, estão em andamento, mas aguardando um reforço do governo federal. Ontem em uma coletiva eu fiz questão de apresentar esses projetos, um número de 15 ou 16 projetos muito importantes para o Rio Grande do Norte, os quais eu vou repassar para o novo secretário. E um detalhe: todos os projetos que foram idealizados por nossa equipe, eles foram aprovados em diversos convênios, inclusive dentro do projeto do Banco Mundial. Então, todos esses projetos já estão encaminhados, convênio aprovado, publicado no Diário Oficial da União e outros com a licitação já em andamento do Banco Mundial. Fora isso, nós temos todos os projetos também da Copa do Mundo. Então na verdade são três grandes programas: o Programa Brasil Mais Seguro, que está todo ele aprovado, faltando somente o repasse dos recursos; os projetos do Banco Mundial também todos aprovados e também a Copa do Mundo, com todas as licitações prontas. E agora o governo federal, nessa última reunião, nos disse que eles vão pontuar e verificar aquilo que nós não tivemos condição de atender nós receberemos o apoio do governo federal. E hoje, também, a Prefeitura do Natal, que também faz parte desse contexto, através da Secretaria de Defesa Social, Dr. Osair e também a Guarda Municipal irão colaborar nesse esquema todo da Copa do Mundo.

JH – Como está sendo a transição na pasta?

AR – Eu vou estar junto com o general independente de qualquer coisa. Ele foi a pessoa indicada pela governadora, ele está sentado na cadeira de secretário de Segurança Pública. Eu me preocupo muito, porque todos os projetos que estão hoje na mesa desse secretário foram produzidos por uma equipe que estava comigo. Então, independente de qualquer coisa eu estarei junto com ele. É uma pessoa, como eu disse, que já foi secretário de Segurança Pública, acho que secretário de Justiça em Roraima, tem um currículo fantástico, uma pessoa que tem muito contato principalmente com as forças armadas, por se tratar de um general, muito respeitado pelas polícias, principalmente a Polícia Militar, e, além disso, eu quero colaborar; o espírito de colaboração existe e vai continuar.

JH – A sua equipe permanece na secretaria?

AR – Hoje nós vamos ter uma reunião e a decisão vai ser de cada um deles. Eu peço a eles que reflitam e aqueles que desejem continuar apoiando esse secretário que está assumindo eu também apoio a presença; e aqueles que quiserem retornar às suas atividades normais, também, logicamente eu não posso impedir.

Compartilhar:
    • carlos felix

      Parabéns ao ex-secretário Aldair Rocha por tudo que tentou na Secretaria Estadual de Segurança. Realmente fica difícil trabalhar com um governo desse naipe. Esperar que o novo secretário possa dar prosseguimento a esses projetos para que o povo potiguar tenha paz. E que esse mesmo povo saiba dar a resposta nas urnas, sabendo escolher seu próximo governador.

    • Ronilson Moreira

      Que pena, que de olho em gratificação e palanques políticos só falamos quando saímos.

    Publicidade