Alternativos ameaçam paralisações em defesa da bilhetagem unificada

Categoria está insatisfeita com demora na implantação do processo

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Se a Prefeitura de Natal emperrar ainda mais o processo de unificação da bilhetagem eletrônica no transporte público, os trabalhadores dos alternativos poderão voltar a fazer paralisações. A declaração é de José Pedro dos Santos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Alternativo do RN (Sitoparn). Segundo ele, a categoria está insatisfeita com demora para implantação e funcionamento do processo.

Nesta sexta-feira (29), o sindicato reuniu os trabalhadores em assembleia geral e todos decidiram que podem reagir contra a lentidão do processo nos próximos dias. “Nós temos ações para realizar, mas vai depender de como se dará o andamento da implantação do sistema nos próximos dias. Se for preciso reagir para viabilizar a implantação da unificação da bilhetagem, faremos”, destacou José Pedro.

Um dos questionamentos do sindicato é quanto ao atraso para efetivar as assinaturas do contrato de bilhetagem unificada do transporte público por parte da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) e do Seturn, sindicato dos empresários do Transporte Público. O contrato que seria assinado no último dia 27, entre os sindicatos e a Secretaria, foi adiado para o dia 3 de setembro.

Segundo a Semob, com as assinaturas realizadas e os prazos já estabelecidos para a implantação total do sistema, a bilhetagem unificada estará funcionando completamente em dezembro deste ano, cumprindo um prazo de 120 dias, precedida por um período de experiência técnica. Essa deverá ser a fase final da etapa burocrática do processo da bilhetagem eletrônica.

Ambos os sindicatos já estão em posse da minuta do contrato que os torna delegatórios do serviço de bilhetagem unificada. Até o dia 2 de setembro, os sindicatos analisarão a minuta e sugerirão novos pontos ou ajustes, caso necessário, para procederem com as assinaturas.

Para celebrar o contrato, é necessário que o Sitoparn e o Seturn entreguem certidões negativas conforme estabelecido na lei de licitações (8.666/92), como as certidões negativas da Receita Municipal, Estadual, Federal e Ministério do Trabalho e Emprego. Depois da assinatura do contrato, o processo para implantação da bilhetagem parte para a apresentação dos projetos executivos pelas empresas indicadas por cada sindicato para instalar suas tecnologias de bilhetagem. Depois, inicia-se a fase de testes.

O decreto publicado em 10 de fevereiro deste ano previa que o processo de unificação iniciaria em dez dias e teria conclusão em maio deste ano, mas aparece estar longe de ser resolvido.

Compartilhar:
    Publicidade