Amanda Gurgel: “A população não pode pagar pela ganância do Seturn”

A vereadora do PSTU participou de um ato público contra o aumento da passagem de ônibus em Natal, nesta quarta-feira (09). Amanda é contrária a qualquer reajuste na tarifa e também a subsídios aos empresários.

Vereadora Amanda Gurgel. Foto: Divulgação
Vereadora Amanda Gurgel. Foto: Divulgação

A vereadora Amanda Gurgel participou de um ato público contra o aumento da passagem de ônibus em Natal, nesta quarta-feira (09). O protesto reuniu estudantes e trabalhadores, no Viaduto do Baldo, e depois seguiu em passeata pela Av. Rio Branco até a sede da Prefeitura. A professora Amanda é contrária a qualquer reajuste na tarifa e também a subsídios aos empresários, como quer o Seturn (sindicato das empresas), que ainda pede uma passagem no valor de R$ 2,80.

A parlamentar do PSTU criticou a proposta de reajuste de R$ 0,10, já anunciada pela Secretaria de Mobilidade Urbana, que elevará a tarifa de transporte de R$ 2,20 para R$ 2,30. “Os trabalhadores e jovens já pagam muito caro por um serviço de péssima qualidade, com ônibus velhos, lotados, sem falar do tempo que se perde nas paradas. A população não pode pagar pela ganância do Seturn. Não podemos aceitar que a Prefeitura concorde com isso.”, afirmou Amanda.

O martelo será batido pelo prefeito Carlos Eduardo (PDT) no próximo dia 16.

Para a vereadora do PSTU, as empresas de ônibus exibem apenas os custos, mas nunca revelam quanto lucram com o transporte em Natal. “Os empresários falam em ‘desequilíbrio financeiro’, reclamam dos custos, do aumento do pneu, do combustível, mas por que não mostram a planilha de lucros? Por que não abrem a caixa-preta e revelam quanto estão ganhando? O cinismo do Seturn não tem limites e a cumplicidade da Prefeitura é vergonhosa”, critica a vereadora.

Amanda Gurgel defende também que o transporte deixe de ser um negócio nas mãos das empresas e passe a ser, de fato, um direito essencial da população, garantido pelo poder público, como está na Constituição. “O Seturn não cumpre nem as leis do município, como a da bilhetagem única, e só está operando, inclusive sem licitação, porque a Prefeitura é conivente com esses abusos e ilegalidades. O município tem que assumir o controle do transporte. Um direito essencial não pode ser fonte de lucro para empresários.”, defende Amanda.

Além de não concordar com o aumento da passagem, a vereadora do PSTU quer que a população decida como deve funcionar o transporte público em Natal. No dia 1º de julho, Amanda conseguiu aprovar, na Câmara Municipal, um projeto de decreto legislativo que propõe um plebiscito sobre o transporte na cidade. A vereadora propõe que as pessoas decidam se o transporte deve ser público ou privado, pago ou gratuito, controlado pela Prefeitura ou por um Conselho Popular eleito. A proposta foi aprovada em primeira discussão pelos vereadores e será votada novamente após o fim do recesso parlamentar, a partir do dia 1º de agosto.

Compartilhar:
    Publicidade