Ambientalistas realizam blitz ambiental contra corte de árvores

A ação tem como objetivo reivindicar o direito à permanência das mais de 185 árvores que ainda restam na via

Haroldo lembra que árvores contribuem para conter o avanço da temperatura do planeta. Durante blitz, ambientalistas e população se uniram para reivindicar a permanência das 185 árvores que restam na avenida. Foto: Heracles Dantas
Haroldo lembra que árvores contribuem para conter o avanço da temperatura do planeta. Durante blitz, ambientalistas e população se uniram para reivindicar a permanência das 185 árvores que restam na avenida. Foto: Heracles Dantas

As obras de mobilidade urbana vão trazer grandes benefícios para a população natalense, mas enquanto elas não acabam o que se vê é a indignação dos cidadãos que veem as árvores sendo removidas dos canteiros. Vários movimentos, formados por ambientalistas e professores, se uniram em prol da permanência das árvores do canteiro central da avenida Capitão-Mor Gouveia e realizam hoje, em frente a Ceasa e nas proximidades da Rodoviária, a blitz educativa ‘Salve as árvores da avenida Mor Gouveia’. A ação tem como objetivo reivindicar o direito à permanência das mais de 185 árvores que ainda restam na via. Durante a ação também haverá a distribuição de 1,2 mil árvores, 1,5 mil adesivos de carros e panfletos sobre educação ambiental.

O ambientalista Haroldo Mota está à frente do movimento e para ele a permanência das árvores na via é muito importante. “Neste movimento pedimos o apoio da Prefeitura e tentamos sensibilizar a sociedade natalense para que tenha uma mobilização maior, uma conscientização muito importante para o ecossistema da nossa cidade. Lembrando que as árvores amenizam o clima, produzem flores, água e oxigênio e são essenciais para que nós tenhamos uma sociedade mais sadia, com uma qualidade de vida melhor”.

Para o movimento, não justifica uma obra de uma envergadura como esta, quando se traz para a cidade um turismo internacional, e se fala tanto em sustentabilidade, retirar as árvores dos canteiros. “A permanência dessas árvores é uma forma legítima. Conversamos com a população local e todos estão revoltados com esta situação. Vale salientar que a maioria dessas árvores são adaptadas na região. São árvores nativas frondosas que oferecem um conforto térmico muito grande como craibeiras, oitis, angicos e ipês. Sem esquecer que as árvores são ferramentas mais baratas para conter o avanço da temperatura do planeta”,  enfatiza Mota.

Para a professora Valesca Silva, a retirada das árvores da avenida é desnecessária e uma irresponsabilidade por parte da Prefeitura. “Nós precisamos de áreas verdes aqui na cidade, pois temos poucas árvores.

Não se pode tomar um gesto tão extremado sem antes ouvir a sociedade e as pessoas que trabalham diretamente com isso. A Prefeitura precisava achar uma solução mais de acordo com o tempo que vivemos hoje, ligados com a preservação, de interação do homem com o meio ambiente. Essa ação que está sendo feita aqui é muito importante para conscientizar a população”.

Segundo Haroldo Mota, a avenida Capitão-Mor Gouveia possui cerca de 3,7 quilômetros de extensão e, para dar continuidade às obras de mobilidade, foram arrancadas as árvores que estavam em 1,5 km de extensão da avenida, no trecho que vai da Rodoviária ao Km 6. Cerca de 185 árvores ainda permanecem no canteiro central da via.

A blitz continua na tarde de hoje, das 12h às 15h, nas proximidades da Rodoviária Nova. As 1,2 mil árvores que serão distribuídas fazem parte de uma doação da UFRN, por meio do projeto ‘Plante enquanto é tempo’.

Compartilhar: