Amigos, familiares e autoridades choram partida do Procurador Miguel Josino Neto

Velório do procurador-geral do Estado acontece na Escola de Governo e é marcado por emoção e lamentos

Velorio-de-Miguel-Josino--WR

Marcelo Hollanda

Repórter

Em meio a uma avalanche de comunicados de pesar vindos de várias instituições e entidades públicas e privadas, o procurador geral do Estado, Miguel Josino Neto, foi velado com honras reservadas às autoridades mais importantes, hoje, na Escola de Governo. Desde cedo, centenas de pessoas se posicionaram em cadeiras ou de pé para se despedir de Josino, que morreu nesta segunda-feira, no Hospital do Coração, em conseqüência de um acidente doméstico sofrido na tarde do último domingo. O Estado decretou luto oficial por três dias.

Um dos políticos de prestígio nacional a chegar foi o deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB), presidente da Câmara, que em poucas palavras demonstrou sua perplexidade pela morte do amigo. “Inacreditável fatalidade”, afirmou. “Imagino a dor da família, pois Miguel foi, sobretudo uma pessoa gentil e amável”, acrescentou.

Já o senador Paulo Davim, outro que chegou cedo ao velório, preferiu lembrar um Miguel Josino que gostava da vida. “E ele a viveu intensamente”, assegurou.

Durante quase toda a manhã, o pai do procurador geral, o prático portuário Sebastião Leite, conversou com os amigos e servidores que conviviam com Miguel Josino e por várias vezes ele lembrou os momentos que marcaram o acidente.

Relatou que Miguel estava muito contente, comemorando a promoção do juiz Bento Herculano à desembargador do Trabalho e quando todos se deram conta, ele já estava caído na área térrea (ele morava no primeiro andar de um condomínio em Candelária). “A princípio, não pensávamos que fosse grave, mas a situação foi se revelando no hospital”, descreveu com a voz ligeiramente embargada, entre um abraço e outro de pessoas que o procuravam.

Comandantes da PM e Bombeiros ajudaram a carregar o corpo do procurador. Fotos: Wellington Rocha
Comandantes da PM e Bombeiros ajudaram a carregar o corpo do procurador. Fotos: Wellington Rocha

Colegas auxiliares do Governo do Estado, procuradores e servidores da Procuradoria Geral do Estado, companheiros de Magistério, alunos e admiradores enviaram mensagens de fé, pedindo a Deus compreensão para entender a perda inesperada e conforto para minimizar a dor.

“Dr. Miguel Josino Neto prestou relevantes serviços ao Estado do Rio Grande do Norte e nos deixou no auge da sua atividade intelectual, reconhecida por todos que tiveram o prazer de desfrutar do seu convívio”, diz a nota. Acrescenta: “Sem dúvida, a sua ausência será uma perda irreparável para a sociedade potiguar e brasileira”.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte também enviou nota de pesar assinada pelo seu presidente, desembargador Aderson Silvino. “O Rio Grande do Norte perde um dos maiores apreciadores das letras e do Direito, eminente jurista e professor”.

A Assembleia Legislativa do Estado manifestou “irrestrita solidariedade aos familiares e amigos do Procurador-Geral. Diz o seguinte: “Sua morte prematura, aos 48 anos, priva o Rio Grande do Norte de uma de suas mais jovens inteligências. Professor e notável expressão jurídica e intelectual, Miguel Josino Neto pontuou sua vida pela profunda visão humanista e serviços prestados à população”, diz a mensagem. E conclui: “Que a dedicação e os sonhos de Miguel Josino Neto, sejam o legado para as novas gerações dedicadas ao exercício do Direito em nosso Estado”.

Velorio-de-Miguel-Josino--WR-(31)-

O Ministério Público Estadual também lamentou a morte de Josino em nota assinada pelo procurador geral da instituição, Rinaldo Reis Lima. Num trecho, diz o seguinte: “A Instituição mantinha permanente e profícuo diálogo profissional com o Procurador, que tinha nesta Casa as portas sempre abertas para o trato dos mais relevantes temas jurídicos e administrativos, tendo ele elevado a Procuradoria-Geral do Estado ao patamar de interlocutora de grande importância para os assuntos de interesse do Estado do Rio Grande do Norte”.

O Plenário do Tribunal de Contas aprovou, na manhã de hoje, voto de pesar pelo falecimento de Miguel Josino Neto. A manifestação de pesar foi proposta pelo conselheiro Renato Dias, no exercício da presidência da sessão plenária, em virtude de viagem do presidente Paulo Roberto Alves a João Pessoa, onde participa de seminário patrocinado pelo TCU.

Salientou o conselheiro que “o procurador Miguel Josino era um dos mais brilhantes juristas do Rio Grande do Norte reconhecido nacionalmente pelo brilhantismo de atuação em defesa da sociedade e dos direitos humanos, com visão humanista”.

Compartilhar: