Analistas: Copa pode decepcionar por legado econômico

Analistas têm advertido que o torneio pode decepcionar aqueles que esperam um efeito econômico significativo – seja no curto ou no longo prazo

Legado econômico da Copa do Mundo pode decepcionar. Foto: Divulgação
Legado econômico da Copa do Mundo pode decepcionar. Foto: Divulgação

Desde que o Brasil foi escolhido para sediar a Copa, em 2007, autoridades de Brasília têm exaltado o potencial do torneio para gerar empregos, acelerar investimentos em infraestrutura e atrair turistas com os bolsos recheados de dólares.

“O Mundial é uma oportunidade histórica para promovermos desenvolvimento socioeconômico no âmbito local e nacional”, disse à BBC Brasil Joel Benin, assessor para Grandes Eventos do Ministério dos Esportes. “Ele gerará 3,6 milhões de empregos, movimentará R$ 65 bilhões (este ano) e deixará um legado importante na área econômica”.

Nas últimas semanas, porém, alguns analistas têm advertido que o torneio pode decepcionar aqueles que esperam um efeito econômico significativo – seja no curto ou no longo prazo. Dois relatórios recentes, da agência Moody’s e da consultoria Capital Economics, por exemplo, chamam a atenção para o pequeno peso em relação ao PIB dos gastos potenciais dos turistas e investimentos em infraestrutura ligados ao evento.

“Nem o impacto econômico imediato da Copa nem seu legado devem ser expressivos”, acredita Neil Shearing, economista-chefe da Capital Economics para Mercados Emergentes. “Mesmo os aportes em aeroportos, redes de transporte e infraestrutura urbana não chegam a 0,5% do PIB. Depois de décadas de escasso investimento nessas áreas, não é isso que vai aliviar os gargalos estruturais da economia brasileira.”

Acadêmicos como Pedro Trengrouse, consultor da ONU para o Mundial e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), e Wolfgang Maennig, especialista em economia do esporte da Universidade de Hamburgo, concordam com essa avaliação. “O governo resolveu apresentar a Copa como solução para questões estruturais do país”, diz Trengrouse.

“A Copa é, basicamente, uma grande festa. Foi um erro associar o torneio a obras de infraestrutura que deveriam ter sido feitas há muito tempo para o Brasil continuar crescendo. Ao final, criou-se uma expectativa econômica que não pode ser atendida”, completa, referindo-se ao fato de obras de mobilidade urbana e a ampliação de aeroportos terem sido incluídas na chamada Matriz de Responsabilidades da Copa – documento reunindo todos os projetos relacionados ao torneio.

Diante dessas críticas, fica a dúvida: afinal, o impacto econômico do Mundial pode mesmo decepcionar os que esperavam que ele funcionasse como um catalisador da expansão dos investimentos, renda e emprego no País? O evento terá ou não um impacto “significativo” na economia, como promete o governo?

Estudos contraditórios

A resposta depende, primeiro, do que se define pelo termo “significativo”. Segundo, de uma série de cálculos que só poderão ser concluídos depois do Mundial. Embora nos últimos anos tenham sido feitos diversos estudos para estimar os possíveis efeitos da Copa na economia, seus resultados divergem. De um lado, estão as pesquisas mais otimistas, citadas pelo governo.

Em 2010, um levantamento encomendado pelo Ministério dos Esportes à consultoria Consórcio Copa 2014 estimou que os “impactos econômicos potenciais” do torneio chegariam a R$ 183,2 bilhões até 2019 – sendo R$ 47,5 bilhões de “efeitos diretos” (como investimentos em infraestrutura e serviços ou gastos de turistas) e R$ 135,7 bilhões de efeitos indiretos (que incluem, por exemplo, os ganhos dos fornecedores das construtoras responsáveis pelos estádios).

No mesmo ano, outro estudo, feito pela Ernst & Young em parceria com a FGV estimou um impacto econômico semelhante: R$ 142 bilhões movimentados até 2014 e a geração de impressionantes 3,6 milhões postos de trabalho.

“A Copa vai produzir um efeito cascata surpreendente nos investimentos no País”, dizia o estudo. “A economia deslanchará como uma bola de neve, sendo capaz de quintuplicar o total de aportes aplicados diretamente na concretização do evento e impactar diversos setores.”

É com os cenários desses dois relatórios que o governo trabalha ainda hoje. “Não houve exagero – as nossas previsões ainda são essas”, diz Benin.

Ceticismo

Do outro lado, porém, outros estudos sustentam que essas previsões são superestimadas. Entre eles, está um trabalho de 2012 do professor de economia da Unicamp Marcelo Proni, para quem os cenários iniciais não consideraram o desaquecimento econômico dos últimos anos – que teria inibido investimentos em áreas como hotelaria.

Outro levantamento, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), também tem cifras bem mais modestas. “Pela nossa estimativa, o total de empregos gerados pelo torneio seria de apenas 158 mil”, exemplifica Edson Paulo Domingues, um de seus autores.

Maennig, da Universidade de Hamburgo – que vem estudando há anos os efeitos econômicos da realização de Copas do Mundo e Olimpíadas – é bastante cético sobre o impacto dessas competições.

“Estimativas infladas de geração de emprego e renda são comuns em eventos desse tipo porque os governos precisam justificar seus gastos com estádios e instalações esportivas”, diz Maennig, campeão olímpico de remo pela Alemanha Ocidental.

Ele explica que seus estudos não captaram nenhum efeito econômico significativo analisando a realização de Copas e Olimpíadas em diversos países. “Com uma Copa temos um ganho concreto no bem estar da população. As pessoas ficam mais felizes – mas é só”, diz.

“Os empregos criados costumam ser temporários e é difícil prever se não teríamos mais benefícios econômicos investindo o dinheiro dos estádios em outro lugar.”

Mas quais estimativas estão corretas? “A verdade é que só poderemos começar a colocar os números à prova em 2015 ou 2016, quando tivermos disponíveis todos os dados relativos aos PIBs regionais e municipais, emprego, turismo e etc.”, explica Domingues.

Falta de euforia

De acordo com Trengrouse, até as estimativas da FGV já precisariam ser atualizadas. Primeiro porque foram feitas mudanças na lista de projetos ligados ao evento (a Matriz de Responsabilidades da Copa). Alguns não saíram do papel. Outros foram incluídos de última hora.

Depois porque em 2010 “se esperava que a Copa geraria um clima de euforia entre a população que, ao menos até agora, não se materializou” – o que, segundo Trengrouse, acabaria se refletindo em um nível de consumo mais baixo durante o Mundial. “Quando a pesquisa foi publicada, cerca de 80% da população, ou mais, apoiava a realização dos jogos no Brasil”, lembra ele.

Nesse meio tempo foram organizados os protestos em que ganharam força slogans anti-Copa. Hoje, 55% dos brasileiros acreditam que o Mundial trará mais prejuízo que benefícios para o País segundo uma pesquisa Datafolha.

“Quanto mais animadas, mais as pessoas tendem a consumir, decorar suas casas, comprar camisetas e adereços, então precisamos esperar para entender até que ponto essa falta de euforia será revertida até o início dos jogos – e, se for o caso, computar seus efeitos econômicos”, diz o professor da FGV.

Interpretações dissonantes

Além da divergência sobre os dados econômicos também há interpretações dissonantes sobre o que os números significam. As avaliações da Moody’s e da Capital Economics, por exemplo, não contestam as estimativas do governo. Apenas notam que todos esses bilhões de reais movimentados ao longo de quatro anos nas preparações para o evento não representam muita coisa em uma economia de R$ 4,8 trilhões como a brasileira. Ou seja, segundo tais avaliações, os efeitos da Copa não seriam “significativos” para a economia como um todo.

Além disso, os consultores lembram que, como se referem a investimentos feitos no período 2010 – 2014, a essa altura, a maior parte do impacto desses recursos já deveria ter sido sentida. A Capital Economics, ressalta, por exemplo, que as estimativas iniciais do governo (que acabaram sendo revistas) previam investimentos diretos em estádios e infraestrutura de R$ 23 bilhões até 2014 – menos de 1% do PIB.

No caso dos turistas, os consultores calculam que se os 600 mil visitantes esperados pelo governo de fato desembarcarem nos aeroportos brasileiros, devem gastar um total de US$ 3 bilhões (R$ 6,7 bilhões) – apenas entre 0,1% e 0,2% do PIB. É claro que mesmo que os analistas céticos estejam certos – e o impacto na economia como um todo não seja importante, a Copa ainda pode ter um efeito expressivo em alguns lugares e para alguns setores em especial.

Quem ganha

Domingues acredita que em certas cidades, como Cuiabá, por exemplo, o aumento do fluxo de visitantes durante o torneio e as melhorias de infraestrutura de fato podem representar um impulso importante para a economia local. Maennig lembra que na Alemanha a indústria do futebol recebeu novo fôlego com o Mundial – o que poderia ocorrer também no Brasil.

Entre os setores mais beneficiados pelo evento estão a construção civil e o turismo. No varejo, as vendas de televisão podem crescer nas próximas semanas segundo o economista Christian Travassos, da Fecomercio-RJ. Por outro lado, no curto prazo, muitas empresas também devem computar perdas com os feriados decretados por conta do torneio.

“Algumas empresas vão ganhar e outras vão perder. Nossas estimativas são positivas, mas ainda é difícil prever o saldo do evento para os próximos meses”, afirma Bruno Fernandes, economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Para ele, no longo prazo, o legado econômico do Mundial dependerá da imagem que o Brasil projetará internacionalmente.

Benin, assessor do Ministério dos Esportes, diz que a infraestrutura da Copa fará o Brasil ganhar espaço na agenda de torneios esportivos globais. E o ministro Aldo Rabelo tem repetido que o torneio ajudará a atrair investimentos e turistas – embora seja difícil estimar o impacto dos atrasos e acidentes em obras do Mundial nas percepções de empresários estrangeiros. “Tentamos ser otimistas, mas se a Copa for um fiasco em termos de segurança e transportes será mais complicado atrair visitantes e investidores daqui em diante”, diz Fernandes.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade