Após condenação, Dado Dolabella diz: “dormia com a inimiga e não sabia”

O advogado de Dado Dolabella, Marco Aurélio Asseff, disse, no entanto, que o crime prescreveu

Casal passou um bom tempo entre tapas e beijos. Foto: Divulgação
Casal passou um bom tempo entre tapas e beijos. Foto: Divulgação

Dado Dolabella se manifestou nessa quarta-feira (2) em suas redes sociais após ser noticiada a decisão do Superior Tribunal de Justiça e comemoração de sua ex-namorada Luana Piovani no caso de agressão. “Há seis anos atrás eu estava dormindo com inimigo e não sabia…. Muito cuidado com quem você se relaciona… Sempre! O amor é aquela fase bonita que semeia afetos no coração da gente… Aquele que ama se reconhece no outro e ambos se reconhecem em DEUS. (Cecília Sfalsin)”, escreveu o ator.

Piovani publicou a foto de uma nota da ministra Eleonora Menicucci sobre a decisão do STJ intitulada: A Lei Maria da Penha vale para todas as mulheres. “Em caso emblemático de agressão à atriz Luana Piovani, o Superior Tribunal de Justiça decidiu por unanimidade que Dado Dolabella deve ser julgado pela Lei Maria da Penha, e manteve a sua condenação”.

A atriz celebrou a decisão no Instagram. “Coragem: agir com o coração. Obrigada mãe por me ensinar a ser a mulher e a cidadã que sou! Obrigada minha família pelo apoio #justiça #hiposuficientemyass #brasilhádemelhorar”.

O advogado de Dado Dolabella, Marco Aurélio Asseff, disse, no entanto, que o crime prescreveu. “Não importa se foi aplicada a Lei Maria da Penha ou de Segurança Nacional. O que importa é que a pena está prescrita e ele não terá que cumpri-la. Para a defesa, isso é o que importa”.

Entenda o Caso

Luana Piovani move um processo contra Dado Dolabella desde 2009, em que acusa o ex-namorado de agressão. Segundo os autos, uma camareira (Esmeralda Honório) também teria tentado apartar a briga do casal, mas caiu no chão após ser empurrada por Dado. A confusão, que aconteceu em 2008, foi captada pelas câmeras de segurança do local onde estavam – uma boate do Rio de Janeiro.

Compartilhar: