Após exclusão do PMDB, Fátima confirma que vai formar chapa com Robinson

Deputada critica exclusão feita pelo PMDB para a majoritária

I76I67I5I56I5

Alex Viana

Repórter de Política

A deputada federal Fátima Bezerra (PT) assumiu postura de candidata ao Senado da República pelo Partido dos Trabalhadores, ao descartar, na tarde de ontem, qualquer tentativa de acordo ou entendimento com o PMDB, partido que, segunda, ela, exclui o PT da base de aliados, dando preferência ao PSB da vice-prefeita Wilma de Faria, responsável pelo palanque de Eduardo Campos no Rio Grande do Norte, em oposição a adversária Dilma Rousseff.

“Avançamos na construção de uma aliança política para as eleições 2014″, diz Fátima, em nota veiculada à imprensa. “Realmente avançamos na construção da aliança na reunião do PT com o PSD e a partir de agora entramos numa fase de agendas com encontros, visitas, reuniões programáticas e busca de outros parceiros. Nesse sentido, o Diretório Municipal de Natal já aprovou resolução de apoio à candidatura de Robinson Faria a governador e o Diretório Estadual deverá seguir a mesma direção”, declarou a petista.

Fátima fez questão de frisar que as conversas visando um entendimento entre o PMDB e o PT, iniciadas no ano passado, no sentido de uma composição onde o PT indicaria o nome para o Senado e o PMDB o nome para o governo, visando fortalecer o projeto nacional da chapa Dilma/Temer, “foram descartadas unilateralmente por parte do PMDB, uma vez que as informações que recebemos dão conta de um avançado estágio na composição com o PSB, com este indicando a vaga em disputa para o senado”, disse.

Fátima também descartou composição do PT com Wilma de Faria, com esta concorrendo ao governo, e a petista, ao Senado, a qual classificou de “especulação”. “Quanto às especulações de aliança, com o PSB disputando o governo em composição com o PT para o Senado (…), o que se desenha para 2014 é uma disputa entre PT e PSB, tanto nacional quanto local, com candidaturas para a Presidência da República e para o Senado respectivamente”.

BLOCO

Feitos os esclarecimentos, a deputada petista defendeu que PT e PSD, agora reunidos em bloco, continuem a fazer conversas com os demais partidos políticos, à exceção do DEM e PSDB, “por entendermos que esses são os principais adversários no nosso projeto de desenvolvimento e justiça social que vem sendo implantado no país desde os governos do presidente Lula e da presidenta Dilma, além de lideranças empresariais e do movimento social”.

Essas conversas, de acordo com a deputada Fátima Bezerra, têm como objetivo a construção de um projeto para o Rio Grande do Norte que tenha consonância com o governo da presidenta Dilma, “que não é meu nem do vice-governador Robinson Faria, mas que deverá recuperar o estado desses caos administrativo e político implanta pelo Democratas e seus parceiros”, afirmou.

A candidata ao Senado concluiu o comunicado que da parte do PT consolida-se a disposição de disputar a vaga do Senado, ampliar o espaço na Assembleia Legislativa e manter a vaga na Câmara Federal. “A determinação é prosseguir na construção de uma frente verdadeiramente popular, com vistas às eleições de 2014″, afirmou.

Robinson Faria: “Houve grande avanço na aliança com o PT”

O presidente do PSD, Robinson Faria, considera que houve “grande avanço” nas articulações com o PT, partido da presidente da República, Dilma Rousseff, no quesito formação de aliança para o governo do Rio Grande do Norte. Ele também abordou dois fatos considerados importantes dentro do PT, que foram o anúncio do apoio do diretório do PT em Natal à candidatura dele a governadora, bem como a própria nota da deputada federal Fátima Bezerra (PT), que, na avaliação de Robinson, uniformiza o discurso do grupo, que agora passa a se reunir conjuntamente para discutir com outras legendas a sucessão deste ano. Na visão de Robinson, a aliança entre PSD e PT é “muito natural”.

“Não há mais dúvida da uniformidade de pensamento do PT, que é justamente o fortalecimento e a consolidação da aliança do PT com o PSD, com uniformidade, sem opinião divergente”. Na visão do vice-governador, “a aliança tem sido muito bem recebida”. E completa: “Os dois partidos foram muito bem assimilados pela população do Seridó, pela militância do PT, que demonstra afinidade com o nosso nome, especialmente a minha união com Fátima”.

Para Robinson, a aliança é “coerente também porque o PSD foi o primeiro anunciar apoio à reeleição de Dilma, o que é condição fundamental, já que o PSD está engajadíssimo, em nível nacional, na reeleição da presidente Dilma Rousseff”. Por isso que, segundo pessedista, “houve grande avanço, um desenho bem avançado na aliança com o PSD”.

CAMINHADAS

PT e PSD traçaram agendas. Os dois partidos, especialmente os líderes Robinson e Fátima, devem aparecer juntos em eventos estaduais. “Vamos continuar avançando. Vamos vencendo etapas. No carnaval, vamos caminhar juntos em alguns momentos, em Caicó e em Touros, por exemplo. Após o carnaval, vamos iniciar os encontros regionais, um em cada cidade polo. E a tendência é ir consolidando a aliança”, completou o vice-governador.

Na agenda conjunta consta reunião com o prefeito Carlos Eduardo, presidente estadual do PDT, em data a ser aprazada. “Iremos conversar com o PDT. Iremos juntos. Estamos otimistas. Até porque fomos dois partidos aliados de Carlos Eduardo em 2012 e estamos otimistas com a reunião com ele”, afirmou Robinson.

Compartilhar:
    Publicidade