Aposentados potiguares enfrentam dificuldades em pagar contas

"Somente os "marajás" tinha que esperar dez dias a mais. Agora, só se paga os servidores ativos e os aposentados que recebem até R$ 2 mil", disse José Teixeira

Jose-Teixeira-JA--(8)

Por dois meses seguidos, pensionistas e aposentados do Rio Grande do Norte com vencimentos de mais de R$ 2 mil tem que esperar até o dia 10 do mês seguinte para receber seu dinheiro do governo do Estado. Um deles é o professor aposentado da disciplina de geografia, Eduardo Neto, de 69 anos.

Depois de 30 anos nas salas de aula de escolas estaduais, ele se sente desrespeitado com a medida adotada nesse fim de governo. “Normalmente era feito no dia 30 do mês, aí lamentavelmente quando você vai ao banco não tem nada. Quer dizer, você trabalha 30 anos para ganhar um pouco mais de R$ 2 mil e acontece uma coisa dessa. Como vamos pagar a nossa vida? Vamos pagar com juros”, criticou.

No mês de agosto, o salário de R$ 2.450 só foi depositado na conta bancária do professor aposentado no dia nove. Neste mês, a previsão é que seu pagamento só esteja disponível no dia 10. Para Eduardo Neto, o governo do Estado tomou essa medida porque o servidor aposentado não possui mais instrumentos como a greve para evitar os abusos. “Isso é porque não temos mais força para nos defender, não podemos mais fazer greve”, cogitou.

Praticamente, todas as dívidas mensais também atrasam e a “condenação” são os juros. “Pra você ter uma idéia, pagamento de cartão de supermercado, de água, luz tudo é atrasado. São os juros que pesa no orçamento porque não estava previsto e o governo não paga com juros”, declarou.

Antes dos últimos dois meses, o governo do Estado tinha definido outro parâmetro. Apenas os servidores que ganhavam acima de R$ 5 mil ficavam para receber até o dia 10 do mês seguinte. De acordo com o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Rio Grande do Norte (Sinte/RN), José Teixeira (FOTO), com essa sistemática cerca de 90% da folha de pagamento era executado no dia 30 do mês. Somente os “marajás” tinha que esperar dez dias a mais. “Agora só se paga os servidores ativos e os aposentados que recebem até R$ 2 mil”, disse o dirigente sindical.

O professor aposentado Eduardo Neto se sente revoltado com a nova decisão. “É uma questão de irresponsabilidade do governo, é uma falta de competência do gestor que faz isso. Eu espero que quem for eleito, tenha a responsabilidade de manter a programação do pagamento”, almeja. O Sinte/RN também estuda procurar a justiça para impedir os atrasos. “Vamos entrar com um mandado de segurança para ver se a gente evita isso a partir do próximo mês”, falou José Teixeira.

Outras categorias

Na Saúde Pública, a reclamação é a mesma. “Só na véspera do pagamento é avisado, mas não existe uma posição oficial se vai continuar assim ou não”, disse Manoel Egídio, coordenador-geral do Sindicato dos Servidores da Saúde do Rio Grande do Norte (Sinsaúde/RN). Para ele, o governo está aplicando um “calote” no servidor. Para o presidente do Sindicato dos Servidores da Administração Indireta (Sinai), José Nilson Bezerra, a medida é discriminatória. “O governo Rosalba Ciarlini está discriminando os servidores que dedicaram 35 anos de suas vidas ao Estado”, classificou.

Entramos em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Administração e Recursos Humanos do Estado (Searh), mas fomos informados que não havia o conhecimento dessa mudança na secretaria e que a liberação do pagamento dos servidores depende da Secretaria de Planejamento e Finanças (Seplan). Tentamos falar com o titular da Seplan Francisco Obery Rodrigues, mas ele não atendeu as ligações do celular institucional.

Compartilhar:
    Publicidade