Arena das Dunas reconhecida por ser quem mais empregou apenados

A solenidade foi realizada no auditório da Arena das Dunas

O operário Antônio Viana da Silva foi um dos beneficiados com o projeto Novos Rumos. Ele conta que como o trabalho na Arena das Dunas mudou a sua vida. Foto:Divulgação
O operário Antônio Viana da Silva foi um dos beneficiados com o projeto Novos Rumos. Ele conta que como o trabalho na Arena das Dunas mudou a sua vida. Foto:Divulgação

A Arena das Dunas recebeu, neste domingo (23), o Selo Começar de Novo por ter se destacado como a arena que mais absorveu a mão de obra carcerária em todo o País, quebrando recorde entre todas as 12 arenas em construção ou reforma para a Copa do Mundo FIFA 2014. A homenagem entregue nesta tarde com a presença da Governadora Rosalba Ciarlini e do presidente do Tribunal de Justiça do RN, Aderson Silvino, é o reconhecimento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pelo trabalho de inserção social de 149 trabalhadores durante as obras de construção do estádio, o que representa o maior número de operários contratados entre presos, cumpridores de medidas alternativas e egressos do sistema carcerário. A solenidade foi realizada no auditório da Arena das Dunas.

Com a entrega do selo à OAS/Arena Natal, o Conselho Nacional de Justiça ressalta o fato de a empresa ter valorizado ações de inclusão no mercado de trabalho, em parceria com o programa Novos Rumos na Execução Penal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), presidido pelo desembargador Saraiva Sobrinho e coordenado pelo juiz Gustavo Marinho.

Para a Rosalba Ciarlini, este reconhecimento é motivo de orgulho para o Rio Grande do Norte e sugeriu o fortalecimento da parceria para que o programa também seja estendido às grandes obras que estão sendo realizadas pelo Governo do Estado. “Desde que começamos a construção da Arena das Dunas, este trabalho de receber egressos do sistema profissional foi iniciado e o número foi aumentando durante a obra. Além disso, eles também tiveram a oportunidade de fazer outros cursos, como de alfabetização e profissionalizantes. Isso tudo foi muito importante para que eles tivessem uma segunda chance para ter uma vida digna”, disse a Governadora.

O conselheiro do CNJ, Paulo Eduardo Teixeira, ressaltou a importância do programa Novos Rumos. “Esse projeto permite que as pessoas que cumpriram suas penas junto à sociedade brasileira possam ter a chance de ser reinseridos no mercado de trabalho. E, por isso, é motivo de muito orgulho entregar este selo a uma empresa que se destacou. Esperamos que outras instituições privadas também sigam esse exemplo e percebam que é possível empregar esta mão de obra oriunda do sistema carcerário, sem preconceitos”.

O operário Antônio Viana da Silva foi um dos beneficiados com o projeto Novos Rumos. Ele conta que como o trabalho na Arena das Dunas mudou a sua vida. “Eu já estava em liberdade há alguns meses, mas estava muito apreensivo porque ainda estava desempregado. Foi quando apareceu essa oportunidade para trabalhar na construção do estádio. Eu aceitei e agarrei essa chance com braços e pernas porque eu queria ser um cidadão brasileiro digno e dar orgulho a minha família. Cheguei aqui sem saber ler, mas estou saindo alfabetizado, com o diploma do ensino fundamental e da inclusão digital. O ponta pé inicial foi dado e sei que as portas serão abertas”, agradeceu, emocionado.

Também participaram da solenidade, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, o coordenador do programa Novos Rumos, Gustavo Marinho, os secretários de Estado da Justiça e Cidadania, Júlio César Queiroz, e da Copa, Demétrio Torres, além de desembargadores e juízes.

Clássico Rei

Após a cerimônia, a Governadora recepcionou os convidados e assistiu no camarote oficial a partida entre América e ABC pelo Campeonato Estadual. A Chefe do Executivo Estadual também cumprimentou os presidentes dos clubes, Rogério Marinho (ABC) e Gustavo Carvalho (América).

A Polícia Militar montou um esquema especial para garantir a segurança dos torcedores durante o primeiro Clássico-Rei na Arena das Dunas. Ao todo, 600 homens trabalharam dentro, fora e no entorno do estádio. A operação também contou com o trabalho da Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Poder Judiciário, Ministério Público e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), além do apoio do helicóptero Potiguar I. Para a partida também foi composto um Juizado Especial Criminal.

Compartilhar: