Assaltos mudam o horário de funcionamento do comércio em Parnamirim

Muitos estabelecimentos, como padarias, estão optando por abrir somente durante a manhã de domingo

emaus

Assaltos em plena luz do dia; roubos, arrastões e terrorismo por parte dos bandidos que deixam acuados moradores de bem, que não sabem mais a quem recorrer. O medo se instalou em Parnamirim, especialmente nos bairros de Emaus e Parque Industrial, onde na última semana foram registradas ocorrências lamentáveis como um arrastão em uma residência durante a madrugada e o assalto a um correspondente bancário.

O medo de trabalhadores e pais de família é tamanho que o horário do comércio local tem sido alterado. Muitos estabelecimentos, como padarias, estão optando por abrir somente durante a manhã de domingo por não se sentirem seguros em permanecerem abertos durante todo o dia.

Em uma padaria no bairro de Emaus, o proprietário de uma padaria investiu cerca de R$ 4.500,00 na instalação de câmeras, mas isso não foi o suficiente para livrá-lo de um assalto violento, inclusive com ação truculenta dos bandidos que chegaram a agredir os clientes. “Fazemos a nossa parte, mas a verdade é que estamos sozinhos. O assalto aconteceu em um domingo e na terça-feira o bandido estava solto”, disse o proprietário da panificadora, não identificado nessa matéria por motivo de segurança.

Com os assaltos frequentes, os moradores temem falar sobre as ocorrências. Preferem não serem identificados. Uma moradora antiga de Emaus, relatou que em um único dia houve oito assaltos. “Não temos mais tranquilidade. Muitos estão vendendo suas casas e indo embora. Antes tínhamos um posto policial aqui, mas há 8 anos foi fechado”, conta a dona de casa.

No Parque Industrial, na última quarta-feira, um correspondente bancário da Caixa Econômica, localizado à Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, 14, foi assaltado por volta das 13h40. “A dupla chegou de moto, entrou fechou a porta e fez terrorismo conosco aqui. Minha mulher, que está grávida, teve que ser socorrida”, contou desolado o empresário.

Do correspondente bancário, os ladrões levaram R$ 13.987,44. Três funcionários estavam no estabelecimento na hora do assalto. “Acionamos a polícia e tivemos que esperar 40 minutos. O Samu levou mais de uma hora para chegar aqui. Estou revoltado com essa insegurança”, desabafou o empresário Ivanildo Bezerra.

Apesar da revolta e da vontade uma solução, comerciantes e moradores de ambos os bairros enfrentam dificuldade em se mobilizar. As tentativas de mobilização são isoladas, por medo da reação dos bandidos. Em Emaus, o posto policial foi fechado há anos e apesar de alguns comerciantes estarem dispostos a arcar com algumas despesas para reabri-lo, não há efetivo policial.

A equipe do Giraparnamirim esteve nessa semana nos dois bairros citados, ouvindo os moradores. A nossa intenção é não apenas mostrar a situação da insegurança, mas também a falta de estrutura da Polícia Militar e Polícia Civil de Parnamirim, cobrando assim, uma providência da Secretaria Estadual de Defesa Social..

 

Fonte: Gira Parnamirim

Compartilhar: