Assassino do jornalista Décio Sá é condenado a 25 anos de prisão

Jornalista Aldenísio Décio Leite de Sá, foi assassinado no dia 23 de abril de 2012, em um bar, na Avenida Litorânea

Mais de 48 horas de julgamento e somente nas primeiras horas de hoje o juiz da 1º Vara do Tribunal do Júri de São Luís, Osmar Gomes dos Santos, declarou a sentença de condenação de 25 anos e três meses em regime fechado ao réu confesso Jhonatan de Sousa Silva. Para Marcos Bruno de Oliveira foi sentenciado 18 anos e três meses em regime fechado. Eles foram julgados por formação de quadrilha e pela morte do jornalista e blogueiro Aldenísio Décio Leite de Sá, no dia 23 de abril de 2012, em um bar, na Avenida Litorânea, e segundo o Ministério Público, até o momento, a mãe da vítima, uma senhora doente ainda não sabe da morte do filho.

O juiz leu a sentença primeiramente de Jhonatan Silva. Ele foi condenado pela morte do jornalista com a pena de 23 anos, enquanto, por formação de quadrilha, dois anos e três meses. Marcos Bruno pelo homicídio pena de 16 anos de reclusão e formação de quadrilha, dois anos e três meses. Eles não podem recorrer da sentença e serão encaminhados para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Jhonatan de Sousa Silva foi condenado por 25 anos e três meses em regime fechado. Foto: Divulgação
Jhonatan de Sousa Silva foi condenado por 25 anos e três meses em regime fechado. Foto: Divulgação

Participaram do julgamento, como promotores de acusação Rodolfo Soares dos Reis, Haroldo Paiva de Brito e Benedito de Jesus Nascimento Neto, enquanto na linha de defesa, os advogados Pedro Jarbas e José Berilo. Para conceder o ato de condenação aos réus foi composto o Júri Popular formado por quatro homens e três mulheres da comunidade onde ocorreu o crime.

Os familiares da vítima, inclusive, a viúva do jornalista, Silvana Sá, estavam presentes no julgamento. Eles assistiram o tempo todo sentados nas primeiras cadeiras do auditório. A postura dos réus era de olhar fixo para o corpo de júri.

Ainda em agosto do ano passado, o juiz Osmar Gomes conseguiu que Jhonatan Silva; Marcos Bruno de Oliveira; José Raimundo Sales Chaves Júnior, “Júnior Bolinha”; os policiais Alcides Nunes da Silva e Joel Durans Medeiros; Elker Farias Veloso; o capitão da Polícia Militar Fábio Aurélio Saraiva Silva, o “Fábio Capita”; Fábio Lago e Silva, o “Buchecha”; os empresários Glaucio Alencar Pontes Carvalho e José Alencar Miranda de Carvalho fossem pronunciados ao Júri Popular. Exceto, o advogado Ronaldo Henrique Santos Ribeiro.

Sob tortura

No período da tarde de ontem, o julgamento foi marcado por muitas revelações. Uma delas, Marcos Bruno Oliveira negou o depoimento que tinha concedido durante o inquérito policial na presença dos delegados Maymone Barros, Roberto Wagner, Jefry Furtado e Roberto Larrat, na sede da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), no Bairro de Fátima.

Ele ainda afirmou que foi torturado para confirmar que levou na motocicleta Jhonatan Silva, no dia da morte do jornalista, ao local do crime, na Avenida Litorânea.

 

 

Fonte: Jornal O Imparcial

Compartilhar: