Associação constata falhas graves de segurança no aeroporto Augusto Severo

Foi pedida a interdição de espaços que coloquem em risco a segurança ou saúde dos viajantes

67i67i67i56i67i67i6

Locais com pouca ou nenhuma presença de extintores, falta de sinalização e informações claras sobre regras de segurança e higiene precária em banheiros. Esta foi a situação encontrada pela PROTESTE Associação de Consumidores, no mês de fevereiro, nos 14 aeroportos das 12 cidades em que haverá jogos da Copa do Mundo.

No aeroporto Augusto Severo, em Natal, foi encontrado um vão entre a escada rolante e o guarda-corpo do primeiro piso, espaço suficiente para uma criança passar por ele. Isso, de fato, ocorreu em janeiro, no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, por pouco não vitimando fatalmente um menino. Não custa lembrar que esse tipo de cuidado é essencial, devido ao elevado movimento de famílias e de muitas crianças nos aeroportos.

Outros problemas de segurança encontrados no aeroporto Augusto Severo foram portas de saída sem barras antipânico no desembarque e falta de sinalização no mesmo setor, assim como no segundo piso.

Diante do cenário preocupante os resultados foram enviados às autoridades competentes ainda em maio, assim que o estudo foi finalizado, na esperança de que os problemas fossem corrigidos antes da realização Mundial. Foi pedida a interdição de espaços que coloquem em risco a segurança ou saúde dos viajantes.

Foram enviados ofícios à Infraero, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Gerência Geral de Portos e Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegários (GPAE) e corpos de bombeiros para que sejam tomadas medidas corretivas em caráter de urgência para evitar que os transtornos prossigam durante a competição, período em que haverá grande demanda de passageiros nos terminais.

“É inadmissível que as vésperas de um evento internacional como este que o Brasil sediará, o usuário ainda se depare com falhas de infraestrutura nos aeroportos brasileiros, colocando em risco a segurança”, avaliou Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE.

A avaliação da PROTESTE verificou as condições de segurança (itens de combate à incêndio, instalações elétricas, avisos e advertências, entre outros); conforto (quantidade de barracas, qualidade das instalações, facilidades de estacionamento) e higiene (condições de banheiros, cozinhas e locais comuns). Os aeroportos visitados foram: Salgado Filho – Porto Alegre – RS; Afonso Pena – Curitiba – PR; Guarulhos/Cumbica – São Paulo – SP; Congonhas – São Paulo – SP; Juscelino Kubitschek – Brasília – Distrito Federal; Marechal Rondon – Cuiabá – MT; Eduardo Gomes – Manaus – AM; Pinto Martins – Fortaleza – CE; Augusto Severo – Natal – RN; Gilberto Freyre – Recife/Guararapes – PE; Luís Eduardo Magalhães – Salvador – BA; Tancredo Neves – Confins – MG; Tom Jobim/Galeão e Santos Dumont – Rio de Janeiro – RJ.

 

Compartilhar:
    Publicidade