Autoridades descobrem que professora faltou ao trabalho durante 23 anos

Docente lotada em escola pública faltou ao trabalho tem ao todo 24 anos de carreira

escolas-india

Sangeeta Kashyap foi contratada em 1990 para dar aulas de biologia numa escola do Estado de Madhya Pradesh, região central do país.

As autoridades afirmaram que não sabem quando foi a última vez que Sangeeta recebeu um salário, mas garantem que ainda está na lista de funcionários e deverá ser demitida, segundo a BBC.

Acredita-se que Sangeeta estabeleceu um novo recorde de faltas no trabalho na Índia.

O caso de Sangeeta Kashyap foi divulgado pela imprensa do país, mas a professora ainda não foi encontrada para comentar o caso, desconhecendo-se a razão de não ter voltado ao trabalho ou se está trabalhando noutro lugar.

Sangeeta passou o primeiro ano de trabalho numa escola da cidade de Dewas, após o que tirou três anos de licença.

Em 1994, foi transferida para uma escola na cidade de Indore, entrou com pedido de licença maternidade e nunca mais voltou a trabalhar.

Sushma Vaishya, directora da Escola Pública Ahilya Ashram, em Indore, afirmou que as cartas enviadas pela escola ao endereço da professora ficaram sem resposta.

Um responsável do departamento de educação indicou que as autoridades na capital do Estado, Bhopal, foram contactadas para que Sangeeta fosse demitida.

«Não faço ideia da razão de nada ter sido feito. Estamos pedir-lhes de novo para a retirarem (do cargo)», disse Sanjay Goel à BBC.

A escola pode ter três professores de biologia, mas apenas duas vagas estão activas. A terceira é da professora Sangeeta Kashyap.

Segundo a BBC, o hábito de faltar ao trabalho é um problema comum em escolas públicas da Índia.

Um estudo do Banco Mundial feito em 2004 descobriu que 25% dos professores da Índia faltavam ao trabalho e apenas cerca de metade dos professores estava presente durante visitas surpresa em escolas pública primárias.

 

 

Fonte: Diário Digital

Compartilhar:
    Publicidade