Avião foi alvo de terrorismo e passageiros estão vivos no Afeganistão, diz jornal russo

MH-370 poderia estar escondido em uma pequena estrada perto de Candahar

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O jornal russo Moskovsky Komsomolets divulgou nesta quarta-feira (9) supostas informações sobre o avião da Malaysia Airlines desaparecido há mais de um mês. Segundo uma fonte anônima — que supostamente pertence a um serviço de segurança nacional não identificado —, os passageiros do voo MH-370 estariam vivos em Candahar, no Afeganistão, próximos a uma das fronteiras do Paquistão. A ação seria decorrente de um atentado terrorista.

De acordo com informações do jornal, os passageiros estariam divididos em sete grupos para melhor organização dos sequestradores. Para ele, os especialistas que estavam no voo seriam utilizados nas negociações com o governo americano ou chinês.

O avião estaria com uma das asas quebrada.

O especialista em investigação de acidentes Evgeny Kuzmin, confirmou que um avião daquele modelo poderia pousar em uma estrada de terra convencional, livre de árvores ou montanhas. Ele explicou também que se o pouso for emergencial ou em local inapropriado, pode quebrar parte dele, principalmente a asa.

Entretanto, as informações divulgadas pelo jornal não coincidem com as divulgadas pelo governo malaio.

O jornal também entrevistou Sergey Melnichenko, membro da Fundação russa de Segurança de Voo, que informou que a Tailândia, a Índia e o Paquistão não têm o costume de rastrear aeronaves. Por isso, ele acredita que de fato o MH-370 pode não ter sido rastreado.

Na última segunda-feira (7), o governo da Austrália que comanda as buscas pelo avião desaparecido detectou dois sinais parecidos com os emitidos pelas caixas-pretas. A primeira transmissão teria durado duas horas e vinte minutos e a segunda, apenas 13 minutos.

A informação de que a aeronave não teria caído no mar não foi confirmada pelas autoridades.

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade