Banco do Brasil não ficará de fora da próxima edição da “Festa do Boi”

- Estão para ser iniciados nos próximos dias os contatos entre a Superintendência Estadual do Banco do Brasil e a…

- Estão para ser iniciados nos próximos dias os contatos entre a Superintendência Estadual do Banco do Brasil e a Diretoria da Anorc (Associação Norte-rio-grandense de Criadores) com vistas à superação de problemas que resultaram, ano passado, na não participação da maior instituição financeira do país – e líder absoluto na concessão de crédito para o agronegócio – na “Festa do Boi 2013″.
- Realizada anualmente na terceira semana do mês de outubro, no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, a “Festa do Boi” é a maior e mais tradicional exposição agropecuária do Rio Grande do Norte, da qual o Banco do Brasil sempre vinha figurando como um dos principais patrocinadores ao longo das últimas cinco décadas.
- Em 2013, porém, por conta de decisões centralizadas em Brasília e tomadas por pessoas que não conhecem a realidade local, o Banco do Brasil encaminhou à Anorc uma proposta se dispondo a pagar uma cota de patrocínio de irrisórios R$ 20 mil, valor que foi prontamente rejeitado pela entidade promotora do evento, cuja realização acarretou gastos superiores a R$ 1,2 milhão.
- Por causa do incidente, o BB acabou perdendo o espaço de destaque que ocupava dentro da “Festa do Boi”, sendo prontamente substituído pela Caixa Econômica Federal, que na época estava entrando agressivamente na concorrência pelo filão do crédito agrícola no Estado e precisava se apresentar aos agropecuaristas.
- Durante todo o período da exposição agropecuária não se paravam de ouvir, no interior do Parque Aristófanes Fernandes, reclamações partidas da enorme massa de clientes da carteira de crédito rural do Banco do Brasil contra a ausência da instituição no evento.
- Lamentavelmente, muitas operações que poderiam ter sido financiadas pelo BB deixaram de ser feitas, mas nem por isso a “Festa do Boi” deixou de continuar sendo o maior evento de negócios do RN e uma das maiores exposições de animais do Nordeste.

Tomou posse a nova Diretoria do Natal Convention & Visitors Bureau

- Aconteceu na tarde de ontem, no Centro de Convenções, a solenidade de posse dos novos membros do Conselho Curador da fundação Natal Convention & Visitors Bureau (Natal CVB).
- Os hoteleiros Emanuelle Barreto e Fernando Paiva foram empossados, respectivamente, como presidente e vice-presidente do Conselho Curador da entidade, cujos demais integrantes são os empresários George Costa, Sylvia Serejo, George Gosson, Neiwaldo Guedes, Kléber Rêgo e Ruy Gaspar.
- Logo em seguida foi realizada a eleição do novo Conselho Fiscal e da Diretoria Executiva do Natal CVB para o biênio 2014/2015, que apresentou os seguintes resultados:
- Conselho Fiscal: Ernest Guitard, Flávio Roberto de Assis e Ronaldo Ribeiro de Melo;
- Diretoria Executiva: diretor-presidente executivo – Max Fonseca, diretor vice-presidente executivo – Marcelo Colao, diretor administrativo e financeiro – Danilo Marcos Diniz, e vice-diretor administrativo e financeiro – Alício Alexandre da Silva.
- Nos últimos anos, agindo sem qualquer vinculação com os órgãos governamentais da área do turismo, o Natal Convention tem conseguido atrair para o Rio Grande do Norte centenas de eventos de médio e grande porte, regionais, nacionais e até internacionais, assegurando o fluxo turístico natalense principalmente nos períodos de baixa estação.

 

Águas minerais ficarão dez por cento mais caras

- A partir desta semana as águas minerais comercializadas no mercado do Rio Grande do Norte deverão sofrer reajustes nos preços de venda ao consumidor final que ficarão em torno de 10 por cento.
- Assim, o galão de 20 litros, que vem sendo comercializado entre R$ 4,50 e R$ 5,50 a unidade, chegará a custar até R$ 6,00 nos próximos dias.
- O presidente do Sindicato das Indústrias de Bebidas e Águas Minerais do RN (Sicramirn), Djalma Barbosa Júnior, explica que os reajustes dos preços se tornaram inevitáveis em razão do aumento dos custos de produção e distribuição, causado especialmente pela subida do salário mínimo e dos insumos como rótulos, tampas, lacres e vasilhames.
- Em outros Estados nordestinos, como Ceará, Pernambuco e Bahia, o garrafão de água mineral já chega a custar até R$ 8,00, enquanto em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, o preço médio ultrapassa com folga os R$ 10,00.
- Pelos dados do Sicramirn, cerca de 65 por cento da população urbana do Rio Grande do Norte consomem regularmente água mineral em suas residências, sendo abastecidas por empresas que exploram 18 fontes espalhadas pelas diversas regiões do Estado oferecendo 12 mil empregos diretos e indiretos.
- Em 2013 foram produzidos e comercializados no RN, mensalmente, 228 milhões de litros de água mineral, em média.

Previsão é de que médicos cubanos entrarão na justiça contra o governo brasileiro

- Os milhares de médicos cubanos (fale-se em até 10 mil) que estão vindo trabalhar no Brasil através do programa “Mais Médicos”, em fase de implantação nos Estados pela presidente Dilma Rousseff, atuam na verdade como terceirizados, já que seus empregadores não são o nosso Ministério da Saúde nem os governos estaduais, mas a própria ditadura de Cuba.
- A vinda desses profissionais é decorrente de contratos entre os governos do Brasil e da ilha dos irmãos Fidel e Raul Castro, cabendo ao nosso país pagar ao governo de Cuba a soma mensal de aproximadamente 5 mil dólares pelo serviço a ser prestado por cada médico, enquanto este profissional é remunerado, se muito, com apenas algo em torno de 10 por cento desse valor.
- O modelo adotado nessa operação é o mesmo que Cuba adota com empresas estrangeiras que investem na ilha, entre elas as redes de hotéis e resorts que exploram o famoso balneário de Varadero, que atrai turistas do todo o mundo.
- Todas as empresas que ali atuam se obrigam a recorrer ao governo cubano para contratar empregados, cabendo a este fornecer a mão de obra com base nas médias salariais do mercado internacional. Mas, na hora de remunerar os trabalhadores, o governo socialista lhes paga o salário médio do país, ou seja, apenas cerca de 30 dólares mensais.
-  Os movimentos de oposição na ilha, que apesar de reprimidos são cada dia mais atuantes, defendem que, tão logo a democracia volte um dia a prevalecer em Cuba, essa multidão de trabalhadores lesados pelo governo castrista irá recorrer aos tribunais internacionais para reaver o justo valor dos salários que lhe estão sendo confiscados através desses arranjos políticos que podem até ser legais, mas são imorais e injustos.
- E como já existe no mundo inteiro jurisprudências reconhecendo que pessoas físicas ou jurídicas que recorrem à terceirização de mão de obra são responsáveis solidários pelos direitos trabalhistas decorrentes de tais contratos, já se tem como certo que um dia o governo brasileiro terá de pagar a cada um dos médicos cubanos atraídos pelo “Mais Médicos” o justo valor dos seus salários, surrupiados pelo regime da ilha.

Compartilhar: