Bem Brasil!…

A redemocratização brasileira devolveu aos quartéis as baionetas e coturnos que um dia saíram às ruas impondo a ditadura, mas…

A redemocratização brasileira devolveu aos quartéis as baionetas e coturnos que um dia saíram às ruas impondo a ditadura, mas nossa falta de grandeza política não foi capaz de evitar o melancólico episódio das indenizações aos nossos falsos heróis. E só descobrimos que eram falsos quando a Nação foi obrigada a indenizá-los. Restou Luiz Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança, como disse Jorge Amado, não aceitar que lhe pagassem pelo que fez por convicção.

Seria justo que fossem devolvidos os cargos, garantido o tempo de serviço que deixou de ser pago com as prisões, as aposentadorias. Mas a nossa imaginação foi além e inventamos indenizações de heróis e heroínas que lutaram voluntariamente e depois não resistiram ao doce fascínio de alguns milhares de reais. Alguns deles, ainda em plena ditadura, exerceram cargos e mandatos, mas mesmo assim contaram esse tempo como se lutassem contra o autoritarismo.

A cultura política brasileira é tão assim, e feita de tantos sabidos, que outro dia o nosso Carlos Heitor Cony impacientou-se com as Comissões da Verdade. Tudo por conta do convite – ou seria uma intimação?, pergunta Cony – para comparecer diante da Comissão da Verdade que em São Paulo tem o nome-homenagem de Vladimir Herzog. Respondeu pelo jornal declarando que não aceita o convite e até se dará por intimado se por acaso sofrer uma punição de força.

É simples e honrosa a posição de Cony: ele não tem dúvida nenhuma de que Herzog foi ‘miseravelmente assassinado numa prisão do Estado e Fleury assassinou e mandou assassinar uma centena (ou mais) de opositores da ditadura’. E acrescentou, no seu destemor feroz diante da dúvida cretina: ‘Nenhuma comissão da verdade, tenha o nome que tiver, me convencerá do contrário’. Ora, não precisa de pompa e pantomina pra ter certeza do que aconteceu na ditadura.

Aliás, Senhor Redator, se sabe dos bons e se sabe dos falsos. Nestes, se não constasse em suas biografias uma prisão ou um inquérito qualquer, nada teriam a dizer ou contribuir. Pelo contrário: bem apurado o passado que alguns tanto alegam talvez algum curioso mais criterioso e exigente encontrasse razões para constatar que alguns falsos se fizeram de heróis e, como conspícuas nulidades, tão comum no elenco de artistas nacionalistas, enganaram a meio mundo.

Cético e genial, um agnóstico que foi quase padre e depois perdeu a fé, Cony lembra o Evangelho, quando Cristo diz a Pilatos que o seu reino é o da verdade. Ora, se até o procurador de Roma perguntou o que era a verdade, mas sequer se preocupou em ouvir a resposta, adverte Cony, e se na prática a verdade é a verdade do rei, não é preciso de comissão para saber o que ‘houve de crime e imoralidade no Brasil’. E, no entanto, nossos falsos heróis estufam o peito.

 

AGENDA

A revoada dos principais políticos ao longo de fevereiro e até o carnaval comprova que não há pauta política antes da quarta-feira de cinzas. Até que saia o Baiacú na Vara nada será decidido.

ATENÇÃO

Saiu o número oficial do lucro líquido do Bradesco no exercício de 2013: R$ 12,2 bilhões de reais. Não há duvida: este Brasil ainda é o país dos banqueiros e agora com todo apoio do PT.

ARENA

É verdade. O governo não desviou um centavo da saúde e segurança para construir a Arena das Dunas. Pediu emprestado R$ 400 milhões pelos quais o RN pagará 1,2 bilhão em vinte anos.

HUMOR

De um wilmista que já viveu praticamente todas as campanhas ao seu lado, soltando o riso no canto da boca: ‘D. Wilma começa a sentir que o medo pode ser outra vez seu principal aliado’.

AVISO

Nas reuniões fechadas da nossa mitra, algumas cabeças coroados acusam a este pobre cristão, devoto da Senhora da Conceição, de ser anticlerical por noticiar certas verdades desagradáveis.

ALIÁS

O Vaticano não tem desmentido flagrantes até de sacerdotes sob suspeita, assim como tem feito demissões de cardeais envolvidos. A Igreja, de Roma a Natal, está sob o olho firme do mundo.

POR

Isso é bom que o Conselho de Assuntos Econômicos da nossa Arquidiocese tome providências e corte seus gastos. Sob pena de enfrentar déficits ainda maiores ao fechar o balanço de 2013.

FRASE

Do padre João Medeiros Filho neste JH pedindo para Caicó um bispo próximo do seu povo: ‘Que seja o sétimo bispo caicoense alguém que ame o sertão e queira bem às pedras do Seridó’.

RETRATO – I

Somos assim: neste 2014, cem anos de João Machado, seu nome desaparece do Machadão; e o aeroporto Augusto Severo será desativado nos 150 anos de nascimento do pioneiro da aviação.

E – II

Tudo diante da Secretaria de Cultura, dona da política cultural; Academia de Letras, a casa de Câmara Cascudo; Instituto Histórico, a casa da memória; e do Conselho Estadual de Cultura.

PARABÉNS

O Hemonorte recebe equipamentos para as suas unidades de Natal, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros e Currais Novos. Apoiar a professora Linete Rocha, uma cientista, é um gesto louvável.

REVISTA – I

Dia 7, 10h, no Tribunal de Contas, lançamento da revista que mostra o papel e a importância da Escola Doméstica. Espera-se que Henrique Castriciano desta vez tenha o destaque que merece.

ALIÁS – II

Neste 2014 são 140 anos de nascimento de Castriciano, criador da Escola Doméstica que este ano faz um século. Nasceu em Macaíba a 15.03.1874 e faleceu em Natal a 27 de julho de 1947.

LONGE

O jornalista Jomard Morais cumpre um longo roteiro de viagem na Capadócia onde percorre os quatro quilômetros de extensão e mais os quatro andares de Kaymakli na direção de São Jorge.

Compartilhar: