Bento XVI rebate especulações e concorda com as ideias de Francisco

O papa emérito escreveu: "Estou agradecido de poder estar vinculado por uma grande coincidência de opiniões e uma amizade de coração ao papa Francisco. Considero que meu único e último dever é apoiar o pontificado por meio da oração"

O papa Francisco e o papa emérito Bento XVI. Foto:Divulgação
O papa Francisco e o papa emérito Bento XVI. Foto:Divulgação

O papa emérito Bento XVI chamou de “absurdas” as especulações que questionam a autenticidade de sua renúncia e reiterou que compartilha “opiniões” e “amizade” com seu sucessor, Francisco, em uma carta publicada nesta quarta-feira pelo jornal La Stampa.

Vários meios de comunicação publicaram análises que sugerem a existência de uma diarquia no Vaticano e questionam se Joseph Ratzinger se afastou completamente como havia prometido.

Os analistas tomam como base o comparecimento do papa emérito no sábado passado ao consistório de Francisco na basílica de São Pedro.

“Não há dúvida da validade de minha renúncia ao ministério petrino. A única condição para a validade é uma liberdade decisória plena. As especulações sobre a invalidade da renúncia são simplesmente absurdas”, afirma o papa emérito, em resposta a perguntas formuladas por escrito pelo jornal.

Também apresenta explicações sobre a roupa branca que veste, igual ao papa Francisco.

“Manter o hábito branco e o nome de Bento é algo simplesmente prático. No momento da renúncia, não havia outros hábitos à disposição. Além disso, uso o hábito branco de uma forma claramente distinta a do papa. Nisto também se trata de especulações sem fundamento”.

Bento XVI se refere ainda aos comentários feitos recentemente pelo suíço-alemão Hans Küng, um colega de universidade que virou o teólgo mais crítico a seu respeito.

“O professor Küng tem citado literalmente e corretamente as palavras da carta que lhe enviei”, afirma.

No texto, o papa emérito escreveu: “Estou agradecido de poder estar vinculado por uma grande coincidência de opiniões e uma amizade de coração ao papa Francisco. Considero que meu único e último dever é apoiar o pontificado por meio da oração”.

Fonte:Yahoo

Compartilhar: