Bethe Pitbull ‘pega’ a lutadora norte-americana Jessamyn Duke neste sábado

Brasileira tentará se manter invicta contra a americana Jessamyn Duke, no sábado

 “Não existe ninguém invencível. Ela vive bom momento na carreira, mas uma hora tudo se reverte”, disse Bethe. Foto: Divulgação
“Não existe ninguém invencível. Ela vive bom momento na carreira, mas uma hora tudo se reverte”, disse Bethe. Foto: Divulgação

Algumas horas antes de Glover Teixeira tentar vencer o campeão Jon Jones na noite deste sábado (26), em Baltimore, a paraibana Bethe Correia buscará sua segunda vitória no torneio, enfrentando a americana Jessamyn Duke.

Com sete vitórias seguidas, a lutadora afirma que o excelente retrospecto é fruto de muito treino e pensamentos positivos. “Sempre penso na vitória, a derrota nunca passa pela minha cabeça. Perder é consequência de lutar”, disse a brasileira.

Questionada sobre a campeã Ronda Rousey, que também está invicta, com nove vitórias, Bethe acredita que a norte-americana está em uma boa fase, mas que a derrota é questão de tempo. “Não existe ninguém invencível. Ela vive bom momento na carreira, mas uma hora tudo se reverte”.

Sente pressão pela invencibilidade de sete lutas?

É a realização de um sonho, sempre vai ter pressão, mas é algo saudável. Acredito que essa sensação virá em todas as lutas, para qualquer lutador. Sempre treino pensando na vitória, a derrota nunca passa pela minha cabeça. Perder é uma consequência de lutar.

Como pode definir sua adversária?

Tem um grande potencial, mostrou que quer crescer ao entrar no The Ultimate Fighter (Duke participou do TUF 18, nos Estados Unidos). Tem muita disposição nos treinos e está no início da carreira, cheia de gás.

E seu estilo de luta, como descrever?

Eu busco a luta o tempo todo, nunca sou uma atleta passiva. Treino para sempre procurar o combate, sem deixar que minha adversária cresça. Me considero fria e muito agressiva.

As duas gostam de trocação, veremos três rounds em pé?

Minha estratégia é partir para cima e não deixar ela crescer. Mas já aconteceu de entrar pensando que o combate ia ser todo com trocação, mas passei o tempo todo no chão. Estou preparada para as duas situações, mas gosto muito de trocar porrada.

E o que é preciso para vencer a campeã Ronda Rousey?

Não existe ninguém invencível. Ela vive bom momento na carreira, mas uma hora tudo se reverte. As adversárias estão treinando muito para superá-la.

 

Fonte: UFC

Compartilhar: