Biscoito de maconha contribuiu para a morte de estudante nos EUA

Aluno de intercâmbio caiu de varanda após ingerir produto, na 1ª morte vinculada à droga desde sua legalização no Colorado

 Diferentes tipos de maconhas são expostos para venda em loja Medicine Man, em Denver. Foto: Divulgaçao

Diferentes tipos de maconhas são expostos para venda em loja Medicine Man, em Denver. Foto: Divulgaçao

Um estudante de intercâmbio do Congo morreu em uma queda em Denver, no Colorado, depois de comer um biscoito de maconha, disse a polícia – a primeira morte relacionada à droga desde que ela foi legalizada nesse Estado americano.

Uma autópsia divulgada nesta quarta-feira diz que a intoxicação por maconha foi um fator que contribuiu para a morte de Levi Thamba Pongi, 19, em 11 de março em uma queda de uma varanda de um hotel. O Colorado foi o primeiro Estado americano a legalizar o uso recreativo da maconha em janeiro.

Segundo as autoridades, Pongi conseguiu o biscoito de um amigo. A polícia determinou que a morte foi um acidente, mas não divulgou as descobertas de sua investigação.

A lei do Colorado proíbe a venda de produtos recreativos da maconha para menores de 21 anos. Autoridades dizem que um dos amigos de Pongi tinha idade suficiente para comprar o biscoito.

Funcionários da Faculdade de Northwest, em Wyoming, dizem que Pongi, um nativo da República do Congo, havia começado suas aulas em janeiro.

Atualmente, 20 Estados americanos, assim como a capital, Washington D.C., permitem a venda da maconha medicinal, enquanto o Estado de Washington deve começar a venda legal no fim deste ano.

Recentemente, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que a maconha não era mais perigosa que o álcool, embora tenha feito a ressalva de que ambos correspondiam a más decisões. Apesar disso, ele instruiu o Departamento de Justiça a parar os processos de bancos que fazem negócios com firmas de cannabis.

Fonte: IG

Compartilhar: