Bloco da Cobra do cabeludo em Sagi resgata carnavais com cobra gigante e teatro

Em 2014, o bloco desfila pela primeira vez em Sagi nos dias 1 e 2 de março, sábado e domingo de Carnaval, com concentração a partir das 10 horas no Centro Cultural Casa de Taipa.

Estandarte bordado pela olindense Albanita, uma das mestre bordadeiras de Pernambuco. Foto:Divulgação
Estandarte bordado pela olindense Albanita, uma das mestre bordadeiras de Pernambuco. Foto:Divulgação

Criado em agosto de 2013, o Bloco da Cobra do Cabeludo é uma agremiação carnavalesca da comunidade de Sagi, do município de Baía Formosa-RN, que busca seu papel na história inspirado na tradição. É fruto do sonho de Cabeludo, morador daquela localidade, assumido e levado à frente por uma comunidade carente de cultura e diversão, que pretende incrementar a folia momesca na vila litorânea.

O Bloco da Cobra do Cabeludo pretende retomar a tradição de antigos carnavais. Para isso foi criado uma marchinha de estrutura melódica idêntica a das composições que fizeram a fama dos quatro dias de Momo nas primeiras décadas do século XX. A proposta da agremiação é que os foliões sigam uma banda que irá tocar exclusivamente marchas carnavalescas, num contraponto a axé music, suingueiras e forrós com letras de gosto duvidoso.

Será retomada ainda a tradição do estandarte de antigos blocos, com a marca de A Cobra do Cabeludo, carregado à frente dos brincantes por uma moradora de Sagi, eleita anualmente em votação pela população da cidade.

Diferenciais

A opção por um bloco carnavalesco popular de estrutura, formal e musical, baseada nos velhos carnavais já é um diferencial marcante do A Cobra do Cabeludo. Mas, a proposta ainda é de se aprofundar nessa ludicidade, no velho espírito da brincadeira, inovando no aspecto cênico da apresentação, transformando a agremiação num verdadeiro espetáculo.

E esse espetáculo de cunho estritamente cultural será marcado, além da performance de uma charanga ao vivo, por dois diferenciais em sua apresentação: a interpretação teatral da música oficial do bloco e a participação especial de uma cobra construída artesanalmente.

A cobra artesanal se apropriará de uma outracultura, a oriental. “Nesse crossover, trocamos o dragão chinês das festas populares de rua por uma grande cobra de chita, com engenharia própria e nacional, que será movimentada por moradores da cidade do Sagi”, revela Rubens Araújo, fundador do Centro Cultural Casa de Taipa e diretor do bloco. Esta cobra brasileira e multicolorida irá serpentear por Sagi e pelas ruas de Baía Formosa puxando o cordão dos foliões.

Teatro Musical

A apresentação teatral expressará a história real, desenvolvida na letra da música. Contará, para isso, com uma coreografia feita exclusivamente para o desfile. Nesse teatro musical, dois personagens interpretarão a tentativa de uma moradora de matar uma cobra e a luta de um outro morador para impedi-la.

A música, assinada por Cabeludo, conta a história real do inesperado encontro do réptil, criado pelo autor da marcha, com moradores da comunidade do Sagi. Ecologicamente correta, a letra investe também no bom humor, característica essencial das antigas marchas carnavalescas. Essa música, assim como a Marcha do Fuquinha, também composta por Cabeludo, foram gravadas em estúdio profissional.

Cobra da Cabeludo (Música Oficial do Bloco do Cabeludo)

(Letra e música: Cabeludo)

Olha a cobra saiu da toca

Abra a roda que ela quer dançar

Essa cobra não é venenosa

Ela só quer rebolar

 

O Pareia venha para cá

Esconda essa cobra que Maria quer matar

 

Maria quer matar a cobra

Veja que absurdo

Maria, não mate a cobra

Essa cobra é do Cabeludo

Compartilhar:
    Publicidade