Bombonera chora “derrota do povo” em disputa Tevez x Messi

Sem paixão, o argentino não crê ser capaz de ganhar a Copa do Mundo. A palavra está com Lionel Messi

Tevez é ídolo do povo argentino. Foto: Divulgação
Tevez é ídolo do povo argentino. Foto: Divulgação

van tinha só oito anos, mas se lembra de quando Carlitos Tevez foi ao Brasil com o Boca Juniors e ganhou uma Copa Libertadores como protagonista máximo em 2003. Hoje aos 19 anos e vendedor em uma loja de souvernis bem em frente La Bombonera, ele é um dos milhares de argentinos, quiçá milhões, que não poderá ser feliz por completo com a Copa do Mundo no Brasil.

Não é apenas o caso de Ivan. É o caso de Walter Battioni, sócio do Boca Juniors e que pratica bocha no clube. É também de Dona Mari, comerciante que trabalha diante da sede do Boca. É algo que inquieta Nadia e suas duas amigas que se chamam Jessica. E olha que duas delas, mesmo que estivessem por ali, são torcedoras do River Plate. Enquanto Tevez dá de ombros pela recusa e curte férias na Disney, há muita gente que lamenta sua ausência do Mundial.

“Esse tema incomoda todos os argentinos”, assegura o jovem Ivan. “O país está dividido entre os que estão a favor de Tevez e os que estão a favor de Messi. Para Sabella, Tevez é uma pessoa conflitiva, e acredito que ele realmente seja, mas não a ponto de ser rechaçado por todos. Os jogadores vão à seleção para jogar futebol, não para fazer amigos”, defendeu o torcedor do Boca.

A origem humilde de Carlitos é o que encanta muitos argentinos, mas de certo modo também pode ser responsável por afastá-lo da seleção desde que perdeu um pênalti e a Argentina foi eliminada da Copa América 2011 dentro de casa. “Tevez veio do Forte Apache, sempre foi muito pobre, é natural que arme seu próprio grupo com quem se identifica mais”, justifica Ivan.

Ali nos arredores do estádio do Boca Juniors, onde divide espaço e idolatria com Diego Maradona, Martín Palermo e Juan Román Riquelme, Tevez é unanimidade. “Não é justo tê-lo fora do grupo, para mim e muitos argentinos. Ele está de fora por algo interno, não sei o motivo”, explica Walter, sócio do clube. “Messi é um milionário humilde, tem um perfil tranquilo, não entendo essa divisão”, comparou.

Walter mora longe da Bombonera e pedala por quase uma hora para poder jogar bocha.  É um desses apaixonados que não medem esforços para estar perto do clube mais presente nas camadas populares da Argentina. Como Dona Mari, que abriu sua própria loja no primeiro piso da casa onde vive em La Boca. Está na porta do estádio e já conhece a alma dos torcedores que idolatram Tevez desde a década passada.

“Carlitos já esteve lá e fez algumas coisas, Messi nunca fez nada”, lembra sobre a seleção pela qual Lionel marcou um só gol em duas Copas do Mundo. “Messi agora mudou seu comportamento porque sabe que está pressionado. O povo queria Tevez, e Tevez não vai por causa de Messi”, justificou Dona Mari.

Torcedora do River Plate e funcionária de uma companhia no bairro La Boca, Nadia também já percebeu porque ainda há quem toparia fazer qualquer coisa para colocar Tevez no avião que sai ao Brasil na próxima segunda-feira. “Ele é um rapaz mais sensível, que veio dos bairros. Tevez joga com mais paixão que Messi”, explica.

Sem paixão, o argentino não crê ser capaz de ganhar a Copa do Mundo. A palavra está com Lionel Messi.

Fonte: Terra

Compartilhar: