BRA apresenta novo projeto para continuar obras de hotel na Via Costeira

O hotel que está com 70% das obras já executadas, tem toda sua construção feita com recursos próprios, não tendo recorrido a nenhuma linha de financiamento bancário

Retomada da construção do hotel irá gerar mais de 400 empregos diretos. Foto:Divulgação
Retomada da construção do hotel irá gerar mais de 400 empregos diretos. Foto:Divulgação

A presidência da BRA comunicou ao secretário municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico (Seturde), Fernando Bezerril, que deu entrada, no último dia 27 (sexta-feira) na Semurb (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo), no projeto de readequação urbanística do hotel que está sendo construído pelo grupo na Via Costeira. A nova proposta foi apresentada antes ao Ministério Público Federal, com conhecimento do Ministério Público Estadual, além da Procuradoria Geral do Município e do departamento jurídico da Semurb que acenou favoravelmente as mudanças introduzidas.

O novo projeto prevê a derrubada do último andar do prédio com algumas inovações como a construção de um espaço aberto ao público com uma praça e mirante onde se pode contemplar toda a Via Costeira, praia de Ponta Negra e o Morro do Careca, além do Parque das Dunas.

Segundo o secretário de Turismo, Fernando Bezerril, esta nova proposta deverá atender às exigências do Plano Diretor. “Desde que assumimos a secretaria vínhamos trabalhando com o aval do prefeito Carlos Eduardo para conseguirmos reverter este processo de paralisação da obra. Com essa nova opção apresentada pela BRA nos sentimos felizes com o dever cumprido e esperamos que o novo projeto seja aprovado. Serão mais 400 empregos diretos, além de gerar renda para o município”, explicou Bezezerril.

O hotel que está com 70% das obras já executadas, tem toda sua construção feita com recursos próprios, não tendo recorrido a nenhuma linha de financiamento bancário. Já foram investidos pelo grupo R$ 50 milhões, devendo ser aplicados mais R$ 20 milhões para conclusão da obra. O novo projeto é o primeiro do Nordeste com o selo verde aprovado pelo Inmetro e preveem algumas inovações tecnológicas como a geração própria de energia, através de painéis solares, reutilização da água servida e das chuvas para atender a higienização do prédio.

Fonte:Assessoria

Compartilhar: