Brasileiro reclama de falta de aplicativos, mas desconhece opções disponíveis

Qualcomm divulga primeiros resultados do seu índice de inovação, o QuISI sobre a conectividade dos brasileiros

Foto:Divulgação
Foto:Divulgação

O usuário brasileiro tem uma relação dúbia com os aplicativos para celular. Se, por um lado, 65% fazem download desse tipo de programa, por outro, apenas 7% dos aplicativos baixados são pagos. Além disso, 11% acreditam que faltam aplicativos, no entanto, ao descreverem suas necessidades, mencionam programas que já existem, mas que desconhecem, provando que há um abismo de comunicação entre o desenvolvedor e o consumidor final.

Essa é apenas uma das conclusões do Índice Qualcomm da Sociedade de Inovação (QuISI) desenvolvido pela Qualcomm em parceria com a Convergência Research. A pesquisa, cuja primeira etapa foi divulgada nesta segunda-feira (17), em São Paulo (SP), traz informações do uso que os brasileiros fazem da internet em diversos dispositivos, de computadores a smartphones.

O evento para imprensa contou a com a presença de Rafael Steinhauser, vice-presidente sênior e presidente da Qualcomm para a América Latina, e de Mariana Rodriguez, diretora geral da Convergencia Research e da Convergencia Latina, além de cofundadora do Grupo Convergencia.

 

 

O estudo entrevistou 1.400 pessoas de todas as regiões e classes sociais do País e dividiu os brasileiros e os mexicanos (a pesquisa também está sendo feita no México) em três perfis: Basic, que corresponde a 36% dos entrevistados, tem um feature phone e outros dispositivos e se conectou pelo menos uma vez na internet por meio deles nos últimos três meses; Smart, 41%, quem tem um smartphone e outros dispositivos e usa até dois aparelhos para se conectar a internet; e Hyper, 21% dos entrevistados, tem um smartphone e outros dispositivos, usa pelo menos três para se conectar a internet. A margem de erro da pesquisa é de 2,5%.

No Brasil, de acordo com a pesquisa, hoje são 82,9 milhões de usuários de internet. Desse total:

89% usam redes sociais;
69% usam serviços multimídia online;
60% compraram alguma coisa online nos últimos três meses;
38% usaram serviços bancários online;
37% jogam online;
31% usam serviço de microblog;
10% usam alguma tipo de serviço de vídeo sob demanda pago.

Em termos de smartphones, são 47,8 milhões no Brasil (segundo dados de junho de 2013). Dentre esses:

78% usam mensagens instantâneas;
65% fazem download de aplicativos;
64% usam multimídia online;
25% usam o smartphone para jorgar online;
25% usam serviços bancários móveis;
11% compraram algo nos últimos três meses usando o celular.

O QuISI

O QuISI foi feito a partir de uma fórmula abrangente que integra três esferas da adoção da tecnologia em uma sociedade, Pessoas, Negócios e Governos, e três ambientes-chave: Conectividade, Internet das Coisas e Inovação. O índice mede o impacto da penetração de serviços de comunicação, como telefonia móvel, fixa, banda larga fixa e móvel, além do impacto das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) no Produto Interno Bruno (PIB) e no Investimento no Brasil. No QuISI Conectividade foram analisadas 14 variáveis que completam um máximo de 100 pontos, a partir do qual os países foram classificados.

De acordo com o estudo, que compara dados coletados pela Qualcomm no Brasil e no México com informações coletadas de organizações internacionais (ITU, FMI, OCDE, operadoras, GSMA, entre outras) de outros 71 países, o Brasil se encontra no 44º lugar do ranking de adoção, assimilação e usos das TICs. Com 34,10 pontos de 100, o Brasil foi classificado no nível intermediário, ficando em 4º lugar entre os países latino-americanos e caribenhos e em 2º entre os BRICS, atrás apenas da Rússia.

Fonte:Terra

Compartilhar:
    Publicidade