Câmara pode votar projeto que aumenta pena para rachas

Projeto propõe aumento da pena máxima dos dois anos de prisão atuais para três anos

Se o crime resultar em morte, a pena pode chegar a dez anos. Foto: Edison Temoteo/20.11.2013/Futura Press/Estadão Conteúdo
Se o crime resultar em morte, a pena pode chegar a dez anos. Foto: Edison Temoteo/20.11.2013/Futura Press/Estadão Conteúdo

O Plenário da Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (15), em sessão ordinária marcada para as 14 horas, proposta que aumenta a pena para o crime de racha em vias públicas — Projeto de Lei 2592/07, do deputado Beto Albuquerque (PSB-RS). Os deputados vão analisar as mudanças feitas pelo Senado.

A proposta já foi aprovada pela Câmara em abril do ano passado, com aumento da pena máxima dos dois anos de prisão atuais para três anos. Se o crime resultar em morte, a pena máxima chega a dez anos.

Os senadores, no entanto, excluíram os principais pontos do texto da Câmara, como a pena de reclusão para o crime de racha se disso resultar morte ou lesão corporal grave e a previsão de exames toxicológicos para detectar o motorista embriagado ou que tenha feito uso de outras drogas.

A Câmara precisa decidir se fica com o texto inicialmente aprovado pelos deputados ou se aceita as mudanças do Senado. O parecer da relatora, deputada Sandra Rosado (PSB-RN), é pela rejeição das alterações feitas pelos senadores.

Segundo o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), está na hora de a Câmara colaborar com o fim dos rachas.

— É importante que a Câmara aprove a matéria para coibir esse tipo de prática e criminalizar quem pratica esse tipo de atividade dentro dos centros urbanos.

Combustíveis

Outro projeto pautado é o PL 866/11, do deputado Onofre Santo Agostini (PSD-SC). De acordo com o substitutivo da Comissão de Desenvolvimento Urbano, deverão ser observados detalhamentos na construção e na reforma dos postos, como distâncias mínimas e medidas de segurança nos pisos, nos boxes destinados à lavagem e à lubrificação de veículos e nos tanques subterrâneos, entre outros.

A menor separação entre dois postos revendedores, por exemplo, deverá ser de 500 metros, seja dentro ou fora do perímetro urbano.

Turismo

Já o PL 5120/01 regula as atividades das agências de turismo. Os deputados analisam 12emendas do Senado ao projeto, que já havia sido aprovado pela Câmara. A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania) aprovou 11 emendas e rejeitou uma que obriga as agências de turismo a responder na Justiça por problemas nos serviços prestados por terceiros com sua intermediação — como, por exemplo, os hotéis e as companhias de transporte aéreo.

Trabalho

O Plenário poderá votar ainda o Projeto de Resolução 132/12, do deputado Assis Melo (PCdoB-RS), que institui o prêmio Dignidade no Trabalho, a ser concedido pela Câmara a pessoas físicas e jurídicas que promovam ações em defesa do trabalho decente.

A OIT (Organização Internacional do Trabalho) define trabalho decente como o trabalho “adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, equidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna”. Também são autores do projeto os deputados Roberto Santiago (PSD-SP), Vicentinho (PT-SP) e Luciana Santos (PCdoB-PE).

 

Fonte: R7

Compartilhar: