Camisas piratas da Copa apresentam substância cancerígena, revela teste

Empresa alemã testou 90 camisetas infantis de 32 seleções. 30% delas apresentaram substâncias proibidas como cádmio e elementos que causam câncer, como o corante azo

10460707_748602225182872_1013023520163350769_n

A empresa de certificação alemã TÜV Rheinland encontrou substâncias proibidas, como o cádmio e outras cancerígenas, em pelo menos 30% de 90 camisetas infantis não oficiais de 32 seleções que disputam a Copa de 2014.

O cádmio e seus compostos são classificados como “perigosos para a saúde” e “altamente tóxicos” pelos padrões internacionais. A presença da substância em corantes é estritamente proibida desde dezembro de 2011.

O corante azo, também encontrado nas roupas, é considerado uma substância perigosa devido a seu potencial cancerígeno.

As peças avaliadas pela empresa foram compradas em redes varejistas, lojas de souvenirs ou pela internet, a um preço médio de € 15 por camisa (cerca de R$ 45), com o intuito de avaliar a presença de substâncias tóxicas.

Feitos na Turquia, os testes de laboratório revelaram resultados alarmantes, de acordo com a TÜV Rheinland. A ideia inicial era fazer com que as camisas competissem entre si em termos de qualidade, seguindo a tabela dos jogos do Mundial.

Mas a alta incidência de elementos tóxicos nas roupas impossibilitou a disputa de camisetas, com base em normas e critérios de ensaios internacionalmente reconhecidos, e em valores-limite europeus como o ponto de referência para todos os produtos.

 

Fonte: iG

Compartilhar:
    Publicidade