Campanha contra tráfico humano quer conscientizar população durante a Copa

“Jogue a favor da vida” tem viés educativo, com ação de voluntários nos principais pontos de Natal

Coletiva---Jogue-a-favor-da-Vida--HD

Buscando conscientizar a população sobre os riscos e como agir diante do tráfico de pessoas, a Rede “Um grito pela vida” está promovendo a campanha “Jogue a favor da vida”, iniciativa que irá mobilizar ações durante o Mundial de Futebol no Brasil. Em Natal, a campanha foi lançada na manhã desta quarta-feira (30), no Centro Pastoral Pio X, subsolo da Catedral Metropolitana.

A rede “Um grito pela vida” é uma iniciativa da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e está presente em 22 estados do país, atuando na prevenção a tráfico de pessoas, principalmente para fins de exploração sexual.

A campanha promoverá ações na capital potiguar para alertar a populações sobre como funciona o tráfico de pessoas, seus riscos, como denunciar e distribuirá panfletos nas principais vias da cidade, com apoio da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob). Além disso, durante os jogos da Copa, voluntários serão mobilizados em pontos estratégicos, como a Arena das Dunas, Avenida Engenheiro Roberto Freire e no Aeroporto de Natal, para receber denuncias de casos que estejam ocorrendo e orientar as vítimas desse crime.

Segundo coordenador da campanha, Tállison Ferreira, o principal objetivo da ação é trazer conscientização para os natalenses sobre o tráfico de pessoas, utilizando o cenário da Copa como foco. “Queremos trabalhar com a prevenção, favorecendo a reflexão e contribuindo para ações que coibam a exploração humana” afirmou.

A iniciativa acontece em consonância com a Campanha da Fraternidade 2014, cuja temática é a mesma, e recebeu o nome “Jogue a favor da vida”, tendo em vista a proximidade da Copa do Mundo.

Padre Edilson Nobre, vigário geral da Arquidiocese de Natal, reafirma que ação tem a Copa como momento para um debate mais amplo sobre o assunto. “Nesse contexto novo de preparação para a Copa haverá um fluxo muito maior de pessoas na cidade, mas além dos grandes benefícios, teremos muito problemas relacionados à exploração de pessoas. O problema é real e concreto, podendo se intensificar durante o mundial” alertou.

Ele ainda explica que as pessoas devem ficar atentas para os casos que podem acontecer antes, durante e depois do evento. É neste intuito, que a campanha trabalha com o caráter informativo sobre o tráfico de pessoas. “As pessoas ficam muito animadas e vibrando pela bola que rola em campo e despercebem os problemas que as rodeiam. Nós estamos advertindo, para fazer esse trabalho de conscientização junto à população. Queremos que de fato a Copa seja brilhante, mas pelos benefícios, e que não traga prejuízos a questões sociais na vida das pessoas vulnerabilizadas e exploradas pelo tráfico humano” disse.

Nos dia 7 e 8 de maio, o tema da campanha será debatido durante a Jornada de Estudos da Faculdade de Filosofia e Teologia Dom Heitor Sales, no auditório do Sesc. De 13 a 19 do mesmo mês, haverá a panfletagem nas principais avenidas de Natal, Rodoviária e Aeroporto.

Tráfico de pessoas no Brasil

Segundos dados do Ministério da Justiça, a maior incidência do tráfico internacional de brasileiros ou brasileiras é para fins de exploração sexual. De 475 vítimas identificadas pelo Ministério das Relações Exteriores, entre os anos de 2005 e 2011 em seus consulados e embaixadas, 337 sofreram exploração sexual e 135 foram submetidas a trabalho escravo.

Os países onde mais brasileiros e brasileiras vítimas de tráfico de pessoas foram encontradas são: Suriname, Suíça, Espanha e Holanda. O país onde foi registrada uma incidência maior de tráfico de pessoas foi o Suriname (que funciona como rota para a Holanda), com 133 vítimas, seguido da Suíça com 127, da Espanha com 104 e da Holanda com 71.

De acordo com o Ministério da Saúde, as vítimas que procuram ajuda em serviços de saúde são na maioria mulheres na faixa etária entre 10 e 29 anos. Há uma maior incidência de vítimas, cerca de 30%, na faixa etária de 10 a 19 anos, de baixa escolaridade e solteiras.

Compartilhar: