A canonização do desrespeito

E depois os parlamentares se consideram ofendidos pelas críticas dos veículos de comunicação, porta-vozes dos protestos da sociedade. Os chamados…

E depois os parlamentares se consideram ofendidos pelas críticas dos veículos de comunicação, porta-vozes dos protestos da sociedade. Os chamados representantes do povo são autores de abusos que fazem parte de um dos capítulos negativos da crônica política nacional.

Veja o comentário de Chico Alencar (PSOL-RJ) sobre o mais recente deslize ético da Câmara, sua Casa legislativa:
“A inconsequência da mesa diretora da Câmara representa uma total falta de preocupação com o dinheiro público. Isso, na sequência da criação de mais cargos em comissão para ampliar o cabide empregos.”

Chico refere-se ao aumento de verba extra – sim, porque são recursos além do salário oficial – para o exercício do mandato. A partir de janeiro, o apelidado cotão passa para R$ 25,9 mil (representantes do Distrito Federal) e vai até R$ 41,6 mil (deputados de Roraima).
Total da nova despesa em 2014: R$ 16 milhões. Portanto, acréscimo mensal de R$ 1,3 milhão.

Quem dirigiu os trabalhos da pródiga reunião de ontem à noite foi o vice-presidente André Vargas (PT-PR).

Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ausente da oficialização da automordomia, escapou do constrangimento de ser apontado como um dos perdulários dirigentes do Poder Legislativo à cata da renovação do mandato presidencial.

Pós-escrito: No próximo ano, o salário mínimo do trabalhador brasileiro fica na casa dos míseros R$ 724.

Corrida ao voto
Sucessão no Distrito Federal.
Fosse hoje a eleição, o senador socialista Rodrigo Rollemberg (foto) sucederia ao petista recandidato Agnelo Queiroz no Palácio do Buriti.
Não seria a primeira vez que um governador do PT perderia a campanha de reeleição na capital da República. Já ocorrera com Cristovam Buarque, hoje da bancada senatorial do PDT.

O deputado José Reguffe (PDT) seria eleito para representar o DF no Senado. Ocuparia a cadeira de Gim Argello (PTB), que chegara à Casa como suplente de Joaquim Roriz, renunciante acusado de corrupção passiva.

Rollemberg e Reguffe apoiam Eduardo Campos, candidato do PSB a presidente da República.

- Na compra das três dúzias de caças Gripen, suecos, prevaleceu a preferência da Aeronáutica sobre a vontade de Lula da Silva. À época de seu governo, ele defendia a aquisição de aviões Rafale, franceses.
- Suplente de João Ribeiro (PR), falecido ontem, Ataídes Oliveira (PROS) assume a vaga de senador que cabe ao Tocantins.
- Contratado pelo PT do Acre, o instituto Vox Populi detecta a liderança de Dilma Rousseff no estado. Ela tem 51% das intenções de voto. Aécio Neves, segundo colocado, 16%. Eduardo Campos, candidato da acriana Marina Silva, 9%.
- Domingo à noite, rede nacional de rádio e tevê transmite a mensagem do fim de ano da presidente da República.
- Em Santa Catarina, o senador Paulo Bauer (DEM) desafia o bem avaliado governador Raimundo Colombo (PSD), aspirante à reeleição. Bauer monta o palanque presidencial para o tucano Aécio Neves.
- Quando tiver espaço livre na agenda, acompanhe seu filho a uma livraria. Incentive-o a frequentar esse fascinante templo do saber.
- Walterpress: Na nota “Só na aparência”, edição de ontem, estava escrito “Em verdade, em verdade, o birô da coluna voz diz”. O correto: “vos diz”. O repórter pede desculpas pela distração na hora de digitar. No teclado, como é notório, as letras “s” e “z” estão muito próximas.
- Registro: é o maior da história o déficit de 2013 na contabilidade das contas externas da República Surrealista dos Trópicos. Fica bem próximo dos US$ 79 bilhões.
- Fotografia do cenário de agora: Wilma de Faria (PSB) pintou-se para a guerra político-eleitoral com as cores de candidata à Câmara dos Deputados. Pode mudar, entretanto, os matizes. Depois de Garibaldi Alves, filho, (PMDB), ela é a maior eleitora do Rio Grande do Norte.
- Para refletir: “Escuta e serás sábio. O começo da sabedoria é o silêncio” (Pitágoras, filósofo e matemático grego).

Compartilhar: