Cápsulas do tempo

Foi na puberdade que eu vim entender o que eram as cápsulas do tempo, os recipientes que são enterrados para…

Foi na puberdade que eu vim entender o que eram as cápsulas do tempo, os recipientes que são enterrados para resgate anos depois. É como uma brincadeira em que uma sociedade remota interage com outra no futuro, expondo sua realidade pregressa.

Alguns anos antes da minha compreensão, experimentei enterrar coisas da infância imaginando como estariam quando fossem desenterradas anos adiante. Cavei um fundo buraco no beco da casa em que vivia, na rua Berta Guilherme, em Santos Reis.

A cápsula era um vidro de achocolatado Toddy, do maior que havia, em que adentrei uma pilha Rayovac, algumas tampinhas de refrigerante, dois soldadinhos da Gulliver, umas tampinhas de creme dental e diversas figurinhas do chiclete do Erasmo Carlos.

Na minha referência de tempo, não demoraria muito para o ritual de resgate; mas em meados de 1969 meu pai decidiu mudar-se do bairro e minha cápsula foi abandonada. Pela estrutura da casa, como vi outro dia, o meu beco foi invadido por novas paredes.

Há também cápsulas do tempo criadas apenas com envelopes. As meninas de antanho gostavam de brincar disso, escrevendo coisas, desejos e previsões para conferência quando chegassem na juventude. Outras combinavam abrir quando fossem casadas.

Não é raro aparecerem histórias de cápsulas que ficam debaixo da terra até por um século. As velhas botijas e baús de tesouros enterrados são também uma forma de cápsula, pois em muitos casos os valores econômicos estão na companhia de objetos.

De todas as formas de cápsulas do tempo, considero uma biblioteca a mais importante, a mais rica, muito mais valiosa do que qualquer tesouro escondido. Nada mais apropriado do que os livros para carregarem o melhor testemunho das eras de cada comunidade.

Outra cápsula de grande importância universal está navegando nas profundezas do espaço a bordo da sonda Voyage 1, lançada em 1977. Nela, há um disco dourado com imagens e sons da civilização terrena em todos os tempos. Já saiu da Via Láctea.

Há alguns anos, desenterraram uma cápsula do tempo na velha Catedral Metropolitana de Natal, que depois foi devolvida ao solo com novos objetos da nossa contemporaneidade. Diversas cidades do mundo acabam descobrindo os recipientes.

Cápsulas extravagantes já foram construídas, como a Cripta da Civilização, uma cova gigantesca na cidade de Atlanta onde foi posto um conjunto de utensílios dos anos 1930. Há uma outra, já desenterrada, que continha um Cadilac e coisas da década de 1950.

Mas, nenhuma foi planejada para um resgate tão demorado (exceto a Voyage, claro) quanto a que foi construída pela empresa Westinghouse em 1939 durante a 1ª Feira Mundial realizada em Nova York, cujo lema era “O amanhecer de um novo dia”.

Foi o primeiro recipiente especialmente criado para guardar os registros daquela época e com a orientação expressa de só ser aberta em definitivo dentro de 5 mil anos. Com 2 metros de tamanho, foi feito com 99,4% de cobre, 0,5% de cromo 0,1% de prata.

No seu interior há cédulas, moedas, relógio, despertador, óculos, brinquedos, ferramentas, sementes, vidros, discos e até um tubo de pasta de dentes. Há também um “livro de registro” explicando a abertura em 5 mil anos, e um dicionário de inglês.

A cápsula de Nova York foi enterrada em 23 de setembro de 1938, um ano antes da feira, mas foi caracterizada como parte do evento. Está a 15 metros de profundidade numa área do Queens, um dos cinco distritos que formam a maior cidade do mundo.

Uma réplica exibindo os objetos contidos nela está em exposição no Centro de História Senador John Heinz, em Pittsburgh, e todos os detalhes estão revelados em dois livros ainda não lançados no Brasil. Um dos destaques é a mensagem de Albert Einstein.

Nos EUA há um culto à famosa cápsula do tempo da Westinghouse, hoje com direito a sites e blogues alimentando os curiosos com imagens e fatos cotidianos do biênio 1938-1939. Já eu, decidi que daqui a 100 anos vou desenterrar meu vidro de Toddy. (AM)

País de contrastes

No mesmo Brasil em que dois passageiros da companhia Gol abdicam dos seus lugares para que uma equipe médica transporte um coração para um doador, o abuso sexual infantil atinge o vergonhoso número de uma criança violentada a cada oito (8) minutos.

Gravações

O promotor Eudo Rodrigues Leite disse ontem à reportagem do Portal No Ar que não sabia que uma audiência de delação premiada comandada por ele havia sido gravada. Os áudios já estão na posse da Justiça e foram encaminhados para o CNJ e para a OAB.

Gravações II

O material gravado mostra o promotor conduzindo o delator a declarar o que ele e uma terceira pessoa desejam que seja denunciado contra o ex-prefeito de Goianinha Disson Pessoa, que por causa daquele caso perdeu a chance de se reeleger na eleição de 2012.

Picardia

Numa conversa a três, um executivo de governo contava sobre um problema fundiário de um empresário no interior, que teria conseguido a simpatia de um promotor do município na questão por causa da interferência de um deputado estadual.

Picardia II

Quando o cara explicava que o caso teve a compreensão do MP, graças à atenção do tal promotor ao pedido do parlamentar seridoense, a terceira pessoa disparou: “O MP do RN pode ter defeitos, e tem, mas não tem o defeito de ser amigo desse deputado”.

Plano Palumbo

Apesar da insegurança, Petrópolis se tornou centro gastronômico, onde se destacam Agaricus, Dolce Vita, Duas Marias, Neruda, Temaki Louge, Portofino, Benditas, Gusto Santo, Âncora Caipira, Flor de Salvia, Armazém Gourmet e uma dezena de bons self services.

Yes, somos de ponta

O Brasil já pode sentir-se inserido no contexto da “mundernização” depois da notícia de que São Paulo irá receber a primeira Apple Store do país, no Morumbi Shopping. Quem sabe a partir de agora a USP recupere prestígio no ranking mundial de universidades.

Rejeição

Pode não demorar a permanência da governadora Rosalba Ciarlini (DEM) na última colocação do ranking de aprovação de governos estaduais. Tudo indica que deverá deixar a posição para Agnelo Queiroz (PT), o trapalhão na gestão do Distrito Federal.

Lobby

Profissionais de educação física pressionam a Câmara Federal para que não modifiquem a Lei Pelé, permitindo que ex-jogadores de futebol, sem o diploma do curso, se tornem técnicos. É como se jornalistas proibissem pessoas a se tornarem escritores e poetas.

Agressões

O tal do marco civil, tão festejado pelos petistas, vai controlar ou não vai os crimes contra a honra e de injúria dessas mesmas figuras contra autoridades políticas e magistrados? É incrível os adjetivos e palavrões publicados contra Joaquim Barbosa.

Compartilhar:
    Publicidade