Carlos Eduardo sinaliza apoio ao PMDB: partido que tentou torná-lo inelegível

Carlos Eduardo foi adversário do PMDB em 2012 e trocou farpas com lideres da sigla. Apoio de Henrique a gestão municipal, no entanto, deve influir na decisão do prefeito

y34y34y34y

O PDT deve apoiar o candidato do PMDB ao Governo do Estado e, consequentemente, a candidatura da vice-prefeita Wilma de Faria, do PSB, para o Senado. A informação é do prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, presidente estadual do PDT e a principal liderança local do partido. Para não parecer que tomou a decisão sozinho, no entanto, Carlos Eduardo acrescentou que ainda vai consultar a sigla antes de confirmar a notícia.

O curioso dessa situação, e que ajuda a mostrar como é a vida de um político no RN, é que na última disputa eleitoral, pela Prefeitura de Natal, Carlos Eduardo e o PMDB estiveram de lados opostos e chegaram a trocar farpas publicamente. O prefeito, inclusive, disse admitir que o presidente peemedebista, Henrique Eduardo Alves, apesar de primo dele, trabalhou para torná-lo inelegível e tirá-lo da disputa.

“De minha parte a tendência é apoiar Henrique e Wilma”, afirmou Carlos Eduardo em entrevista concedida na noite desta terça-feira, a rádio 98 FM. É importante lembrar que, em janeiro, o deputado estadual Agnelo Alves – pai do prefeito e a outra liderança do PDT no RN – já havia confirmado a ideia de apoiar o PMDB. Segundo o parlamentar, ninguém no Estado reúne as características tão boas quanto o sobrinho dele, o presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves, pré-candidato do PMDB.

Apesar disso, recentemente, havia ganhado força a possibilidade do PDT se aliar com o PSD e o PT, que buscam aliados para apoiar a chapa do vice-governador Robinson Faria para o Governo e da deputada federal Fátima Bezerra, para o Senado. Tanto que eles até se reuniram na semana passada, na sede do PDT, com o prefeito Carlos Eduardo Alves. Para completar, o prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, também do PDT, se pronunciou publicamente e garantiu apoio a Fátima, independentemente de qualquer rumo que o partido tome na próxima disputa eleitoral.

Contudo, a situação com o PSD e o PT estagnou aí e parece ter continuado a evoluir com o PMDB e o PSB. Na última segunda-feira, Carlos Eduardo se reuniu com Henrique e Wilma de Faria para também discutir política. Para o partido, inclusive, até uma vaga na suplência de Wilma ou na vice-governadoria de Henrique teria sido oferecido em troca do apoio da sigla de Carlos Eduardo Alves.

É importante lembrar que a situação só não foi definida antes devido ao comprometimento político de Carlos Eduardo. Em 2012, quando foi reeleito prefeito de Natal, Carlos Eduardo recebeu o apoio de Robinson Faria e de Wilma – que chegou a abrir mão de disputar a Prefeitura para apoiar o nome do PDT. No segundo turno da corrida eleitoral, Carlos Eduardo foi apoiado por Fátima Bezerra, que levou o PT para apoiar a candidatura dele e não a do PMDB – que seria o mais lógico para alguns, dada a aliança nacional dos dois partidos.

Além disso, quando assumiu a Prefeitura de Natal em situação caótica, Carlos Eduardo também foi consideravelmente ajudado pela deputada Fátima, por meio da disponibilização de recursos para obras e ações na capital do Estado. Porém, é bem verdade, também foi ajudado pelo primo e presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, a quem deve apoiar na disputa eleitoral.

TRABALHO DE HENRIQUE

Ajudou e muito, tanto que fez o prefeito de Natal esquecer pelo que passou na disputa eleitoral – e antes dela. Afinal, na mesma entrevista que confirmou a aproximação de Henrique, Carlos Eduardo revelou acreditar que o PMDB “deve” ter trabalhado para torná-lo inelegível e tirá-lo da disputa, reprovando as contas dele por irregularidades nas contas de quando era prefeito, em 2008.

“Suponho que o PMDB tenha trabalhado”, afirmou Carlos Eduardo, após dizer que “há controvérsias” sobre Henrique ter ou não trabalhado para convencer os vereadores peemedebistas de votar contra, o então pré-candidato a prefeito.

Para PSB, Wilma será candidata ao Governo, diz Franklin Capistrano

Apenas para a imprensa que a ex-governadora e atual vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, do PSB, está perto de ser candidata ao Senado em uma chapa com o PMDB para o Governo. Pelo menos, foi isso que garantiu o vereador e futuro presidente da Câmara Municipal, Franklin Capistrano, também do PSB. Em pronunciamento na noite desta terça-feira, na Casa Legislativa, o parlamentar afirmou que, para os correligionários de Wilma, ela continua sendo pré-candidata a governadora, e não a senadora.

“Tenho conversado com Wilma nos últimos dias e posso assegurar que ainda não existe uma definição”, disse Capistrano, chamando de “oba oba”, as informações de que a candidatura de Wilma para o Senado na chapa do PMDB que terá Henrique Eduardo como candidato a governador e João Maia como vice.

Franklin Capistrano entende que o nome da atual vice-prefeita de Natal e ex-governadora do Estado, Wilma de Faria continua sendo defendido pelo eleitorado de todo o Rio Grande do Norte. Segundo ele, é o reconhecimento da população pelo trabalho feito por ela na condição de governadora em duas oportunidades e prefeita da capital três vezes.

“Wilma tem relevantes serviços prestados ao povo e por isso o seu nome encontra-se no imaginário popular. Ela é uma gestora competente que pode perfeitamente tirar o Estado dessa situação aflitiva em que se encontra”, disse Franklin Capistrano, mostrando-se convicto de que a vice-prefeita de Natal ainda não decidiu e continua visitando os bairros de Natal e os municípios do Rio Grande do Norte para ouvir a população e posteriormente definir seu futuro político.

WILMA NEGA

Na edição desta terça-feira d’O Jornal de Hoje, inclusive, a própria Wilma de Faria já havia negado a informação de que estaria “fechada” com o PMDB para compor a chapa encabeçada, provavelmente, pelo presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves. Tanto é assim que, segundo ela, o anúncio sobre o destino do PSB nas eleições de 2014 deverá ser feito só em abril. O PMDB quer fechar isso antes, ainda no final deste mês.

Compartilhar:
    Publicidade