Carnaval termina com 15 mortos e aumento de 49% em ocorrências

Dados foram apresentados pelos órgãos de segurança durante coletiva à imprensa realizada hoje pela manhã

Coronel Francisco Araújo apresentou os dados referentes a Operação. Secretário de Segurança, Aldair da Rocha (centro), participou da coletiva. Foto: José Aldenir
Coronel Francisco Araújo apresentou os dados referentes a Operação. Secretário de Segurança, Aldair da Rocha (centro), participou da coletiva. Foto: José Aldenir

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

Após o fim do Carnaval, o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil e ITEP apresentaram, em coletiva realizada nesta quinta-feira (6), no auditório da Governadoria, o balanço de ocorrências da chamada Operação Carnaval, que foi realizada durante os cinco dias da folia em todo o Rio Grande do Norte.

Um dos principais dados apresentados foi o número de homicídios, que teve uma queda de 40% em relação ao ano passado, caindo de 25 para 15. De acordo com Adson Kepler, delegado-Geral adjunto da Polícia Civil do Estado, a maioria dos crimes não teve nenhuma ligação com o Carnaval. “Tivemos dois assassinatos em Mossoró, que não tem Carnaval. Também tivemos uma morte em Baraúna, que foi por vingança. Nas cidades que tivemos carnaval, as ocorrências foram poucas”. Para Adson, a integração entre os órgãos que participaram da Operação foi um diferencial.

“Com a fiscalização feita em todos os setores, como a blitz da lei seca, outros crimes maiores puderam ser evitados. Tivemos um apoio muito grande da Polícia Militar, o que coibiu muitas ações”, frisou. Em relação ao total de ocorrências atendidas pela Polícia Civil, o número na Grande Natal e interior aumentou, respectivamente, em 49,05% (total de 362) e 50,95% (total de 376).

No Carnaval 2014 a Polícia Militar viu o número de atendimentos subir 9,1%, de 1635 para 1783. Boa parte das ocorrências, um total de 363, esteve relacionada a perturbação do sossego alheio. “Realmente não esperávamos esse aumento. Foi feita uma grande campanha de conscientização sobre o tema, mas ainda assim tivemos esse aumento. Mas felizmente, quando fizemos a intervenção, as pessoas compreenderam e não causaram problemas”, destacou o coronel Francisco Araújo, Comandante Geral da Polícia Militar.

Araújo ainda afirmou que a PM conseguiu apreender pessoas com cocaína e loló. “Apreendemos 1kg de cocaína, em uma região próxima à praia da Redinha. Também apreendemos 254 frascos de loló, sendo 204 em Apodi e outras 50 em Tibau. Conduzimos outras 174 pessoas para as delegacias e apreendemos sete armas de fogo. Um, inclusive, foi apreendido em Macau, próximo onde estava acontecendo a passagem dos trios”.

Atendimentos aquáticos

Apesar de o número total de atendimento ter aumentado de 327 em 2013 para 339 em 2014, o Corpo de Bombeiros comemorou o número de ocorrências no atendimento a praias e balneários que, segundo o tenente Monteiro, foi menos aos outros anos devido o carnaval ter ocorrido em período da maré baixa. “Estamos em um período em que as marés das praias estão mais baixas e isso realmente ajudou bastante. Além disso, tivemos uma grande quantidade de homens que trabalharam nos lugares de maior movimentação”.

Durante a fiscalização de festas e shows, três cidades tiveram o carnaval cancelado por não terem a liberação do Corpo de Bombeiros. “Fizemos a interdição dos carnavais de Grossos, Almiro Afonso e Ipueira, pois o Corpo de Bombeiros sequer sabia que essas festas estavam acontecendo, portanto não foi nem caso de se fazer uma inspeção, mas sim de interditar. Infelizmente, no caso de Almiro Afonso, ficamos sabendo que mesmo com a interdição, o carnaval ainda aconteceu. Vamos analisar para saber o que ocorreu”, afirmou o tenente Monteiro.

ITEP participa da Operação Carnaval

A maior novidade da Operação Carnaval 2014 foi a participação efetiva do ITEP, que em outros anos não esteve presente no desenvolvimento da Operação. Durante o Carnaval, 48 corpos foram recolhidos pelo ITEP, sendo 33 em Natal, 14 em Mossoró e um em Caicó. Destes, três foram vítimas de afogamento. Segundo Raquel Taveira, diretora do instituto, o efetivo utilizado no carnaval deve aumentar nos próximos dias. “Não temos os números do ano passado, mas este ano fizemos um trabalho muito forte para atender a todos durante o carnaval e acredito que conseguimos atingir nossos objetivos. Nos próximos dias iremos receber quatro técnicos para conseguir liberar todos os corpos que ainda temos no ITEP”.

 

Acidentes aumentam

Da sexta-feira (28) até a quarta-feira (5) a Polícia Rodoviária Federal aumentou em 100% o seu efetivo nos 1.625km da malha viária do Estado. O período festivo terminou com o registro de 70 acidentes (10 a mais que em 2013), com 32 feridos e 4 mortos. Dos quatro acidentes com vítimas fatais três envolveram motocicletas. O combate à embriaguez teve maior atenção por parte dos policiais. As equipes da PRF realizaram 1515 testes do bafômetro e 61 condutores foram flagrados dirigindo sob efeito de álcool.

Radares instalados nos principais corredores viários que dão acesso às cidades de Mossoró, Caicó e Macau registraram 2503 imagens de veículos acima da velocidade permitida.

Associação reclama das condições de trabalho

A Associação de Cabos e Soldados do RN (ACS-RN) fez várias denúncias referentes às condições de trabalho dos chamados praças da Polícia Militar durante os cinco dias de carnaval no Rio Grande do Norte. A principal foi o “alojamento” dos policiais nas cidades onde eles trabalharam no interior do Estado.

“Os praças tinham que dormir em ginásios e praças das cidades, com colchonetes finos, que foram cedidos. Um absurdo, pois isso só acontece com os praças. Os oficiais não passam por nada disso. É uma situação humilhante. Os policiais saem de suas casas, do convívio da família para passar por situações como essa. Isso acontece sempre e tem que mudar”, afirmou o soldado Roberto Campos, presidente da ACS-RN.

Outro problema relatado por Roberto Campos foi o pagamento das diárias do carnaval, que deveriam ter sido depositadas na conta dos policiais na sexta-feira (28), mas que, segundo informações passadas pelos próprios PMs, só começaram a ser pagas na quarta-feira (5), o que causou grande revolta nos policiais que estavam envolvidos na Operação Carnaval.

“Em Macau, por exemplo, os policiais ameaçaram não trabalhar. No sábado, eles iniciaram o dia sem trabalhar, pois o pagamento ainda não tinha sido feito. Foi preciso o coronel Araújo (Comandante Geral da PM) vir falar com eles e garantir que o pagamento seria feito até a quarta-feira. De fato a maioria já está recebendo, mas para nós nada justifica o que aconteceu. A sorte foi que o pagamento do salário do Estado tinha saído na sexta-feira (28) e os PMs tiraram dinheiro do próprio bolso para comprar comida”, destacou Roberto, que ainda reclamou que o Governo já atrasou o pagamento de eventos “especiais” em outras oportunidades.

“Os policiais só ameaçaram parar por já terem passado por isso antes. Com receio que os policiais não trabalhassem no Carnatal, o Governo pagou as diárias do São João que estavam atrasadas. Para a Operação Verão, o Governo pagou as diárias do Carnatal que estavam atrasadas. E assim eles vão fazendo. Mas os PMs não irão mais aceitar essa situação”.

De acordo com o Araújo, o Governo fez o depósito no Banco do Brasil na sexta-feira (28). “O dinheiro foi depositado no Banco do Brasil e foi isso que eu passei para os policiais. Se eles não receberam foi por um problema administrativo do próprio Banco do Brasil”.

 

 

 

 

 

Compartilhar: