Casas em Mãe Luiza continuam em risco de desmoronamento

Chuva que caiu na manhã desta terça-feira voltou a provocar deslizamento de terra e preocupar Defesa Civil

Deslizamento-de-terra-em-Mae-Luiza--WR--(632)

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

 

Diversas casas na Rua Guanabara, no bairro de Mãe Luiza, continuam em risco de desmoronamento. Pelos menos sete residências podem vir a desabar completamente nos próximos dias, caso as chuvas voltem a cair com intensidade em Natal. Essas casas já tiveram parte da estrutura levada durante o deslizamento de terra que ocorreu neste final de semana passado, em função de problemas com os sistemas de esgotamento sanitário e drenagem da região.

Na manhã desta terça-feira (17) um novo deslizamento foi registrado, levando parte do asfalto da rua que já está bastante comprometido.

A capital potiguar está em estado de calamidade, conforme decreto publicado no Diário Oficial do Município. A medida facilita o aporte de recursos federais, bem como agiliza as providências para uma solução definitiva da crise, sem que seja necessário que a Prefeitura realize processo licitatório para o serviço. Apesar de o prefeito Carlos Eduardo ter tranquilizado a população de Mãe Luiza, prometendo ações urgentes para minimizar os impactos causados pela chuva, ainda não há garantia de uma solução rápida e concreta.

Na noite de ontem (16), a Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi) começou a utilizar lonas e sacos de areia para evitar o aumento da erosão. Maquinas retroescavadeiras estão trabalhando para desobstruir a Avenida Governador Silvio Pedroza, em Areia Preta, que permanece interditada para o trânsito de veículos e moradores de dois edifícios também afetados com os deslizamentos de terra. O trabalho de recuperação da área ainda está sendo estudando.

O Ministério da Integração Nacional enviou à Natal um engenheiro e um geólogo da secretaria Nacional de Defesa Civil para colaborar com os técnicos locais na solução do problema causado pelas chuvas no bairro de Mãe Luiza e na comunidade do Jacó, que deixaram cerca de 100 famílias desabrigadas.

EDIFÍCIOS EM AREIA PRETA

As fortes chuvas que caíram na cidade na sexta-feira (13) e sábado (14) causaram o rompimento de tubulação de drenagem e esgotamento sanitário, destruindo a escadaria que liga a Rua Guanabara à praia de Areia Preta, causando uma erosão na Rua Guanabara e provocando a retirada dos moradores do local e a interdição da rua. Por precaução, a Defesa Civil do Município e o Corpo de Bombeiros evacuaram dois edifícios de Areia Preta.

O engenheiro civil Marino Eugênio, síndico do residencial Aldebaran (um dos edifícios evacuados em Areia Preta), informou que os moradores só voltarão para os seus apartamentos quando tiverem autorização por parte da Defesa Civil. “Precisamos dessa garantia de que estaremos em segurança. Enquanto isso, permaneceremos nas casas de familiares e amigos”, disse a`O Jornal de Hoje.

“Nós entendemos que esse não é o momento de voltarmos para casa. O que conseguimos tirar, como roupas de uso diário, tiramos”, disse. “Apesar de não podermos voltar, estamos prestando assistência no que podemos. Inclusive, a Prefeitura poderá usar o gerador de energia do nosso prédio no caso de necessidade para os serviços de reparação. Queremos que as autoridades protejam a encosta e evitem novos problemas. Já que estamos em estado de calamidade, já se pode convocar o Exército e mão-de-obra qualificada para atuar nesse serviço”, destacou Marino Eugênio.

Um grupo técnico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), formado pelos professores Ricardo Severo, Ricardo Amaral e Dulce Bentes, esteve na área da cratera no último domingo, a pedido da Prefeitura de Natal, analisando a situação. Por sugestão dos técnicos está sendo feito um monitoramento diário da área por um engenheiro da Prefeitura e foi suspensa a retirada do material que caiu sobre a Avenida Governador Silvio Pedroza. Eles consideraram temerário mexer naquele material que está servindo de contenção da encosta até que o terreno se estabilize.

As famílias desabrigadas de Mãe Luiza e da Comunidade do Jacó estão alojadas em casas de parentes, amigos e abrigos providenciados pela Prefeitura do Natal que está fornecendo toda a assistência necessária. Uma campanha de doações de donativos teve grande adesão dos natalenses, que doaram roupas, calçados, colchões, material de higiene pessoal, toalhas, fraldas, material de limpeza e alimentos que estão sendo distribuídos às famílias atingidas.

Compartilhar: