Catedral Metropolitana de Natal iniciará reforma para acabar com as infiltrações

Cobertura receberá manta ipermeabilizante e serviço deve durar 90 dias

Catedral---chuva---goteiras-HD

A Catedral Metropolitana de Natal amanheceu nesta quarta-feira (7), mais uma vez com parte do piso coberto por água, decorrente das recentes chuvas que acometem a capital potiguar e pela falta de cobertura adequada no prédio. Segundo o Padre Valdir Cândido, pároco responsável, as infiltrações são decorrentes dos problemas estruturais no prédio, que devem ser sanados pela colocação de uma manta impermeabilizante.

Padre Valdir explica que as infiltrações são comuns e foram criadas desde a formulação da estrutura do templo. “A catedral tem 25 anos de construção e normalmente precisa de manutenção. O templo foi construído sobre concreto protendido, onde não existe coluna para segurar as vigas e sim um vão livre. Na parte da cima, conforma o arquiteto responsável pela obra pensou, é um teto sem telhado, uma laje, então é necessária uma manta de impermeabilização para evitar problemas de infiltrações” afirmou o pároco.

Ele também conta que uma manta foi colocada, mas que não surtiu efeito por não ser adequada ao local. “Em 2009 foi retirada essa primeira manta por decorrência de goteiras pontuais, para substituição. Então foi aplicado um novo produto que não surtiu efeitos frente às infiltrações” disse.

Mas foi em 2010 que tiveram início os grandes problemas com infiltrações na estrutura da Catedral Metropolitana. “Existiam goteiras pontuais, como numa casa quanto uma telha quebra, mas depois o problema começou a se agravar, por que foi tendo muita infiltração na laje pelo não funcionamento da manta colocada” explicou Padre Valdir.

Em 2012 iniciaram-se estudos para colocação de uma manta adequada para a realidade do prédio. “Pensamos em algo com tempo de vida maior, tendo em vista que a construção sempre precisa ser troca. A primeira manta foi além do que se esperava, durou 20 anos”, afirmou.

Com ajuda de uma consultoria realizada pela empresa Proasp , que também foi responsável por nove projetos de impermeabilização de estádios da Copa do Mundo, foi feita uma análise sobre a situação e o que poderia ser resolvido. Foram sugeridas mantas que proporcionariam a resolução dos problemas na cobertura.

Logo após o estudo, o projeto para recuperação dos problemas de infiltrações foi submetido a engenheiros civis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que fizeram sugestões sobre qual produto se adequaria melhor as exigências estabelecidas pelos administradores da Catedral e também sanariam os constantes problemas de infiltração no telhado do templo.

O contrato para colocação da manta foi assinado no dia 28 de abril e custou o valor de R$ 573 mil para aplicação. A nova manta chegará à capital potiguar neste sábado (10), e logo após será montado o canteiro de obras para aplicação do revestimento. “No dia 15 de maio o canteiro de obras vai estar instalado, em seguida, o serviço começará. Teremos uma pequena preparação da laje, retirando matérias e fazendo lavagem do local para recebimento da manta. Teremos 90 dias de prazo para concluir a obra” afirmou o padre.

Visitando pela primeira vez a Catedral Metropolitana de Natal, Ana Patrícia, moradora da pequena cidade de Alto do Rodrigues, no interior do Rio Grande do Norte, conta que está maravilhada pela beleza do local e o problema das infiltrações não atrapalham a vinda de fiéis. “Aqui é muito bonito, essas infiltrações não incomodam em nada os fiéis. Acredito que o problema deva ser resolvido para melhorar o ambiente” disse.

Compartilhar:
    Publicidade