CHICO BRAZ – MAIS UM AMIGO QUI SE FOI…

É, seu Braz; se eu tivesse iscrivinhando num papé; pode acreditá qui o pranto do poeta véio, tinha manchando o…

É, seu Braz; se eu tivesse iscrivinhando num papé; pode acreditá qui o pranto do poeta véio, tinha manchando o bicho tôdíin… Hoje tava me perparando  mode tumá o rumo do incronto dais água do Ríi Maxaranguape cum ais do Atrântico, quando nosso AMIGO CUMUM, Riva Júnior; ô mió, a Rapôsa do Nordeste; passô lá in casa mode me dá a nutiça de sua partida mode ir prestá conta a Papai do Céu… Mais pode fica discansado, amigo véio; qui na tua balança da vida materiá, nessa incarnação; tenho abissuluta certêza qui o prato dais boas ação qui tu praticô, tá munto mais pesado qui o ôto prato… Né pruqui tu tenha murrido não; mais aqui nessa incarnação; macho, tu num ofendêsse nem à cumiduria qui passasse prá dento do istambo… Eu num lhe cunhincí derna de cêdo; mais o poço de cunhincimento qui nóis travemo; deu mode eu tumá ciênça da pessoa maraviósa qui aqui tu fosse p’rúis teus amigo; e eu tive a filicidade e a honra de fazê parte do teu cicro de amizade; nuis tempo dais vaca gorda, prá mim e prá tu; e cuntinuemo amigo na época dais vaca maga tombém… Nuis tempo dais vaca gorda, nóis era bom dia. boa tarde, cumo vai… Aí, meu fíi; chegô o tempo dais vaca maga, c’á passage de meu pai, dispôi, da minha mãe; junto cum meu atolamento no “lamaçá do  aiculirmo”; adonde a mêrma sociedade qui nuis infruencia a bebê disinfreadamente; sem dó nem piedade, nuis joga na saigêta; diga-se “na rua da amaigura”; e a gente, qui nem um ríi, vai correndo sem freio, na direção do oceano de lama, qui tem cumo ponto finá; a morte prematura… Isso, sem contá cum a TRAIRAGE daquelas pessoa qui se apruveitaro da minha situação, mode “tumá p’rú pôco mais ô nada”; abissulutamente TUDO o qui eu pissuía… E foi nêsse tempo, Seu Braz; qui nóis se cheguemo; adispôi qui meus irmão do AA, herdêro da obra de Bill e meu xará Bob, me resgataro do fundo do poço do aiculirmo… Eu fabricava sandálias e fui levado p’rú seu intão funcionáro Wilson (Fíi do Véio Fulêro, meu cumpanhêro de birita…) mode falá cum Vossa Insolênça… Era um sábo de menhã! Quando você chegô no seu iscritóro, no premêro andá da intão Sapataria São Francisco, era p’rú vorta de nove da menhã e derna dais sete qui eu tava lhe isperando… Wilson me dêxô intregue e foi trabaiá na loja… Cunversemo, eu lhe amostrei meu mostruáro e você fêiz um pidido qui naquela minha cundição; eu levava um méis ô mais mode vendê… Eu lhe contei minha históra sem omiti uma vírgula e você fêiz mais; quando eu lhe intreguei o pidido; você iscreveu num papézíin e mandô eu passá no caixa;  me pagô à vista… Mêrmo aí dadonde tu táis agora,  num vai mensurá nunquinha, o tamãe do bem qui tu me fizesse in vida… Quinze dias adispôi, tu ligô prá mim, mandando eu arripití o pidido… Foi a maió parceria do meu tempo de fabricante de sandália!… Dispôi qui FHC quebrô todos uis micro empresáro do nosso Brazí; nossa amizade cuntinuô sem “maculage”, no ispaço e no tempo… Foi aí qui lancei mão duis insinamento do meu cumpade Júlio Preto e invêredei de vêiz na curtura populá nordestina… Urtimamente, nóis se incontrava quage tôda sumana; ô no Bom Dia Alegria, cum nosso paricêro Riva Júnior, na 98FM ô intonce, inquanto o amigo pôde nuis propóicioná àquelas maraviósas reunião dais quarta fêra, na CASA DE CHICO; adonde hoje, inté ais garrafa tão chorando cum sodade de você… E uis nossos incronto na Fêra de Lagoa Sêca ? Vai sê difíce nóis s’acusstumá c’á sua ausênça física… E num pense qui nossa amizade se acaba c’á sua viagem não sinhô; nossa amizade cuntinua indefinidamente; no prano matéria e no isprituá; dê um abraço e um xêro in todos uis nosso qui já tão puraí… Inté um dia! Fica cum Deuso!…

Compartilhar:
    Publicidade