Chute de exoesqueleto é, mais uma vez, oferta de baú misterioso de salvação – Danilo Sá

Este colunista, como muitos potiguares, comemorou o feito do cientista Miguel Nicolelis. Como ele prometeu, foi de um paraplégico o…

Este colunista, como muitos potiguares, comemorou o feito do cientista Miguel Nicolelis. Como ele prometeu, foi de um paraplégico o primeiro chute da Copa do Mundo. Mas, será que o resultado merece ser tão celebrado assim? Como este colunista não é nenhum especialista no assunto, abre espaço hoje para a palavra do jornalista Jairo Marques, colunista da Folha de São Paulo e cadeirante. Confira a seguir.

 

Jairo Marques

Colunista da Folha de S. Paulo

Em um rápido esbarrão com o filósofo Mário Sérgio Cortella, dias atrás, ele me aconselhou a nunca questionar esperanças, apenas respeitá-las e tentar entendê-las.

Assim, preciso admitir que a também rápida, rapidíssima, papa-léguas demonstração da roupa robótica, usada por um paraplégico, que encostou em uma bola em plena abertura da Copa do Mundo, pode abrir uma nova era de possibilidades.

O exoesqueleto, supostamente comandado por sinais do cérebro, oferece promessas futuras de mais conforto, mais mobilidade e mais independência para pessoas com deficiência física. A tecnologia tem potencial para destrancar sonhos guardados no campo do impossível.

Dito isso, o cutuque na bola — visto por alguns superatentos —, que consumiu R$ 33 milhões de dinheiro público, traz consigo elementos controversos para um arrazoado respeito e aceitação.

Vendido como “cura”, o exoesqueleto se posicionou com a imponência de um avião que abriria fronteiras jamais cruzadas, sobrepôs-se à necessidade de entender a diversidade humana e a urgência de promover inclusão no planeta de hoje, de amanhã e de vários séculos.

É emocionante ver. É gostoso imaginar. É prazeroso acreditar. Porém, mais uma vez, um baú misterioso que guarda salvações foi aberto diante daqueles que sensivelmente se agarram em quaisquer fios de gelatina.

O experimento propagou o andar como algo estritamente motor, bastando vestir um suporte para que o corpo de um lesado medular saia saracoteando como pinto no lixo.

A realidade é brutalmente mais complexa. Ficar em pé e dar uns passinhos, a Rede Sarah de Reabilitação já consegue com êxito há décadas, e de forma mais clara do que o que foi exibido.

Um paraplégico voltar a andar vai implicar intercorrências em um sistema circulatório debilitado, em ossos enfraquecidos, em um tecido dérmico sujeito a feridas.

Tratar de dentro para fora, como os experimentos com células-tronco e estimulação elétrica têm tentado, com menos holofotes, é rumo bem mais certo.

A melhoria da qualidade de vida para os “presos a cadeiras de rodas” – como arrotou ao vivo o narrador Galvão Bueno – exige uma atenção contínua, plural e menos espetaculosa.

Toda sorte e incentivo à ciência, a todos os corações a esperança e um bocadinho mais de cuidado e respeito com a realidade. (Publicado na Folha de São Paulo 13/06/2014)

ERA MELHOR VAIAR

Não deu muito certo o plano da presidente Dilma Rousseff para não ser vaiada na abertura da Copa. Aliás, o negócio foi até pior. A petista foi sonoramente xingada, em alto e bom som, para o mundo inteiro ouvir. Bastava o telão exibir a presidente que as mesmas palavras de baixo calão voltavam a ecoar pela Arena Corinthians, que recebeu ontem o primeiro jogo da competição.

FRACASSO

Por falar na abertura da Copa, lamentável a cerimônia. A apresentação artística foi abaixo da crítica; o playback do trio de popstars formado por Jennifer Lopes, Pitbull e Claudia Leitte foi facilmente notado; e a simplicidade das fantasias era de envergonhar o desfile das escolas de samba da 3’ divisão do RN, se existisse claro. Pelo visto, se dedicaram tanto a construir os estádios que esqueceram a festa de abertura.

APITO AMIGO

Dentro de campo não há o que discutir. O Brasil não jogou tão ruim assim, embora Daniel Alves, Hulk e Paulinho estivessem se dedicando muito para isso, mas os brasileiros ganharam a partida graças a interferência decisiva da arbitragem. O japonês Yuchi Nishimura deu um pênalti absurdo em cima de Fred. Além disso, o juiz também não expulsou Neymar após uma cotovelada do atacante ainda no primeiro tempo. Se tivesse sido mais rígido, o que poderia ser, o jogo seria outro.

VERGONHA

E a Arena das Dunas heim, que papelão. Venderam a imagem de que tudo estava pronto, mas esqueceram de buscar as liberações dos Bombeiros. Resultado, mais uma vez o estádio será liberado em cima da hora, como já ocorreu na sua inauguração, no início do ano. O jeito é torcer que nada dê errado.

PROTESTOS

Ainda em relação a Copa do Mundo, como o esperado, manifestações se espalharam pelas ruas do país no primeiro dia do torneio. E, mais uma vez, cenas deploráveis de violência ganharam as telas de TV. Em Natal, a previsão é que na próxima segunda-feira (16), dia do jogo entre Estados Unidos e Gana, as manifestações retornem com força. Governo vive dias de tensão diante da possibilidade dos protestos crescerem como no ano passado.

MERCADO

O shopping Cidade Jardim já comemora o aumento no fluxo de clientes. O mall registrou este mês um crescimento de 34.8% em comparação com junho de 2013. Este é um resultado dos investimentos que foram feitos. Além disso, como sede da distribuição de ingressos da Copa, a procura dos torcedores foi grande.

DIA PARA A HISTÓRIA

Com o jogo entre Camarões e México, Natal entrou para a história do futebol mundial. O que poucos acreditavam no início, virou realidade. Apesar do despreparo em alguns setores, da não liberação do Corpo de Bombeiros, das obras de mobilidade urbana inacabadas, o momento é de tentar tirar o máximo proveito de tudo isso que está ocorrendo na cidade. Pode ser que a capital potiguar não tenha outra oportunidade como esta.

PARALISAÇÃO

Lamentável a omissão do prefeito Carlos Eduardo Alves e de sua equipe da Secretaria de Mobilidade Urbana em relação a greve dos rodoviários. Simplesmente uma das categorias mais importantes para a sociedade cruzou os braços e o prefeito sumiu. Ora, porque não tentou resolver o problema antes dele acontecer?

GIRA MUNDO

A informação ganhou os portais voltados para cobrir a vida dos famosos em todo o mundo. Segundo a jornalista Fernanda Pandolfi, do site Rede Social, “o aguardado figurino de Claudia Leitte para o show de abertura da Copa e definido somente na véspera, foi ideia da cantora e de seu stylist, Renato Thomaz. Claudia revelou que optou por um estilo mais brasileiro, “fanaticamente patriótico”. Acredite se quiser: o look custou cerca de R$ 3 milhões. O body de mangas compridas foi criado pela Agua de Coco, com Lethicia Bronstein encarregada dos acabamento dos bordados finais. Segundo ela, trata-se de uma mistura de atacante com patinadora.”

Compartilhar: