Cirurgias corretivas de fissuras palatinas e atendimento a pacientes são suspensos em Natal

Hospital Universitário Onofre Lopes aguarda reestruturação do programa e a nomeação de novos profissionais

Hospital-Onofre-Lopes-WR--(9)

Alessandra Bernardo

alessabsl@gmail.com

Com a suspensão de cirurgias de fissuras palatinas realizadas pelo Hospital Pediátrico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Hosped/UFRN), aproximadamente 300 pacientes que eram atendidos na unidade estão sendo prejudicadas no Estado. Elas aguardam o retorno das atividades para dar continuidade ao tratamento, o que deve acontecer somente após a convocação de profissionais capacitados para os procedimentos, previsto para ocorrer até o final deste ano, conforme a superintendência do Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol).

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Fissuras Palatinas no Estado, Rubens Barros, a suspensão aconteceu em maio passado, quando o serviço de atendimento a fissurados, como são chamados os pacientes, foi removido para dentro do Huol, onde passará a funcionar. No entanto, como nenhum procedimento foi marcado desde então, a fila de espera aumentou e hoje já possui mais de duas mil pessoas aguardando por uma cirurgia.

“Para quem tem boa condição financeira, uma opção seria se encaminhar para o centro de referência mais próximo daqui, que fica em Recife, mas lá não estão mais aceitando novos pacientes por falta de vagas, então, estão todos sem atendimento há mais de três meses. O problema todo é que até agora, os procedimentos que eram realizados aqui foram suspensos e não tem nenhuma previsão de retorno, o que pode trazer graves consequências para aqueles que já começaram o tratamento”, alertou.

Ele explicou que uma criança com fissura palatina precisa passar por uma série de cirurgias corretivas e tratamento inter e multidisciplinar que pode durar, em média, 18 anos, já que acompanha o crescimento e desenvolvimento ósseo e muscular do paciente. E que essas intervenções cirúrgicas são programadas de acordo com cada etapa de crescimento do indivíduo, por isso, não podem ser feitas antes ou depois de cada período determinado.

“As consequências são imprevisíveis e variam de acordo com cada tipo de fissura apresentada pelo paciente, mas com certeza o prejuízo para o tratamento é muito grande, principalmente se ele estiver na fase de fazer uma nova intervenção e ela demorar muito para acontecer. Sem contar que há o risco grande da criança perder tudo o que já foi conquistado e ter que recomeçar todo o processo, já fora da idade ideal para isso, tanto em termos de cirurgia, como nas demais especialidades, como fonoaudiologia, otorrino e psicologia, por exemplo”, afirmou Rubens.

Huol aguarda chegada de cirurgião

A previsão é que os procedimentos cirúrgicos e o tratamento dos pacientes com fissuras palatinas no Rio Grande do Norte retornem à normalidade até o final deste ano, conforme assegurou o superintendente do Huol, Ricardo Lagreca. Ele explicou que o serviço foi paralisado porque o cirurgião plástico responsável pelas operações teve que sair da equipe e, com isso, não foi possível aceitar novos pacientes. E que está aguardando a nomeação do novo especialista para dar continuidade às intervenções.

Lagreca disse ainda que o projeto de tratamento de fissuras palatinas passará por uma reestruturação do programa e a entrada de novos profissionais, que também devem ser nomeados nos próximos meses. E que essa interrupção nos serviços oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é temporária, devendo ser retomadas em breve, para minimizar os prejuízos à sociedade.

“Estamos realinhando o projeto com a chegada de novos especialistas, entre eles cirurgiões plástico e buco-maxilo-facial, fonoaudiólogos, otorrinolaringologistas, psicólogos e outros. E reestruturando a infraestrutura e readequando o programa, para que ele possa ter sustentação e assim, beneficiar um número maior de pessoas. Infelizmente, não temos uma data definida, mas estamos trabalhando para retomar os serviços até o final deste ano”, afirmou o superintendente.

Compartilhar: