Com câncer, laudo diz não ser imprescindível prisão domiciliar para Jefferson

Ex-deputado, delator do esquema do mensalão, fez tratamento contra câncer e pediu avaliação

Advogados do delator continuam tentando mantê-lo em casa. Foto:Divulgação
Advogados do delator continuam tentando mantê-lo em casa. Foto:Divulgação

O laudo da junta médica sobre o estado de saúde do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), que servirá de base para a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, sobre o regime de prisão a ser cumprido pelo ex-parlamentar, foi anexado ao processo na semana passada.

Os médicos concluíram que “do ponto de vista oncológico”, não é imprescindível a sua permanência em casa ou em um hospital. A assessoria de Jefferson confirmou que ele já foi informado sobre o teor do laudo e continua aguardando em sua casa de campo, no município de Comendador Levy Gasparian, a decisão de Joaquim Barbosa.

Seus assessores, porém, acenam com a possibilidade de recurso em uma eventual decisão pela prisão do parlamentar. A alegação é de que o problema dele não seria mais oncológico, já que o tumor foi extirpado, mas dificuldades metabólicas decorrentes da cirurgia.

O advogado de Roberto Jefferson, Marcos Pinheiro de Lemos, disse ainda não ter tido acesso ao laudo completo de avaliação médica do ex-deputado. Segundo ele, o documento foi anexado ao processo na última quarta-feira, mas o presidente do STF não permitiu acesso de imediato ao material.

“O ministro já intimou. Esperava ter acesso ao laudo na sexta-feira, o que não ocorreu. Nossa expectativa é ver o laudo segunda ou terça-feira (hoje ou amanhã)”, explicou.

O advogado afirmou ter ouvido boatos sobre as conclusões do laudo. “Uma análise do ponto de vista oncológico é muito restrita. Tinha que ter uma visão médica (mais ampla)”, argumentou Pinheiro, que se disse muito curioso para ver o documento. “Vamos aguardar”, resumiu.

O ex-deputado Roberto Jefferson, que denunciou o esquema do mensalão, do qual também foi condenado a sete anos de prisão, submeteu-se, em junho de 2012 a uma cirurgia para retirada de tumor no pâncreas.

Fonte:Estadão

Compartilhar: