Comercial do Guaraná Antarctica com Neymar pode sair do ar

Segundo deputado Marcos Rogério (PDT-RO), a propaganda que satiriza estrangeiros no Brasil promove o bullying

Neymar prega pegadinhas em estrangeiros durante comercial do Guaraná Antarctica. Foto:Divulgação
Neymar prega pegadinhas em estrangeiros durante comercial do Guaraná Antarctica. Foto:Divulgação

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (12) requerimento que pede ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República providências para retirar do ar o comercial “Papelzinho” do Guaraná Antarctica, produto da fabricante Ambev.

Na propaganda, o jogador Neymar faz brincadeiras com estrangeiros.

Segundo o deputado Marcos Rogério (PDT-RO), autor do requerimento, a propaganda “promove o bullying com estrangeiros no Brasil”.

Na campanha publicitária, criada pela Agência DM9DDB, Neymar ensina os estrangeiros — um holandês, um francês e um americano — a pedir a bebida em português. Mas no lugar de escrever as frases certas em um papel, o jogador prega pegadinhas com os gringos.

Cerca de mil consumidores reclamaram sobre campanha da Volkswagen, alegando que a montadora associava o gato preto ao azar. O Conar acatou.

“Trata-se da promoção do bullying, sua forma de praticá-lo, determinando inclusive seu público alvo: o turista em visita ao Brasil, no ano em que se realiza a Copa do Mundo”, diz o texto do requerimento, escrito por Rogério.

No requerimento, a comissão também sugere ao Conar que “oriente as empresas a evitar toda a propaganda que viole os princípios da dignidade humana”.

A Ambev afirma, em comunicado, que a propaganda saiu do ar no dia 11 de março, de acordo com o plano de mídia aprovado pela fabricante. “A companhia lamenta que a brincadeira de Neymar com seus amigos tenha sido mal interpretada por algumas pessoas”, informa a empresa, em nota.

O Conar ainda não me manifestou.

Fonte:IG

Compartilhar: