CONDIÇÃO

Sherloquinho afirma que o deputado Agnelo Alves poderá ser realmente o candidato a vice-governador na chapa de Robinson Faria, que…

Sherloquinho afirma que o deputado Agnelo Alves poderá ser realmente o candidato a vice-governador na chapa de Robinson Faria, que também terá Fátima Bezerra candidata ao Senado. A condição para o pai de Carlos Eduardo aceitar ser vice é Henrique Alves não ser o candidato a governador do PMDB. Agnelo não gostaria de enfrentar o filho de seu irmão Aluízio nas urnas. E a recíproca é verdadeira. Henrique também não gostaria de disputar contra o tio.

 

CONSULTORIAS

De Governo a Governo, o maior esquema de roubalheira de dinheiro público está nas famigeradas consultorias. Servem para tudo e não funcionam para nada, a não ser para engordar a conta de gente poderosa e muito ‘sabida’ que enriquece com essas maracutaias.

 

MELANCOLIA

Um rosalbista diz que o fim do senador José Agripino será nos braços de Rosalba e pedindo a Betinho Rosado para o PP fazer aliança com o DEM na proporcional. Será?

 

VETO

Wilma de Faria expôs, em entrevista a jornalista Thaisa Galvão, que não quer conversa com o DEM do senador José Agripino. De salto Luiz XXV, a mãe de Lauro esnoba quem a derrotou em 2010 e disse que ela havia quebrado o Estado. São as voltas da política.

 

PRESIDENTE

O deputado Fábio Faria assume a presidência da Câmara em pleno período do carnaval. Com a viagem de Henrique Alves ao exterior e o primeiro vice, André Vargas, que também ganhou o mundo, o filho de Robinson assume a presidência do Parlamento. Sherloquinho quer saber: “Pra que serve ser presidente da Câmara no carnaval, quando nada funciona? Só serve pra bota no currículo e nada mais”.

 

INDECISÃO

A indefinição do deputado Henrique Alves em relação a chapa majoritária, não tem agradado ao senador e ministro Garibaldi Filho. Afinal, enquanto o marido de Laurita permanece indeciso sobre se será candidato a reeleição ou a governador, atrasa também a definição de Walter Alves; o filho de Garibaldi será candidato novamente a deputado estadual, caso Henrique seja federal. Se o filho de Aluízio for candidato ao Governo, Waltinho será candidato a deputado federal.

CONFIANÇA

Por falar em Henrique, em que pese a força que o presidente da Câmara tem em Brasília e sua influência na política nacional, o fato de ter alimentado a criação de um bloco para pressionar e chantagear a presidente Dilma, fez com que o potiguar perdesse a confiança do Palácio do Planalto. E isso poderá ter conseqüências por aqui.

 

REGRAS

O TSE determinou algumas pequenas mudanças na legislação para as eleições. Uma delas trata da fixação de um novo prazo para substituição de candidatos. Antes, esse prazo era de apenas 24 horas; agora, são 20 dias para a substituição do candidato que renunciar ou ficar inelegível.

 

REGRAS II

A nova regra do TSE, evita o que já ocorreu em eleições por todo o Brasil e aqui no RN também. No último pleito municipal, o ex-prefeito de Tangará, Gija, trocou seu nome pelo do filho na última hora, mas fez campanha como se fosse ele o candidato. Em 2008, Luciana Farias substituiu o marido Marcos Ximbinha como candidata a prefeita de Touros no sábado, véspera da eleição.

MUDANÇA

Outra mudança estabelecida pelo Tribunal Superior Eleitoral: “Proíbe o candidato associar seu nome na propaganda eleitoral a órgão da administração direta ou indireta da União, estados e municípios”. A questão é como interpretar essa associação, já que todos os gestores fazem referência ao que realizaram enquanto estavam no Governo.

IMPRENSA

A juíza Marina Melo Martins Almeida, determinou que a Rádio Cidade FM 104,9, de Jucurutu, conceda diária ou semanalmente, espaço para o deputado estadual George Soares. A magistrada também estabelece uma multa de R$ 200,00 por cada dia de descumprimento.

 

IMPRENSA II

A decisão da juíza de Jucurutu certamente será reformada pelo Tribunal de Justiça. Afinal, não há amparo legal para a determinação de um veículo de comunicação ceder espaço obrigatório em sua grade de programação para qualquer político, mesmo que o veículo seja concessão pública. Nesse caso, a emissora pode, em último caso, até perder a concessão, mas não pode ser obrigada pela Justiça a fazer tal ou qual programação.

Compartilhar:
    Publicidade