Confiança da construção melhora com otimismo sobre situação atual

O índice de expectativas futuras continua em baixa na comparação de fevereiro com janeiro

A evolução favorável da confiança da construção deveu-se à melhora da percepção sobre a situação atual do setor. Foto: Scott Olson/Getty Images News
A evolução favorável da confiança da construção deveu-se à melhora da percepção sobre a situação atual do setor. Foto: Scott Olson/Getty Images News

O ICST (Índice de Confiança da Construção) apresentou melhora no trimestre que terminou neste mês — ao registrar variação interanual de -3,1% —, embora continue abaixo dos níveis do mesmo período do ano anterior, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (25) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Nos meses anteriores, as variações interanuais trimestrais haviam sido de -3,7%, em novembro de 2013, -3,9%, em dezembro de 2013, e -3,9%, em janeiro de 2014.

Na comparação mês a mês também houve melhora relativa. A confiança do setor teve variação de -1,3% em fevereiro de 2014, uma melhora frente às variações de -5,0%, em dezembro de 2013 e -3,0% em janeiro de 2014, nas mesmas bases de comparação.

Percepção

Em termos trimestrais, a evolução favorável da confiança da construção deveu-se à melhora da percepção sobre a situação atual do setor: a taxa de variação interanual trimestral do Índice de Situação Atual passou de -4,4%, em janeiro, para -2,7%, em fevereiro – menor variação nesta base de comparação desde julho de 2011. Já na comparação mensal, o indicador foi de -2,3%, em janeiro, para -0,4%, fevereiro.

A melhora relativa da situação atual foi influenciada pelo momento dos negócios. A variação interanual do Indicador Trimestral deste item passou de -1,8%, em janeiro, para -0,1%, em fevereiro. Das 698 empresas consultadas, 26,7% avaliaram a situação atual como boa no trimestre findo em fevereiro de 2014, contra 25,0% no mesmo período do ano anterior; já 13,5% das empresas reportaram piora da situação (contra 11,6%, em janeiro de 2013).

A perspectiva em relação aos próximos meses, por outro lado, variou -3,5% em fevereiro, mantendo a diferença em relação aos -3,4% de janeiro na mesma base de comparação. Em bases mensais, houve melhora do índice, ao sair de -3,5%, em janeiro, para -2,0%, em fevereiro.

De 11 segmentos pesquisados, sete registraram evolução favorável da confiança, considerando-se comparações interanuais trimestrais. Os destaques positivos foram os segmentos de Aluguel de Equipamentos de Construção e Demolição, cuja variação passou de -6,3%, em janeiro, para -1,5%, em fevereiro; Obras de Acabamento, com taxas de -9,8% e -7,1%; e Obras de Arte Especiais e Obras de Outros Tipos, com variação de -9,4% para -6,9% respectivamente, nos mesmos períodos.

O quesito que mede o grau de otimismo em relação à tendência dos negócios nos seis meses seguintes exerceu influência levemente negativa sobre a confiança da construção. A variação interanual trimestral deste quesito passou de -4,7%, em janeiro, para -4,8%, em fevereiro. A proporção de empresas prevendo melhora da situação na média do trimestre findo em fevereiro de 2014 é de 37,5%, contra 41,7% há um ano, enquanto a parcela das que estão prevendo piora foi de 5,8%, contra 3,4%, em fevereiro do ano anterior.

 

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade