Conheça os remédios que podem engordar por conta dos efeitos colaterais

Como é a saúde que está em jogo e não é possível suspender a medicação, os alimentos são aliados na hora de controlar a gula

Alguns medicamentos podem provocar o aumento do peso corpóreo por conta do aumento do apetite. Foto: Divulgação
Alguns medicamentos podem provocar o aumento do peso corpóreo por conta do aumento do apetite. Foto: Divulgação

Quando o médico receita um medicamento, não dá para fugir: é a saúde que está em jogo. Vários medicamentos, no entanto, carregam efeitos colaterais. Alguns podem até engordar, por conta do aumento da fome.

Paulo Giorelli, nutrólogo membro da Associação Brasileira de Nutrologia, explica que não se pode parar com a medicação por conta dos quilos a mais, pois é o problema de saúde que está em primeiro lugar. “Existem medicamentos que engordam na maioria das vezes, mas isso não quer dizer que todas as pessoas que tomarem vão engordar”, esclarece.

“Além disso, há, na maioria das vezes, outras opções a um medicamento que está causando um efeito indesejado em um paciente”, complementa Mário Carra, endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO),

Veja quais são os medicamentos que podem engordar:

Antidepressivos – “Os inibidores da monoamina oxidase e o carbonato de lítio costumam aumentar muito a fome de quem toma”, explica Giorelli. A boa notícia é que a tecnologia farmacêutica tem atenuado esse efeito colateral. “Os antidepressivos mais antigos causam mais fome. Hoje em dia, os novos medicamentos como a fluoxetina, escitalopran, citalopran não causam esse problema”.

Antipsicóticos – Giorelli explica que as famosas drogas para controle de transtornos de humor (clozapina, olanzapina, risperidona e quetiapina), ao atuar no sistema nervoso, também estimulam a fome. O endocrinologista da Abeso diz que os antipsicóticos podem provocar algumas alterações em nível celular, alterando o metabolismo da glicose. “Alguns deles estão associados com o começo do aparecimento do diabetes, que é o que a gente chama de intolerância ao metabolismo da glicose. Não significa que é diabetes”, explica Carra. Caso isso aconteça, o paciente deve avisar o médico para que este busque outras opções de remédios.

Corticóides – são os que mais engordam e, no caso deles, não há como fugir. O médico costuma receitar para quem tem doença autoimune ou alérgica, sendo preciso tomar com frequência. “A cortisona aumenta o peso porque aumenta a fome, a retenção de líquidos. É importante lembrar que é um medicamento que salva vidas. Se uma pessoa tem uma reação alérgica, pode até morrer. A cortisona ajuda a reverter este quadro. Se o paciente tomar demais, pode alterar o metabolismo. Pacientes que tomam doses altas de corticoide por um tempo prolongado podem ganhar até 20 quilos em um ano”, explica Giorelli. O presidente da ABESO afirma que a cortisona piora o funcionamento do hormônio insulina. “A sensação é de um descontrole de fome. Isso só acontece quando o uso é crônico, por mais de um mês. Em quem toma esporadicamente, não acontece nada”, explica.

Pílula anticoncepcional – as formuladas à base de estrógeno levam ao aumento de peso por retenção de líquidos. A dica é pedir ao ginecologista que receite as que contêm progesterona. Segundo Carra, o estrógeno pode, eventualmente, alterar o metabolismo, deixando a pessoa um pouco menos saciada. “Fome é a sensação que você precisa comer, é aquela sensação de estômago vazio. A saciedade é a questão da gula, que é quando se comem sem necessidade. É isso que o estrógeno causa em alguns casos”, explica.

Anti-hipertensivos – os mais antigos podem aumentar o peso por retenção de líquidos. “Reter líquidos é diferente de ganhar gordura”, explica Carra. “Mas é só trocar o remédio que o problema acaba”.

Se a fome causada pelos remédios é impossível de burlar, dá para optar por alimentos que ajudam a controlar as crises de gula. Veja a lista:

Vitamina C – algumas propriedades dos alimentos ricos em vitamina C ajudam a diluir a gordura, fazendo com que o organismo elimine com mais facilidade. A pectina, também presente nos alimentos que contêm vitamina C, é uma fibra que faz com que o açúcar seja absorvido mais lentamente, o que impede que ele se transforme em gordura. A pectina está presente na maçã, pera, pêssego e frutas cítricas.

Fibras solúveis – Presente na aveia, feijão, maçãs, frutas cítricas, ervilhas, legumes, elas incham com a água e aumentam o bolo alimentar, fazendo com que o organismo fique ocupado fazendo a digestão, deixando a pessoa com sensação de saciedade mais tempo.

Carnes – Por ser fonte de vitamina B12, elas ajudam a queimar gorduras.

Pimenta-vermelha – Contem capsaicina, que é termogênica e aumenta a produção dos hormônios que diminuem o apetite e, consequentemente, a quantidade de alimento ingerida numa refeição.

Alicina – o composto que dá o aroma ao alho dificulta o ganho do peso.

Comer cenoura e beber água antes das refeições – a cenoura reduz o apetite e a água, além de também reduzir o apetite, acelera o metabolismo.

Linhaça – contém fibras solúveis e ácidos graxos, que ajudam a manter a energia e saciedade.

Salada – o nutrólogo recomenda que se comece uma refeição com uma salada. “O cérebro leva cerca de 20 minutos para receber sinais do estômago dizendo que está cheio”

Amêndoas – elas contêm antioxidantes, magnésio e vitamina E, e aumentam a sensação de saciedade.

Café – ele ajuda o metabolismo a acelerar e controla a fome, se consumido com moderação. Esse efeito se dá por conta da cafeína e dos antioxidantes. O café deve ser consumido puro.

Gengibre – além de ser termogênico, o gengibre melhora a digestão e reduz a fome.

Abacate – a gordura do abacate manda sinais de saciedade ao cérebro, fazendo com que a pessoa perca o apetite mais rápido.

Maçã – excelente controladora da gula. A maçã é capaz disso por conter fibras, pectina, aumentar os níveis de energia, pois pela mastigação o cérebro entende que a pessoa está comendo e envia sinais de que está saciado.

Batata-doce – a batata-doce tem algumas substâncias que são resistentes às enzimas digestivas, portanto a digestão é mais lenta, o que confere saciedade por mais tempo.

Tofu – o queijo popular na cozinha oriental é fonte de isoflavonas e proteínas, que reduzem o apetite.

Aveia – a aveia é rica em carboidratos, mas mesmo assim demora pra ser digerida – mantendo a saciedade. Ela também tem o poder de suprimir o hormônio grelina, responsável pela fome.

Canela – a canela ajuda a diminuir os níveis de açúcar no sangue, além de aumentar o metabolismo.

Leite desnatado – para as mulheres que sofrem de TPM, o leite desnatado é um aliado, pois reduz a vontade de comer doces e carboidratos.

Compartilhar: