Consultor revela os caminhos para investir e morar em Miami

José Almeida nasceu e cresceu em Miami. Seu pai é cubano e sua mãe é brasileira. Cresceu visitando o Brasil.…

Com residência fixa em Miami e envolvido com o mercado imobiliário nos últimos seis anos, José Almeida percebeu um aumento considerável no número de brasileiros investindo em imóveis nos EUA. Foto: Divulgação

José Almeida nasceu e cresceu em Miami. Seu pai é cubano e sua mãe é brasileira. Cresceu visitando o Brasil. Por isso mesmo, fala português fluentemente. É um brasileiro completo:  possui uma grande família em Natal, alguns familiares no Rio de Janeiro e outros em Fortaleza, São Paulo e Brasília. Mesmo já viajado por todo País, sempre permaneceu a maior parte do tempo no Nordeste. Com o passar dos anos foi desenvolvendo uma paixão pela cultura brasileira, pelas pessoas e acabou casando com uma capixaba.

Com residência fixa em Miami e envolvido com o mercado imobiliário nos últimos seis anos, José Almeida percebeu um aumento considerável no número de brasileiros investindo em imóveis nos Estados Unidos, depois da crise imobiliária americana de 2008. E percebeu uma excelente oportunidade para trabalhar com o mercado brasileiro na cidade de Miami.

Nesta entrevista, José Almeida revela os caminhos para quem, como muitos potiguares, quer continuar no País, mas ‘com um pé’ nos EUA. “Isso nunca foi tão possível como agora”, diz.

Qual é o perfil do brasileiro que procura investir em imóveis nos Estados Unidos?

Além da crise financeira norte-americana e da queda do dólar, fatores como o aumento dos preços dos imóveis no Brasil, as facilidades de financiamento em Miami e também a qualidade de vida e baixos índices de violência são os principais atrativos que levam os brasileiros a investir no mercado imobiliário nos Estados Unidos. Agora, o perfil dos brasileiros que procuram investir no mercado imobiliário de Miami varia.  Primeiro, tem havido uma demanda para executivos na faixa dos 40 anos com filhos que querem educá-los aqui (Miami) e sair da violência do Brasil. Ai tem pessoas acima de 60 anos, semiaposentados que vão e vem, mas querem fixar uma base aqui.

Qual a faixa de investimento?

Os compradores de U$ 200/300 mil em geral compram como investimento e querem aguardar alguns anos buscando a valorização do imóvel, pois não conseguem estes valores de ótimas propriedades no Brasil e em Miami é possível comprar apartamentos seminovos com grande potencial de valorização no médio prazo. Pode ainda ser possível colocar o imóvel para alugar, dando um retorno em dólar de 4 a 5% ao ano. Também, desde 2011, tem havido um crescimento de brasileiros buscando imóveis de luxo de US$ 1 milhão para cima.

Quais seriam as razões?

Há muitas razões para isto: primeiro, a cidade de Miami nos últimos anos tornou-se uma metrópole tanto no aspecto empresarial, de negócios, como principalmente cultural. Hoje, os moradores de Miami em todos os aspectos sentem viver num paraíso – clima ideal, não tem inverno, custo de vida relativamente baixo, facilidade de comunicação- permitindo aos empresários viver em Miami e continuar em contato com os seus negócios no Brasil e, como mencionei anteriormente, qualidade de vida e quase inexistência de violência. Cada pessoa possui uma razão diferente para investir no mercado imobiliário em Miami, então a primeira coisa que faço é conhecer, aprender o que o cliente está buscando para que eu possa mostrar propriedades que irão suprir suas necessidades.

O que você sugeriria para um potiguar que queira adquirir um imóvel em Miami?

Sugiro para aqueles que estão pensando em investir no Mercado imobiliário aqui é procurar uma boa assessoria desde o agente imobiliário, até o legal, contábil, etc. Por exemplo, se o cliente tem uma pergunta a respeito de problemas legais, eu coloco meus clientes em contato direto com um advogado que também é fluente em Português e que trabalha conosco. Se o cliente precisar de um contador para discutir questões sobre pagamentos de impostos nos EUA, coloco o cliente em contato com um contador que fala Português. Se o cliente deseja financiar a compra do imóvel, eu apresento um agente bancário que trabalha com compradores estrangeiros para financiamento e por ai vai. Sinto que grande parte do meu trabalho inclui assessorar meus clientes em todas as áreas envolvendo a compra de uma propriedade.

 Como funciona o processo de revendas?

Primeiro é feito uma oferta e vem uma contraoferta até que se chega ao preço final e parte do meu trabalho é orientar e ajudar meu cliente a negociar com o vendedor para que a compra seja realizada no melhor preço possível.
E em relação à compra de apartamentos em lançamento? Como é o processo?
Nos lançamentos é assinado um contrato e em geral paga-se 50 a 70% durante a obra, e nas chaves pode-se pegar um financiamento ou pagar à vista.

E se seu cliente quiser financiar uma propriedade? É difícil para um comprador estrangeiro obter financiamento nos Estados Unidos?

Temos vários Bancos hoje que trabalham com compradores brasileiros. Financiamentos estão a 5% ao ano, prazos de 30 anos e os documentos necessários são o passaporte e comprovação de fundo bancário (que o cliente tem o dinheiro na conta para a compra). No caso do financiamento precisa comprovação de renda que deve ser compatível com a compra e a referência bancária. À vista escritura-se em 30 dias e financiado em 45/60 dias. Os brasileiros e estrangeiros em geral têm no momento mais facilidade de obter um financiamento devido a duas razões importantes: têm poupança para dar a entrada que é entre 35 e 40% do valor do imóvel e têm como provar renda que suporta a despesa.

Quais as áreas em Miami nas quais os brasileiros estão mais interessados?

Os brasileiros estão se concentrando em Brickell (comercial), Miami Beach (praia), Sunny Isles (praia), Bal Harbour (praia), Aventura (residencial) e agora muitos brasileiros estão descobrindo uma cidade que fica mais ou menos a 40 minutos ao Norte de Miami chamada Fort Lauderdale, na qual eu conheço por obter lindas praias com calçadão, casas e apartamentos maravilhosos ao redor da praia.

Compartilhar: