Conta de luz deve subir para o consumidor entre 8% e 9% em 2015

Empréstimo de R$ 8 bi feito às distribuidoras vai pesar no bolso do consumidor

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O empréstimo de R$ 8 bilhões para as distribuidoras de energia - incluso em socorro de R$ 12 bilhões anunciado pelo governo em março - deve aumentar o custo da energia ao consumidor entre 8% e 9% em 2015, diz fonte do setor. Esse porcentual considera apenas o valor do financiamento para o pagamento da compra de energia no mercado de curto prazo e gerada por termelétricas.

Com esse ajuste, o custo do megawatt-hora, atualmente de R$ 250, em média, subiria para R$ 275. E pode ficar maior se o custo da energia no mercado continuar elevado. A estimativa do governo para o valor do financiamento às distribuidoras considera um custo de R$ 470 por MWh. Atualmente, o valor está em R$ 822.

Outro reajuste que deve começar a chegar ao consumidor em 2015 é o referente aos aportes do Tesouro à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para a compra da energia gerada por térmicas e comprada no mercado de curto prazo em 2013.

No ano passado, o valor foi de R$ 9,8 bilhões. Mais R$ 4 bilhões serão aportados neste ano. Essa parcela, de R$ 13,8 bilhões, resultaria em um reajuste em torno de 14%, que será parcelado entre 2015 e 2018.

Além desses reajustes represados de 2013 e 2014, a conta de luz subirá devido ao reajuste tarifário regulamentar anual de 2015. Esse valor só será definido pela Aneel no próximo ano.

Para evitar que o impacto de tantos reajustes chegue ao consumidor, o governo conta com o fim da concessão das usinas mais antigas. Elas devem ser licitadas para um novo operador em 2015. A tarifa cobrada pelas concessionárias por essa energia, de R$ 110, cairá para R$ 30. O governo avalia que isso deve rebater parte desse aumento.

Fonte: Estadão

Compartilhar: