Coordenador da campanha do PSB questiona resultado das pesquisas no RN

Cláudio Porpino: “Wilma tem folha enorme de serviços prestados a Natal e ao RN”

regherge

Um dos coordenadores da campanha da vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria ao Senado, ex-deputado Cláudio Porpino, entende que as pesquisas de opinião pública divulgadas recentemente são contraditórias e não retratam o que se vê nas ruas onde, segundo ele, a população norte-rio-grandense está expressando um sentimento de apoio à candidata do PSB em reconhecimento ao trabalho realizado por ela nos cargos que ocupou até agora na condição de secretária de Estado, prefeita de Natal em três oportunidades, governadora do Estado duas vezes e deputada federal constituinte. “Wilma tem uma folha enorme de serviços prestados a Natal e ao Estado, e certamente será reconhecida pelo povo do Rio Grande do Norte”, ressalta.

Dizendo que algumas pesquisas não são confiáveis porque são encomendadas por adversários, Cláudio Porpino diz acreditar que a candidata Wilma de Faria será eleita senadora nas eleições de outubro para continuar ajudando o Rio Grande do Norte, considerando, entretanto, que o pleito não será fácil. “Não existe eleição fácil”, disse ele, se mostrando confiante na vitória da coligação majoritária denominada “União pela Mudança”, que congrega mais de 15 partidos políticos, entre eles, PMDB, PSB, PR, PROS, PV, DEM, PPS, PDT, além de outros de menor potencial eleitoral no Estado.

AUSÊNCIA DO DEM

Nos meios políticos a informação é de que está havendo insatisfação da cúpula do PSB com a falta de empenho dos liderados do senador José Agripino no apoio à candidatura de Wilma de Faria ao Senado, fato que estaria prejudicando a candidata na disputa com a petista, Fátima Bezerra. “Em vários municípios do Estado prefeitos e vereadores do DEM não declararam apoio a Wilma, o que configura um quadro de falta de liderança ou desinteresse do presidente do partido, senador José Agripino, que estaria interessado apenas em reeleger o filho, deputado federal, Felipe Maia”, disse uma fonte que prefere não se identificar.

Compartilhar: